Laima firma parceria com a Urbana-PE

Neste dia 03 de dezembro, o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, temos o prazer de anunciar que a Urbana-PE firmou um convênio com o Laboratory of Artificial Intelligence and Machine Aid (Laima-UFPE) para realizar uma pesquisa diagnóstica e propor soluções para a melhoria da mobilidade de pessoas com deficiência no transporte público por ônibus da RMR. ?‍??‍? ? ?

O Laima implementará o conceito de “machine aid” que desenvolve e aplica em seus produtos e serviços voltados à acessibilidade e à inclusão da pessoa com deficiência. O Laima e sua equipe dão as boas-vindas à Urbana, em mais esta parceria e aproveita para parabenizar todas as pessoas com deficiência por este dia simbólico de conscientização e luta.


Confira o anúncio da nossa parceria com a Urbana-PE no Instagram abaixo:

Publicações relacionadas

Os gênios não se criam com a fome, morrem por causa dela

Olá, leitores Laima, Francisco Lima aqui no teclado!

Hoje, trago-lhes este artigo provocante, de premissas inquietantes e de grande reflexão sobre o sistema educacional brasileiro.

Assinado por José Aparecido da Silva e Rosemary Conceição dos Santos, e publicado na Revista Brasileira de Tradução Visual (RBTV), o artigo “OS SONS DO SILÊNCIO O nivelamento por baixo” aponta que:

“Um mínimo de recursos, para não dizer zero, é aplicado pensando-se nos mais capazes. Ademais, programas voltados para estudantes brilhantes, de algum modo tão em desvantagem quanto os com dificuldades de aprendizagem, atraem pouco suporte financeiro, e, ocasionalmente, hostilidade. Considerados elitistas, raramente são tolerados pelo sistema escolar. Por quê? Pelo fato de muitos educadores esquecerem que muitas crianças talentosas são pobres e vivem em ambientes totalmente desfavoráveis. Em verdade, investimentos em crianças desfavorecidas, econômica e socialmente, têm significados práticos, assim como têm investimentos dirigidos para estudantes talentosos, cognitivamente desfavorecidos. Assim sendo, a educação brasileira precisa fazer, com urgência, um upgrade na amplitude superior da habilidade cognitiva, isto é, considerar mais, e melhor, a educação dos talentosos.

A extensão, e qualidade, da aprendizagem na educação brasileira são baixas de modo geral, pois, os padrões básicos do que uma pessoa, de habilidade mediana, pode aprender estão rebaixados. Isto faz com que o estudante talentoso tenha pouco, ou quase nenhum, estímulo para estudar intensamente.”

Se você gosta deste assunto e quer ler mais sobre ele, acompanhe-nos aqui, e, em breve, pela nova RBTV que, agora, vem fazer parte do projeto Laima (Laboratory of Artificial Intelligence and Machine Aid).

Não deixe de comentar na seção de comentários deste site o que você achou a respeito do artigo de José Aparecido da Silva e de Rosemary Conceição dos Santos.


Os sons do silêncio

Publicado por José Aparecido da Silva¹ e Rosemary Conceição dos Santos²

¹ Livre-docente da Universidade de São Paulo, Departamento de Psicologia, Campus da USP-Ribeirão Preto

² Universidade Estadual de São Paulo (UNESP)

Resumo

As habilidades dos indivíduos importam, particularmente suas habilidades em domínios específicos, pois talentos em diferentes domínios específicos têm diferentes trajetórias evolutivas que variam em função de seu início, do nível mais elevado alcançado e quanto terminam. As oportunidades fornecidas pela sociedade são cruciais em diferentes níveis do processo evolutivo do talento. Argumentamos que a sociedade deve fomentar seus talentos e, principalmente, reconhecer que diferentes processos de aprendizagem são necessários para diferentes níveis de inteligência dos estudantes.

Palavras-chave: talento, inteligência, gênio, aprendizagem, fraude educacional

Abstract

The abilities of individuals do matter, particularly their abilities in specific talent domains. Different talent domains have different developmental trajectories that vary as to when they start, peak, and end. The opportunities provided by society are crucial at every level in the talent-development process. We argue that society must promote these opportunities, and, mainly, understanding that different learning processes are requested as a function of students` different levels of intelligence.

Key-words: giftedness, intelligence, genius, learning, educational fraud

O nivelamento por baixo

A educação do jovem, compromisso de todas as sociedades humanas, é algo que pode ser feito de modo correto ou não. Consistindo em educar cada um, para que este atinja seu melhor potencial, um de seus ideais é permitir que estudantes mais capazes incorporem-na mais intensamente, dela fazendo um processo amplo, variado, profundo e desafiador. Em adição, subjacente a este processo, está a inteligência. Todavia, a ideia de que pessoas, com mais capacidade para tal, possam ser mais bem educadas, soa perigosamente, elitista. Entretanto, qualquer análise, interna ou comparativa, do empenho de escolares brasileiros, como um todo, revela que não estamos sequer conseguindo, em termos destes indicadores, educar nossos escolares adequadamente. Por quê?

Porque parece haver unanimidade, entre pais e educadores que o sistema de ensino das gerações atuais está “pior” do que aquele que nossos pais tiveram e “extremamente pior” do que o que os nossos avós receberam. Dados do analfabetismo funcional brasileiro revelam que 52% são incapazes de postar, sequer, uma carta, bem como, de dizer quando o Brasil conseguiu sua independência. Já, dados das avaliações educacionais revelam, também, que a maioria de nossos escolares de 4ª e 8ª séries não alcança o que deles se espera, colocando o Brasil nos últimos lugares entre 56 países. O risco? Não termos, se assim continuarmos, profissionais minimamente capazes de enfrentar a nova força de trabalho abstrata e simbólica que já se iniciou. Uma das razões é o declínio dos padrões educacionais nas últimas décadas, com editores e educadores que, procurando satisfazer dirigentes escolares, respectivamente, editam, deliberadamente, livros didáticos simplistas, e priorizam vocabulários textuais exíguos, suprimindo palavras mediana, ou elevadamente, complexas por imagens e cores. Tudo dentro do espírito de que “imagem é tudo”, enquanto que, “palavra é nada”. Deixando, com isso, “relaxadas” as exigências de desempenho em ciência, matemática, escrita e literatura e restritas às tarefas de casa, bem como privilegiando trabalhos, muitas vezes feitos por um, mas assinados coletivamente, aceitando pais que requerem professores menos exigentes em notas e cobrando mínimas execuções das tarefas propostas por estes. O slogan, portanto, sendo, nada se cobra, tudo se permite.

As reformas educacionais, em nome do multiculturalismo curricular, minimizaram diferenças de desempenho estudantil, levando educadores entusiasmados a fomentarem autoestima, independente do desempenho escolar. Desta forma, currículos politicamente comprometidos negligenciaram as habilidades específicas e a inteligência geral dos estudantes. Rigor e padrões de qualidade intelectual, substituídos pela valorização da diversidade e variáveis periféricas, “nivelaram por baixo” a educação básica, fundamental e média, brasileiras, tornando tudo “mais fácil” para estudantes de “inteligência média” e “facilitando em demasia” as demandas para os estudantes talentosos.

A negligência do talento

A mesma dinâmica envolvida no processo de “nivelamento por baixo”, através do qual o sistema educacional procura ajudar o estudante pouco talentoso, tem, também, um efeito redutor sobre o desenvolvimento do estudante talentoso, a saber: para atender os estudantes da cauda inferior da distribuição das habilidades cognitivas, os menos talentosos, educadores brasileiros, num primeiro momento, simplesmente suprimiram do currículo a exposição à literatura séria, o que foi seguido pela simplificação da mesma para que esta pudesse ser acessível a todos. Mas, enquanto isto ocorria, assuntos que estes materiais tratavam, capazes de empurrar os melhores estudantes até seus limites intelectuais, capacitando-os a lerem, e compreenderem, os clássicos, foram suprimidos. Ao oferecer este currículo simplificado, educadores impedem que estudantes mais talentosos movam-se, por si próprios, em busca de seu potencial máximo. Sem opção, estes talentosos seguirão, sim, o ritmo que lhes é oferecido em sala de aula. Ou seja, ao invés de lerem “A Odisseia”, por exemplo, lerão obras de autoajuda. Mas, estes mesmos alunos, melhor se ajudariam se não lessem estas últimas.

As políticas públicas atuais colocam os mesmos talentosos dentro, e os mais talentosos fora do sistema educacional. Um mínimo de recursos, para não dizer zero, é aplicado pensando-se nos mais capazes. Ademais, programas voltados para estudantes brilhantes, de algum modo tão em desvantagem quanto os com dificuldades de aprendizagem, atraem pouco suporte financeiro, e, ocasionalmente, hostilidade. Considerados elitistas, raramente são tolerados pelo sistema escolar. Por quê? Pelo fato de muitos educadores esquecerem que muitas crianças talentosas são pobres e vivem em ambientes totalmente desfavoráveis. Em verdade, investimentos em crianças desfavorecidas, econômica e socialmente, têm significados práticos, assim como têm investimentos dirigidos para estudantes talentosos, cognitivamente desfavorecidos. Assim sendo, a educação brasileira precisa fazer, com urgência, um upgrade na amplitude superior da habilidade cognitiva, isto é, considerar mais, e melhor, a educação dos talentosos.

A extensão, e qualidade, da aprendizagem na educação brasileira são baixas de modo geral, pois, os padrões básicos do que uma pessoa, de habilidade mediana, pode aprender estão rebaixados. Isto faz com que o estudante talentoso tenha pouco, ou quase nenhum, estímulo para estudar intensamente. Isto se deve, por um lado, ao fato de os pais não quererem que a “carga” de trabalhos, para serem feitos em casa, seja intensificada pelo professor e, de outro, pelo fato de educadores, gradativamente, nivelarem por baixo seus padrões supondo que em “simplificando” significado e conteúdo, todos podem aprender como o esperado. A realidade é que, num sistema educacional universal, muitos estudantes não alcançarão um nível de educação tido como básico. No sistema atual, predomina a tendência de enriquecer a educação das crianças na cauda inferior da distribuição da habilidade cognitiva. Contrastando, proponho que o sistema educacional não negligencie os talentosos, mas, sim, que equilibre a distribuição da habilidade cognitiva.

O último a entrar e o primeiro a sair

De modo geral, a sociedade brasileira, como um todo, tem respondido aos seus cidadãos talentosos com o “som” do silêncio, ignorando-os. Atitude negativa, identificadora inegável da indiferença, em relação aos que possuem elevadas habilidades cognitivas e reconhecido talento, denota, aos que a estudam, que há extremidade inferior e superior no contínuo das habilidades humanas. Porém, a ênfase, a identificação, o fomento e a alocação de recursos aos programas educacionais não têm sido iguais para ambas as extremidades. A extremidade inferior tem sido invariavelmente privilegiada. De fato, 99,9% dos fundos destinados à educação especial têm sido dirigidos para a extremidade inferior, fazendo com que educação especial seja entendida, apenas, como sinônimo de crianças excepcionais, englobando, neste todo, indistintamente, tanto aqueles com dificuldades de aprendizagem, quanto os que têm deficiência intelectual. O que faz parecer, à sociedade, que os talentosos não necessitam de qualquer educação especial. E que eles próprios, talentosos, podem, e devem, suprir suas próprias necessidades, pois, entendem que o mérito maior de serem talentosos eles já o possuem.

De um lado, o Brasil, ao longo dos últimos 20 anos, tem se voltado para proteger os direitos das minorias. Há leis, para melhor ou pior, voltadas à proteção de muitos grupos, grandes ou pequenos. Por exemplo, é possível citar programas de ação afirmativa, que reconhecem a discriminação demonstrada para com certos grupos minoritários e, algumas vezes, para com o sexo feminino. Numerosos programas que buscam garantir direitos e acesso iguais às pessoas com deficiência. E é certo que também as crianças, independente das dificuldades de aprendizagem que possam apresentar, devem ser identificadas e fomentadas. Por outro lado, os talentosos, ainda que talentosos, raramente são reconhecidos. E, infelizmente, quando são identificados, não tem havido programas de atendimento que busquem fomentar e enriquecer suas habilidades especiais e genuínas. Em outras palavras, os talentosos, tais como, as minorias, são tão desprotegido legalmente quanto qualquer grupo minoritário pode ser.

As prioridades colocadas tanto nos programas de fomento, quanto na capacitação de professores para o ensino de talentosos, caracterizam-se dentro do fenômeno “o último a entrar e o primeiro a sair”. Frequentemente, estes programas de fomento e capacitação de talentosos são os últimos, ou estão entre os últimos, a serem colocados em prática quando as condições estão boas. Sendo, também, os primeiros a serem excluídos quando as condições estão ruins. Outro problema enfrentado pelos talentosos em suas escolas é o nivelamento, por baixo, dos padrões de excelência. Na minha geração, a nota 10 representava um excelente trabalho (e olha que a maioria dos estudantes queria alcançar tal nota). Mas, hoje, basta receber uma nota cinco, que lhe garanta a aprovação, para a maioria dos estudantes agradecer em prece a obtenção de tal pontuação. Por causa disso, raramente os talentosos são desafiados a produzir o seu melhor. Fruto disso, a qualidade da educação tem sido rebaixado, substancialmente, em todos os níveis. E, professores e pais estão satisfeitos com conteúdos que, na maioria das vezes, alcançam padrões muito inferiores. Assim considerando, nosso sistema escolar, em geral, parece desvalorizar o talento, e não há dúvida de que nós estamos pagando o preço por tal atitude.

Aos nossos talentosos não está sendo dada a chance de desenvolver suas capacidades, de qualquer tipo e grau, as quais eles são capazes. Intelectualmente eles estão sendo desmotivados e desestimulados a alcançarem suas potencialidades máximas. Tais atitudes e comportamentos colocam, indubitavelmente, a nação em declínio. E precisamente por causa da valorização que se pratica da mediocridade, em detrimento da excelência. A nação precisa entender que nossos talentosos são os nossos “recursos naturais” mais valiosos, os quais, se os quisermos conservados, desenvolvidos e tornados acessíveis no futuro, necessitam ter revista, e modificada, tal atitude, de modo similar ao que se faz para qualquer outro recurso natural valioso. Enfim, necessitamos educar desde os pais, passando pelos professores, dirigentes educacionais até chegar a cada um que trabalha nas escolas. Pois, reconhecer, valorizar e fomentar os talentosos é fundamental para não ouvirmos apenas um som: o do silêncio dos que, mesmo muito capazes, foram preteridos por coisas extremamente insignificantes.

Nepotismo, Meritocracia e Igualitarismo

Há na literatura vários termos para se referir ao talento intelectual. Para alguns teóricos, o termo descreve um contínuo de habilidade, variando de “levemente talentoso” (QI 115-129, topo 2,5%) a “moderadamente talentoso” (130-144, topo 1%), “altamente talentoso” (145-159, topo 0,13%), “excepcionalmente talentoso” (topo 0,003%) e “profundamente talentoso” (topo 0,000003%), ainda que estas amplitudes de QI, e respectivas porcentagens de distribuição, possam variar ligeiramente. Outros termos, comumente relacionados, tais como, “superdotado”, “alta habilidade”, “alto potencial”, “hábil”, “superior”, “excepcional”, “supernormal”, “precoce”, “rápido”, “prodígio” e “gênio”, entre outros, são usados como sinônimos, existindo, ainda, aqueles que significam diferentes categorias ou níveis de desenvolvimento.

Gênio é o mesmo que superdotado? Uma pessoa com talento é o mesmo que um gênio? Usualmente estes termos são empregados como sinônimos, o que é incorreto. Superdotado é uma pessoa que apresenta um quociente intelectual muito superior à média da população, que é estabelecido em 100. Uma pessoa é considerada superdotada quando obtém uma pontuação superior a 130 ou 140 num teste de QI. Se fizéssemos um cálculo do número de superdotados que se espera encontrar no Brasil, teríamos que consultar uma curva normal para saber a porcentagem de pessoas que se situam acima de uma pontuação de 130. A estatística nos diz que 2,14% da população se situaria acima de 130. Se no Brasil há 200 milhões de habitantes então a previsão é que existirá algo, por volta de quatro milhões de pessoas superdotadas. Acima de 140 se situaria 0,13% da população, ou seja, pouco mais que 260 mil pessoas, seriam as consideradas extremamente inteligentes. Contudo, todos compartilham uma ideia comum: que há manifestações do potencial humano que diferenciam, intelectualmente, uma pessoa de seus grupos de referências, os quais podem ser seus pares, colegas ou conterrâneos.

Uma pessoa com talento é aquela que desenvolveu uma habilidade especial. Uma pessoa pode ter uma habilidade especial para realizar cálculos; outra, em música ou dança, e assim por diante. O talento supõe, portanto, habilidade específica em um determinado campo técnico, artístico ou profissional. Os chamados “sábios-idiotas” podem possuir um talento superdesenvolvido, enquanto todas as suas demais habilidades são escassas ou nulas. O gênio é praticamente igual ao talentoso: além de possuir habilidade excepcional em algum domínio, também é criativo. Frequentemente, as virtudes do gênio são atribuídas a uma combinação de inteligência, motivação e contexto sociocultural. O gênio requer uma alta inteligência, persistência, criatividade e um forte caráter.

Por outro lado, muitas teorias sobre o talento, ou sobre superdotados, são, fundamentalmente, conectadas às teorias da inteligência. A teoria da inteligência geral (fator g), teoria do talento que é, define-o como um QI acima de particular limiar. A teoria das inteligências múltiplas, outra teoria do talento, já admite, por sua vez, que o talento intelectual é estabelecido, num domínio particular, pelo desempenho de alto nível. A teoria triárquica da inteligência é uma teoria do talento em que o talento intelectual é determinado através do elevado desempenho em uma ou mais áreas, seja esta analítica, criativa ou do pensamento crítico. Todas, entretanto, fazem referência à inteligência e à sua mensuração, sem deixar de enfatizar o papel dos processos evolutivos nas mesmas, com algumas destacando a estabilidade da natureza e o nível do talento intelectual ao longo da vida, enquanto outras, as transformações evolutivas que ocorrem no tempo.

Todavia, independente do termo empregado, e do enquadramento teórico, muitas outras considerações determinam a relevância que um dado sistema educacional dá ao talento intelectual. Especialmente no que tange à sua definição, como ele pode ser identificado e como aquele, identificado como tal, pode ser tratado. Estas considerações são altamente contextualizadas no sistema educacional considerado, mas, certamente, envolvem aspectos econômicos, político-culturais e psicológicos que, embora em um sistema educacional multidimensional e diverso, exigem uma dimensão de compreensão particularmente importante, ou seja, mecanismos pelos quais as oportunidades educacionais são distribuídas entre os indivíduos dentro do sistema. Neste caso, embora haja muitas variantes de tais esquemas de distribuição, três são salientes dentro dos variados cenários educacionais atuais: (1) plutocracia/nepotismo/oligarquia, (2) meritocracia e (3) igualitarismo.

O primeiro esquema refere-se aos sistemas educacionais em que oportunidades e privilégios são distribuídos em função da riqueza (plutocracia), influências familiares (nepotismo) e classe social (oligarquia). Estes mecanismos de distribuição foram, comumente, característicos dos antigos sistemas educacionais, tais como, aqueles das antigas civilizações, período medieval e da era pré-industrial. Porém, ainda que, ao longo dos séculos 20 e 21, estes mecanismos tenham se desvanecido, seus resíduos são, ainda, altamente influentes em fracos sistemas educacionais, nos quais, apenas uma pequena minoria da população tem acesso à oportunidades educacionais, do tipo, por exemplo, educação superior (como ocorre na maioria dos países africanos). Influência, esta, que diminui em sistemas educacionais mais fortes.    O importante, entretanto, é que, nestes sistemas, as oportunidades educacionais são motivadas por riqueza, conexões familiares, privilégios das classes sociais, todas elas externas aos indivíduos, de forma que o talento intelectual é irrelevante neste processo.

O segundo esquema, a meritocracia, assume que o acesso às oportunidades educacionais é baseado na habilidade e nas realizações (mérito), também o necessitando ser em lugares em que as situações não ocorrem assim. O argumento que sustenta tal hipótese é o fato de os sistemas educacionais serem estratificados e agregados, de maneira que as escolas mais avançadas eduquem os estudantes mais hábeis, viabilizando lhes prosseguir estudos em instituições universitárias até que, formados, possam retribuir às sociedades que os apoiaram. No mundo, vários são os sistemas educacionais que têm tentado adotar mecanismos baseados no mérito. O objetivo? Viabilizar o acesso às oportunidades educacionais, para a criação de gerações altamente produtivas, que possam influenciar o desenvolvimento da ciência e tecnologia em seus países. A ideia de identificar crianças intelectualmente talentosas, tratando-as de maneira especial, está enraizada nesta doutrina, com seu elemento-chave baseado, apenas, nas características internas do indivíduo. Todavia, outros aspectos imediatamente surgem, tais como, no questionamento “De que forma características internas devem ser selecionadas?”, bem como, “Onde se situam as linhas divisórias entre crianças talentosas e não talentosas?”, “Como os critérios de inclusão devem ser definidos?” e “Como os estudantes talentosos, e não talentosos, devem ser educados num mesmo sistema educacional?”.

Finalmente, a doutrina do igualitarismo sustenta que, todos os indivíduos devem ser tratados como iguais, tendo as mesmas oportunidades educacionais e privilégios. Neste contexto, a suposição é de que todas as crianças, embora diferentes em seus perfis específicos, têm habilidades e, portanto, também direitos iguais às oportunidades educacionais que possam lhes desenvolver suas habilidades, quaisquer que estas sejam. Esta abordagem assume que todas as crianças são hábeis, embora em graus diferentes, e que é tarefa do sistema educacional ajustar-se de modo que as necessidades de cada um sejam alcançadas, e suas habilidades realizadas. Este enfoque muito tem influenciado o conceito e a educação do talentoso intelectual.

Entretanto, a maioria dos sistemas educacionais atuais, como, por exemplo, em Israel e Cingapura, que declaram se basear no mérito, enquanto França e Espanha, no igualitarismo, adota uma mistura dos elementos da meritocracia e do igualitarismo, mas não sem disputas. Estas, refletindo os aspectos sociais, culturais e econômicos em que tais sistemas estão inseridos, deixam claro que, a realidade da educação do talentoso intelectual, aqui envolvendo sua definição, processo de identificação, serviços e resultados desejados, está, necessariamente, alinhada a tais abordagens ou doutrinas, especialmente, em face das restrições sociais e políticas que estas refletem. Tudo se assemelha, portanto, a uma crise silenciosa, em que talentos estão sendo, constantemente, perdidos.

Educando o talento

Anos atrás, a Academia Nacional de Ciência, Engenharia e Medicina dos Estados Unidos, realizou um estudo buscando entender quais seriam as habilidades dos norte-americanos para competir na busca de empregos de qualidade numa economia globalizada. A conclusão, geralmente referida como “Caçando Tempestade”, revelou, após a primeira linha de seu título, que como nação, os Estados Unidos estaria se tornando menos competitiva. Todos nós vivemos numa economia, tal como escreveu Francis Cairncross, no “The Economist”, em que a ‘distância está morta´…. e ela realmente está”. Não mais competimos para empregos, ou clientes, com vizinhos próximos à nossa rua; pois, agora competimos com nossos vizinhos ao redor do globo. Ademais, muitos destes indivíduos são altamente talentosos e todos são intensamente motivados.

Vários estudos têm indicado que entre 50 e 85 % do crescimento no PIB de uma nação, ao longo dos últimos 50 anos ou mais, pode ser atribuído aos avanços nestes campos do saber. Não obstante, enquanto apenas 4 a 5 % da força de trabalho é composta por cientistas e engenheiros, estes indivíduos desproporcionalmente criam empregos para outros 96-95%. Por exemplo, afirma-se que durante anos recentes quando apenas 700 engenheiros estavam trabalhando no desenvolvimento e no manufaturamento do Apple iPod, 14.000 empregos adicionais foram criados nos estados Unidos e, aproximadamente, 28.000 novos empregos foram criados em outros países. Um antigo presidente da Cal Tech observou que um único e verdadeiramente excelente cientista é mais valoroso do que 1.000 cientistas muito bons. De fato, parece improvável que 1.000 cientistas medianos poderiam ter produzido a Teoria Geral da Relatividade, não importa quanto tempo eles dispusessem. Nem poderiam 1.000 escritores medianos terem produzido os trabalhos de Shakespeare. Nem poderiam 1.000 compositores medianos terem criado as músicas de Beethoven.

O padrão de vida de uma nação depende substancialmente das habilidades de seus cidadãos para competirem por empregos de qualidade e, portanto, o bem-estar de nossa sociedade como um todo depende desproporcionalmente do sucesso em reconhecer e amadurecer aqueles indivíduos que tomam o papel de liderança na criatividade, inovação e, geralmente, pensam fora dos padrões ditos normais.

Assim, reconhecer e educar jovens promissores, bem como, maximizar as oportunidades para que os mesmos possam contribuir para a sociedade é atualmente uma das missões mais importantes de nossos educadores. O futuro da nação está em como educamos os nossos jovens talentosos. Entretanto, para isso devemos desmistificar dois argumentos que têm sido frequentemente usados para impedir políticas que focalizem atenção especial aos estudantes talentosos.

Primeiro, a crença de que o talento se equipara ou é sinônimo de sem- esforço, desempenho superior ou que a produção criativa ou inovação é ampla e possível a qualquer um em nossa cultura. Alguns dirigentes educacionais argumentam que nenhum atendimento especial ou programas específicos são necessários para crianças ou jovens com talentos ou dons acadêmicos especiais. De acordo com esta visão, visto que jovens talentosos requerem pouco esforço ou instrução para serem bem sucedidos, eles deveriam participar em classes inclusivas, heterogêneas e receberem instruções diferenciadas apenas quando e se parecesse razoável oferecer. Alguns ainda entendem que agrupar crianças talentosas em função de suas habilidades e altas realizações em classes especiais é antidemocrático e elitista. A verdade é uma só: estas crianças também necessitam de atenção e educação especial. O talento precisa ser fomentado.

O segundo argumento enfatiza que programas dirigidos aos talentosos existem apenas para fomentar um segmento da sociedade. A percepção comum é que a seleção dos programas para talentosos é algo relativamente arbitrário. Usualmente entende-se que os talentosos originam-se, em maior parte, das classes sociais mais afluentes. Ainda que seja verdade que a maioria origina-se da classe média, há muitos oriundos de outros segmentos sociais e com variadas características demográficas. O princípio é um só: o talento deve ser identificado e fomentado esteja onde estiver.

Em nossa sociedade haverá sempre indivíduos que inspiram-nos admiração, ou inveja, por sua rapidez em aprender, pelo desempenho gracioso, ou pelas ideias inovadoras. Por realizarem tudo isso, aparentemente, sem qualquer esforço, e por fazerem contribuições magistrais em seus campos de saber, estas pessoas talentosas nos intrigam. E, portanto, tentativas para entender, desenvolver e fomentar suas habilidades são os pilares da educação futura.

O futuro da nação depende de como educamos os talentosos

A tese que defendemos é a de que o futuro do Brasil depende de uma “elite” muito especial, que seja, apropriadamente, educada visando a direção do país, gostemos disso ou não. E seus membros, em sua maioria, estão, certamente, ainda que não necessariamente, entre os academicamente talentosos. Portanto, devemos estar seguros do que, realmente, é ensinado a esta elite. Necessitamos ensinar-lhes mais integridade, prudência, autodisciplina, coragem moral, virtude, bondade e, principalmente, sabedoria e humildade.

Mas, o que é, em termos práticos, uma elite “muito especial”? Teria a mesma definição da elite que hoje dirige o país? Pense no seu município. Quais são as pessoas que têm impacto direto na vida econômica, educacional, social e cultural do mesmo? Você constatará, facilmente, que o que é visto, ouvido e criado, em todos estes contextos, é originado por todas as pessoas especialmente talentosas que o movem. Estes talentos compõem uma elite. Ou seja, são as pessoas que se configuram com o que há de mais valorizado, e de melhor qualidade, em um grupo social. Amplie sua indagação. Pense na nação. As principais ocupações que ela absorve compõem-se de médicos, engenheiros, cientistas, jornalistas, religiosos, economistas, entre outros. E todas estas ocupam prestigiado destaque em suas ações junto à nação. Outras posições similares são ocupadas, também, por administradores, banqueiros, empresários, cineastas e docentes, de escolas básicas a superiores, usineiros etc. Do mesmo modo, também as donas de casa, com suas atividades cívicas, religiosas, filantrópicas e políticas, entre outras, que fomentam o funcionamento da nação.

Agregados, todos estes cidadãos produzem um substancial efeito na cultura, economia, política e educação brasileiras. O que eles têm em comum? Todos pertencem a uma elite talentosa, ou seja, pequeno grupo que desempenha, de modo otimizado, suas habilidades e, a despeito de seu limitado tamanho, em relação aos milhões de habitantes da nação, são os que terão um grande impacto no futuro do Brasil. Por isso, nós, necessariamente, devemos educá-los para serem conscienciosos, preparando-os para lidarem com as demandas que, através do exercício de seus respectivos papéis, são requisitadas na sociedade. Logo, o que estou demonstrando é que nossa elite já é talentosa, faltando-lhe, apenas, que seja sábia. Neste sentido, nós estamos educando-os corretamente? Não. O problema com a educação dos talentosos é que a mesma não envolve a quantidade de escolaridade, nem o treinamento profissional, mas, sim, treinamento como cidadão. Entre os talentosos que se tornarão membros desta elite, muitos tomarão decisões que afetarão a vida de todos nós, exatamente em função das posições que os mesmos ocuparão. Nós necessitamos, assim, estruturar sua educação de modo que eles tenham a oportunidade de se tornarem, não só eruditos, mas, também, sábios.

O fomento da sabedoria requer um tipo especial de educação. Ou seja, o domínio das ferramentas da expressão verbal. Não porque os talentosos necessitem, apenas, comunicar-se na vida diária, mas porque tais ferramentas são indispensáveis para o pensamento preciso em nível avançado. Os talentosos precisam fazer julgamentos, intencionais ou não, que afetam a vida das pessoas, para além de sua família e amigos. Por isso, o fomento da sabedoria requer o estudo avançado da filosofia, da psicologia, da sociologia e do humanismo em geral. Haja vista que elas precisam conhecer o que significam a virtude e a bondade. Finalmente, e indispensável, é o fato de a sabedoria, por si, requerer que ensinemos os talentosos a reconhecer seus próprios limites e incapacidades, isto é, compreender o que é humildade.

Expressão verbal é o que a elite faz em seu cotidiano. A grande maioria dos trabalhos dos membros da elite consiste em ler, teclar, escrever, ouvir, pensar, refletir e conversar. Poucos destes membros fazem o seu trabalho através de habilidades físicas. Consequentemente, advém daí a importância das habilidades verbais no ensino da educação para os talentosos. Isto compreende o entendimento da linguagem, das regras gramaticais, da estrutura semântica das frases, bem como, dos princípios do raciocínio e suas relações com a linguagem. Ademais, a expressão verbal envolve a habilidade para resolver os tipos básicos de falácias e os princípios da retórica, tanto enquanto ferramenta para a expressão, quanto proteção contra ser enganado pela retórica mal utilizada. Por sua vez, a elite precisa ser ensinada a formar julgamentos justos e corretos. Por estarem numa posição de poder que afeta as pessoas em geral, além de amigos e familiares próximos, os membros da elite devem ser hábeis em avaliar as consequências de tomadas de decisões incorretas. Uma das tarefas especiais da educação dos talentosos é aprofundá-los no estudo do que significa a bondade, bondade esta como a que se aplica à virtude. E a bondade como um modo de pensar o como viver a vida humana. Finalmente, os talentosos devem admitir que, para influenciar outros, é fundamental que reconheçam os seus próprios limites, bem como, que também eles podem vir a fracassar. Aliás, a experiência internalizada da humilhação é, para muitos, o pré-requisito para a humildade.

A habilidade especial é o bem mais precioso que uma criança talentosa possui. O tratamento especial destas crianças não é, portanto, elitista. E, do mesmo modo que fomentamos habilidades atléticas e musicais, devemos fomentar e treinar, também, os dons especiais dos talentosos, os quais, na realidade, constituem a elite especial que moverá o Brasil. Afinal, o futuro da nação depende de como nós os educamos no presente.

Esta negligência do talento tem causado vários prejuízos, tanto à educação das crianças com baixa habilidade acadêmica, quanto àquelas que têm baixos e altos desempenhos acadêmicos. Dentre estes prejuízos encontra-se a humilhação por expectativas irracionais e a negligência do que elas poderiam aprender, em função da busca do que elas não podem aprender, entre outros. Do mesmo modo, esta atitude prejudica a evolução de estudantes talentosos, desmotivando-os, deixando-os satisfeitos com menos que o seu melhor. Além disso, prejudica aqueles que estão na média ao elaborar, para os mesmos, questões inadequadas, tomando-os por imbecis. O que se pode fazer para consertar isso? O sistema educacional brasileiro deve fundamentar-se na natureza da realidade humana, e não mais na psicologia de “achismos”. A qual assola, e imbeciliza o País, de norte a sul.

Referências bibliográficas

  • Da Silva, J.A. (2003). Inteligência Humana: Abordagens biológicas e cognitivas. São Paulo. Lovise
  • Da Silva, J.A. (2005). Inteligência: resultado da genética, do ambiente ou de ambos? São Paulo: Lovise.
  • Da Silva, J.A. (2007) Inteligência para o sucesso pessoal e profissional. Ribeirão Preto: FUNPEC-Editora.
  • Da Silva, J.A. (2009). A Fraude Educacional Brasileira. Ribeirão Preto: FUNPEC-Editora.
Publicações relacionadas

Tecnologias Assistivas Presentes no Tablet e Seu Potencial Para Uma Educação Inclusiva de Pessoas com Deficiência Visual

Olá, leitores Laima, Francisco Lima aqui no teclado!

Hoje, trago-lhes este artigo de Marcos Antonio de Lima e Hans da Nóbrega Waechter, publicado na RBTV, Revista Brasileira de Tradução Visual.

A transcrição do artigo aqui no site do Laima tem o objetivo de anunciar o retorno da RBTV, o que acontecerá em breve, tanto quanto o de divulgar o tipo de conteúdo que vocês poderão encontrar nessa qualificada Revista multidisciplinar.

Neste artigo vocês lerão que

…o tablet, além de proporcionar um campo fértil para a experimentação hipermidiática e visualística, como vem ocorrendo nos hiper-livros, pode tornar o projeto do livro didático mais universal, abrangendo um maior número de usuários e suas deficiências. Dado o caráter estratégico do material didático no desenvolvimento intelectual dos alunos, é mister ampliar o estudo de técnicas que venham, de forma padronizada e segura, adequá-lo a uma ampla gama de necessidades estudantis, mormente de acordo com os princípios do Design Universal “

VIERA; LIMA, 2010

Se você gosta deste assunto e quer ler mais sobre ele, acompanhe-nos aqui, e, em breve, pela nova RBTV que, agora, vem fazer parte do projeto Laima (Laboratory of Artificial Intelligence and Machine Aid).

Não deixe de comentar na seção de comentários deste site o que você achou a respeito deste artigo de Marcos Antonio de Lima e Hans da Nóbrega Waechter.

Tecnologias Assistivas Presentes no Tablet e Seu Potencial Para Uma Educação Inclusiva de Pessoas com Deficiência Visual

Tablet’s Assistive Technology & The Potencial To Contribute For Inclusive Education of  people with visual disability

Por Marcos Antonio de Lima Filho¹ e Hans da Nóbrega Waechter²

¹ Mestrando em Design pelo Programa de Pós-graduação em Design (PPGDesign) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

² Doutor em Comunicación Audiovisual e Publicidad pela Universidad Autónoma de Barcelona e Professor Adjunto 1 do Departamento de Design da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Resumo

No contexto da acessibilidade visual na sala de aula, os livros didáticos dividem espaço com suas respectivas versões impressas em braille ou com fontes de tamanho ampliado. Até então, não foi possível a produção de um design universal que contemplasse o suporte a todos os usuários. Este estudo, do tipo exploratório e descritivo, identificou os recursocessibilidade visual presente em tablets. A pesquisa concluiu que as tecnologias de acessibilidade presentes nos tablets propiciam um acesso mais democratizado aos livros hipermidiáticos, suportando um projeto mais universal no acesso ao currículo e à educação.

Palavras-chave: Tablets. Hipermídia. Tecnologias assistivas. Deficiência Visual.

Tablet’s assistive technology & the potencial to contribute for inclusive education of people with visual disability

Abstract

In the context of visual accessibility in the classroom, textbooks share space with their respective versions printed in braille or enlarged font sizes. Until then, it was not possible to produce a design that encompassed universal support for all users. This study, exploratory and descriptive, identified the visual accessibility features present in tablets. The research concluded that the accessibility technologies present in the tablets provide a more democratized access to books hypermedia, supporting one universal access to the curriculum and education.

Keywords: Tablets. Hypermedia. Assistive Technology. Visual Deficiency.

1 Introdução

Desde o século XV, com a invenção da prensa de Gutemberg, a produção em escala de livros didáticos está centrada na tecnologia do papel. No contexto da acessibilidade visual na sala de aula, os livros didáticos dividem espaço com suas respectivas versões impressas em Braille ou com fontes de tamanho ampliado. Até então, não foi possível a produção de um design universal que contemplasse o suporte a todos os usuários.

Neste cenário, surge uma nova tecnologia capaz de alterar esta divisão. Os tablets proporcionam somar ao projeto de livros didáticos recursos de acessibilidade que até então estavam disponíveis apenas em computadores. Para isso, não é necessária a criação de novas versões “acessíveis” do livro didático, como ocorre atualmente. Estes recursos estão presentes na base de sistemas operacionais móveis, estendendo-se a todos os livros visualizados no tablet, possibilitando um livro mais “acessível”, um design universalizado.

Trata-se de uma tecnologia emergente: o tablet, apesar de não ser um novo conceito computacional, apenas se popularizou como produto eletrônico de consumo à partir de 2010. Consequentemente, sua aplicação no contexto da sala de aula é recente, possibilitando experimentação no campo da hipermidialidade de livros digitais, bem como a acessibilidade de sistemas digitais baseados em telas de toque (touchscreens).

O objetivo desta pesquisa, do tipo exploratória e descritiva, é identificar recursos de acessibilidade visual, descrever os respectivos objetivos, natureza e instruções básicas destas ferramentas. A maneira pela qual estas tecnologias podem ser implementados aos projetos de livros hipermidiáticos também foi investigada. Espera-se com a realização deste estudo contribuir para o debate acerca do uso de tablets na educação e para a produção de hipermídias, aplicativos, jogos e hiper-livros mais acessíveis.

2 Revisão da literatura

2.1 Deficiências visuais

Para que possamos entender as ferramentas disponibilizadas para a inclusão de pessoas com deficiência visual, é importante termos claro o que significa deficiência visual e seus diferentes graus de manifestação. Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (BRASIL, 1997), a deficiência visual pode manifestar-se de duas maneiras distintas:

  • Cegueira: perda da visão, em ambos os olhos, de menos de 0,1 no melhor olho após correção, ou um campo visual não excedente a 20 graus, no maior meridiano do melhor olho, mesmo com o uso de lentes de correção. Sob o enfoque educacional, a cegueira representa a perda total ou o resíduo mínimo da visão que leva o indivíduo a necessitar do método Braille como meio de leitura e escrita, além de outros recursos didáticos e equipamentos especiais para a sua educação;
  • Visão reduzida: acuidade visual dentre 6/20 e 6/60, no melhor olho, após correção máxima. Sob o enfoque educacional, trata-se de resíduo visual que permite ao educando ler impressos a tinta, desde que se empreguem recursos didáticos e equipamentos especiais.

2.2 Acessibilidade e deficiência visual

Acessibilidade significa não apenas permitir que pessoas com deficiências ou mobilidade reduzida participem de atividades, elas também estendem-se ao uso de produtos, serviços, sistemas e informação. Em usuários com visão reduzida, a acessibilidade está em ampliar a informação visual, já em usuários com cegueira total, a acessibilidade se dá através do estímulo de outros canais perceptivos, sendo o tátil e o auditivo os mais comuns.

Existem seis categorias de geradores de informação para o aprendizado de pessoas com deficiência visual: geradores de informação visual ampliada, geradores de informação auditiva, geradores de informação tátil, geradores de informação olfativa, geradores de informação gustativa e transcritores (CARVALHO, 2001).

No campo da educação, essas tecnologias permitem aos alunos realizar suas tarefas escolares, bem como, dar-lhes o acesso necessário para conhecimento dos conteúdos dos materiais didáticos (NUNES, FONTANA, VANZIN, 2011). Algumas destas tecnologias são direcionadas ao acesso à hipermídia, que por sua vez é ferramenta de grande valor para o ensino à distância permitindo que pessoas com deficiências possam ser beneficiadas uma vez que suas limitações físicas dificultam o deslocamento às instituições de ensino (HONORATO et al. 2011). Com isso, evidencia-se a importância de se pensar a acessibilidade na atividade projetual das hipermídias.

2.3 Tablets

Apesar de serem um novo tipo de computação móvel nas mãos dos consumidores, os tablets já existiam há algum tempo. Contudo, sua adoção por educadores e consumidores fora atrasada pelo seu tamanho e custo proibitivos (WEIDER, 2011). Os primeiros conceitos foram originados no século passado, mas as tentativas de lança-los no mercado de massa ocorreram apenas neste século: Em 2000, a Microsoft lançou no mercado o Microsoft Tablet PC, como um computador móvel para uso pessoal e profissional. Contudo, seu produto falhou em atingir amplo uso, restringindo-se ao uso de nicho em hospitais e aplicações profissionais outdoor, em parte, devido a problemas de usabilidade e custo que impediram sua massificação no mercado (BRIGHT, 2010).

Foi apenas a partir de 2010 que tablets portáteis, fáceis de usar e relativamente baratos estiveram disponíveis ao consumidor (MANG; WARDLEY, 2012). Em Abril de 2010, a Apple lançou o iPad, um tablet com ênfase no consumidor em massa. É o atual líder do mercado de tecnologia de tablets (MANG; WARDLEY, 2012). O objetivo da proposta, aliado com a usabilidade, tempo de bateria, simplicidade, portabilidade, custo e uma qualidade superior à todos os tablets anteriores, massificou-se, atingindo grande sucesso e moldando as bases de competição deste mercado (GILBERT, 2011), apesar de dispositivos concorrentes fornecerem funcionalidades similares.

Nos primeiros tablets, a principal interface de entrada e edição de texto se dava através de uma caneta especial; o lançamento do iPad e demais dispositivos com tela de toque alteraram essa lógica, incorporando o uso de teclados virtuais como o principal meio de entrada de texto (OOSTVEEN et al., 2011). A tecnologia de multi-toque, presente na maioria dos tablets do mercado, é um importante componente na experiência de uso do usuário com necessidades especiais. É uma tecnologia de interação humano-computador que consiste da existência de superfície tátil (sensível ao toque) em mesas, superfícies ou paredes interativas que reconhecem os múltiplos contatos de um mesmo usuário ou até mesmo de vários usuários interagindo com o mesmo computador (HAN, 2005).

Nas últimas duas décadas, colégios e universidades se adaptaram e absorveram a internet, email, chat e mensagens instantâneas, softwares de gestão educacional, podcasts, PDAs e muito mais (ROSSING et al., 2012). O uso crescente de tecnologias móveis na educação é uma tendência corrente, forçando educadores a avaliarem os méritos e limites das novas tecnologias. A adoção da tecnologia pela tecnologia não garante melhorias nos resultados de aprendizagem ou enriquecimento na experiência educacional (MURPHY, 2011). A implementação arbitrária de tecnologias educacionais tente a uma baixa propabilidade de sucesso e ampla adoção (BENLLOCH et al., 2010). A chave para o sucesso na adoção dos tablets está em garantir que os dispositivos estejam integrados em ambos aspectos acadêmicos e sociais do curso (FRANKLIN, 2011). E uma das principais maneiras desta integração ocorrer está no desenvolvimento de currículo adaptado ao tablet, objetivo que os livros hiper-livros se propõem. Não obstante, a introdução desta tecnologia nos currículos deve levar em consideração as possíveis limitações do maior número de usuários.

2.4 Hipermídia

O termo hipermídia foi cunhado para designar uma nova forma de mídia que utilizava o poder do computador para armazenar, acessar e expor informações em forma de imagens, textos, animações e som (COTTON; OLIVER, 2000). A hipermídia é caracterizada pela interação, no sentido de apresentar informação de maneira não linear, em uma estrutura de nós semânticos ligados entre si (em rede), oferecendo alternativas para a navegação (BONSIEPE, 2011, p. 87); “Cada leitor pode estabelecer seu próprio percurso de leitura” (NOJOSA, 2007, p. 74).

Seu projeto utiliza os diferentes canais de percepção (visual, auditivo, tátil), através de múltiplos recursos – música, imagens, animação, cinema – e requer, assim, outras competências ou literacies, além daquelas meramente discursivas (BONSIEPE, 2011, p. 87). Chega-se a conclusão, portanto, que a adaptação do livro didático ao tablet constitui na evolução/transição de uma mídia impressa em uma hipermídia, onde predominam a ampliação da utilização dos sentidos (visual e auditivo) em uma nova forma de organização da informação.

2.5 Hiper-livros

Os livros são até hoje um dos principais artefatos educacionais utilizados, introduzidos na educação desde a invenção da prensa de Guttemberg. A integração do tablet nos currículos não é uma ameaça per se a cultura do livro, no entanto, oferece uma nova plataforma tecnológica para evolução de uma mídia em uma hipermídia.

Trata-se de uma ampliação do projeto do livro que vai muito além do texto e imagens estáticas. Diferente do e-book, o hiper-livro é criado especificamente em uma plataforma hipermídia (GERMÁN; COWAN, 2000). Recursos adicionais como pesquisa no texto, tabelas e figuras interativas, hiperlinks para tópicos relacionados, exemplos e links para vídeos podem facilitar a compreensão do conteúdo (MCGOWAN et al., 2009). Novos recursos, como dicionários integrados e guias de pronunciação, video, áudio, animação e até mesmo simulação interativa estão sendo adicionados, assim os leitores podem interagir com o conteúdo do livro digital mais ativamente que apenas lendo-os (NELSON, 2008).

3 Método

O objetivo desta pesquisa qualitativa e descritiva foi identificar recursos de acessibilidade visual presentes em tablets. Trata-se de uma pesquisa exploratória, onde predomina a busca por “padrões, ideias ou hipóteses, em vez de testar ou confirmar uma hipótese” (COLLIS; HUSSEY, 2005, p. 24). Este tipo de pesquisa objetiva “obter insights e familiaridade com a área do assunto para investigação mais rigorosa num estágio posterior” (Op. Cit.).

Haja vista a recente popularização do tablet como produto eletrônico de consumo, ocorrida a partir de 2010, a pesquisa exploratória justifica-se pois “É comumente empregada em problemas ou questões de pesquisa quando há pouco ou nenhum estudo anterior em que possamos buscar informações sobre a questão ou o problema” (MYERS, 2009; COLLIS; HUSSEY, 2005, p. 24).

O estudo identificou as tecnologias assistivas visuais presente em tablets, descrevendo os seus respectivos objetivos na contribuição para acessibilidade, a natureza de sua origem (se provenientes do projeto da hipermídia ou embutidos no sistema operacional do dispositivo), o tipo de geração de informação, conforme a classificação de Carvalho (2001) e instruções básicas para o uso correto destas ferramentas. Foram analisados os principais sistemas operacionais móveis em tablets: Android e iOS. O tablet Nexus 7, desenvolvido pelo Google em parceria com a Asus foi o artefato escolhido como suporte para análise do sistema Android, presente na versão 4.2.2. O dispositivo não está disponível no mercado nacional, contudo, a análise estende-se ao software, e não ao hardware. O tablet iPad 2, desenvolvido pela Apple, foi o artefato escolhido para suportar a análise do iOS, na versão 6.2. A documentação fornecida por seus fabricantes, como manuais de operação, também foi analisada.

4 Acessibilidade em livros digitais adaptados ao tablet

Interfaces touch screen oferecem grandes vantagens em relação as interfaces de botões físicos (KANE et al. 2008): flexibilidade de apresentação e controle; um dispositivo touch screen pode mostrar diferentes interfaces na mesma superfície, como uma lista móvel, teclado QWERTY ou teclado telefônico. Interfaces multitoque suportam técnicas de interação além do tradicional apontar e clicar, habilitando usuários a utilizarem um ou vários dedos em gestos como deslizar, rotacionar e pinçar (WU; BALAKRISHNAN, 2003). Como as telas sensíveis ao toque, atualmente, são uma uma forma comum de interação humana com computadores, não é apenas importante o fato das pessoas cegas terem o acesso a elas, mas também que possam fazer uso destas telas de forma eficiente e eficaz (FILHO; OLIVEIRA; SOUZA, 2012). Infelizmente, touch screens podem representar uma significante barreira de acessibilidade aos usuários cegos (KANE et al. 2008). Neste aspecto, algumas tecnologias assistivas se destacam na missão de prover uma maior acessibilidade ao usuário cego (ver Figura 1).

Figura 1: Recursos de Acessibilidade Presentes em Tablets.
Fonte: Do Autor

4.1 Slide Ruler

O feedback sensorial da tecnologia touch screen utiliza em conjunto os sentidos visuais e táteis. O usuário recebe informação visual, na forma de uma representação gráfica, processa a informação, toma uma decisão, toca a tela, recebendo um novo feedback tátil. Este processo dificulta a utilização por usuários cegos devido a importância dos sentidos visuais na interação com a interface. Em resposta a essas limitações foi desenvolvido e empregado em sistemas operacionais de tablets um sistema de Slide Ruler, ou Regra de Deslizamento (KANE et al., 2008), um sistema gerador de informação auditiva para o usuário cego. É um método de navegação pela interface que utiliza gestos: o dedo do usuário é usado para interagir fisicamente com os itens mostrados em tela, possibilitando ao usuário percorre-la, dando-lhe uma noção espacial de onde os itens se encontram.

Sistemas de Slide Ruler estão disponíveis nas versões mais atualizadas dos sistemas Android, sob o nome “Explore by Touch” (GOOGLE INC, 2012), e iOS, sob o nome “VoiceOver” (APPLE INC, 2013a). Com eles o usuário interage com um, dois, três dedos ou duplo toque para navegar na tela, através de feedbacks auditivos, possibilitando sua utilização (LEPORINI; BUZZI; BUZZI, 2012; KANE et al., 2008). Ao passar o dedo sobre blocos de texto, uma voz lê o conteúdo para o usuário, em conjunto com instruções de uso: “Recurso desativado, dê duplo toque na tela para ativar”.

4.2 Leitura Automática

A leitura automática é uma tecnologia geradora de informação auditiva, que consiste em uma voz automatizada que lê os elementos dispostos na tela. É o principal mecanismo de geração de informação auditiva, servindo de base para outros sistemas assistivos, como o Slide Ruler, Digitação Falada e Audio-Descrição. Em conjunto, formam uma poderosa tecnologias que torna o tablet acessível ao usuário cego.

Sistemas de leitura automática estão presentes em ambos dos principais sistemas operacionais móveis: Android, sob o nome “TalkBack”, e iOS, sob o nome “VoiceOver”.

4.3 Digitação Falada

Em teclados físicos, a orientação espacial das teclas é demarcada por um relevo convexo em duas teclas centrais do teclado: F e K nos teclados QWERTY. No entando, a principal forma de entrada de dados no tablet consiste na visualização de um teclado virtual na tela touchscreen, uma superfície de vidro liso e uniforme, impossibilitando a orientação espacial das teclas pelo usuário cego. A digitação falada consite em um feedback auditivo, em que o usuário desliza o dedo entre o teclado e uma voz automática anuncia em qual tecla o dedo se encontra. Trata-se de um sistema gerador de informação auditiva, disponível no sistema Android e iOS.

4.4 Monitor Braille

Os monitores Braille são sistemas atualizáveis auxiliadores na leitura tátil, que provêem a pessoas cegas maior acessibilidade ao computador ao traduzir o texto da tela para células táteis Braille (YOBAS, et al. 2003). Um monitor Braille é formado por um conjunto de células, com 6 ou 8 pontos, atualizáveis, que permitem uma pluralidade de visualizações de caracteres nas células (SUTHERLAND, 1970). São sistemas geradores de informação tátil, que se conectam aos tablets através de conectividade bluetooth, possibilitando ao usuário cego acesso às informações visuais inicialmente contidas na tela (ver Figura 2).

No sistema operacional iOS, o suporte a monitores Braille é nativo, disponível em 25 línguas e estende-se a vários fabricantes (APPLE INC, 2013b). No Android, não há suporte nativo a monitores Braille no sistema, no entanto, é possível instalar aplicações que auxiliam neste suporte, como o aplicativo “BrailleBack”. É um aplicativo experimental do Google que provê suporte a alguns monitores Braille no mercado (TAYLOR, 2012). Segundo Meddaugh (2012), sua implementação atual é bastante instável e só inclui suporte ao Braille grau 1 (Letras e Números, não incluindo palavras, como o Braille grau 2). Não estendendo suporte ao uso de navegadores WEB e leitores de ebooks (TAYLOR, 2012).

Figura 2: Interação com Tablets Através de Monitores Braille.
Fonte: HIMS INC, 2013

4.5 Audio-descrição

A audio-descrição é um sistema gerador de informação auditiva, “assumindo o papel de transmissora de informações que, inicialmente, estariam disponíveis apenas no plano visual, a exemplo de imagens estáticas (tais como fotografias), cenas dinâmicas (veiculadas no cinema, TV ou teatro), além de textos e legendas impressas” (GUEDES, 2011).

Decorrente da maior visualidade proporcionada pelas hipermídias, há um emprego crescente de elementos visuais, como imagens, diagramas, infográficos, tabelas, modelos 3D, vídeos e etc. A audio-descrição auxilia na interpretação destes elementos pelo usuário deficiente ao descrever verbalmente informações codificadas no canal visual.

Contudo, faz-se necessário atenção do projeto hipermidiático, pois esta etapa de descrição verbal não é realizada automaticamente. Cada elemento visual da interface deve ser descrito em texto, que será adicionado a hipermídia de forma oculta. Os usuários sem necessidades especiais não visualizarão este texto, porém, quando os usuários com necessidades especiais tocarem no objeto, ativarão a audio-descrição do mesmo. Pode ser necessário o emprego de profissionais especializados em audio-descrição em sua produção.

4.6 Zoom, Texto Aumentado e Cores Invertidas

São categorias geradoras de informação visual ampliada, utilizadas por usuários com visão reduzida. Ela consiste na ampliação da interface da tela (Zoom – ver Imagem 1), aumento do tamanho do texto ou inversão do esquema de cores (ver Imagem 1). Por alterarem apenas elementos visuais, não é uma tecnologia viável para usuários cegos. Estes recursos estão disponíveis nativamente nos sistemas operacionais Android e iOS.

4.7 Reconhecimento de Voz

As tecnologias de reconhecimento de voz não são sistemas exclusivamente destinados à acessibilidade, mas tem servido com sucesso nessa área. Trata-se de uma forma emergente de interface homem/maquina, que estivera há anos centrada exclusivamente as formas tradicionais de entrada de dados.

São sistemas geradores de informação auditiva. Através dele, o usuário pode perguntar por informações ou ordenar o dispositivo que faça determinadas tarefas, a exemplo: abrir aplicativos; ditar mensagens, lembretes, emails; perguntar por informações; configurar alarmes; buscar por pessoas e contatos; entre outros. São serviços baseados na nuvem que requerem conexão com a internet para funcionarem. No Android, o serviço é oferecido sob o nome “Google Voice Search”, e no iOS, sob o nome “Siri”.

5 Conclusão

Neste estudo, concluiu-se que as tecnologias de acessibilidade presentes nos tablets tem potencial para propiciar um acesso mais democratizado as hipermidias, que incluem hiper-livros, aplicativos, páginas na internet e etc.

O suporte dos sistemas operacionais a monitores Braille é uma importante forma de acessibilidade pois esta tecnologia é uma das mais poderosas e mais utilizadas na interação com computadores por usuários cegos:

“Enquanto a impressão Braille permite a pessoas cegas ler usando o sentido tátil, livros impressos em código Braille representam uma ineficiente forma de armazenamento. O papel que deve ser utilizado para impressão em relevo do padrão Braille deve ser necessariamente relativamente forte e o padrão Braille em si grande o suficiente para ser lido manualmente. Similarmente, materiais impressos em Braille tem a desvantagem de serem estáticos, ou seja, permitindo a comunicação apenas através do lento processo de impressão Braille.” (SUTHERLAND, 1970).

Por sua vez, este estudo evidenciou que o sistema iOS, em relação ao Android, possui um melhor suporte a esta importante tecnologia assistiva.

A audio-descrição, como recurso assistivo, demanda atenção da atividade projetual para que seja efetivamente implementada nas hipermídias. Trata-se de um processo semi-automatizado de adaptação do conteúdo digital, auxiliado pelos demais recursos assistivos nativos dos sistemas.

Juntos, estes recursos representam um rompimento de barreiras para os usuários cegos, que antes dependiam do acesso à obras impressas em Braille, envolvendo um método custoso e lento de impressão. Hoje, os mesmos podem acessar sites, jornais, livros e revistas diretamente e instantaneamente, eliminando esta etapa custosa.

Desta forma, o tablet, além de proporcionar um campo fértil para a experimentação hipermidiática e visualística, como vem ocorrendo nos hiper-livros, pode tornar o projeto do livro didático mais universal, abrangendo um maior número de usuários e suas deficiências. Dado o caráter estratégico do material didático no desenvolvimento intelectual dos alunos, é mister ampliar o estudo de técnicas que venham, de forma padronizada e segura, adequá-lo a uma ampla gama de necessidades estudantis, mormente de acordo com os princípios do Design Universal (VIERA; LIMA, 2010).

Referências

  • APPLE INC. Accessibility, 2013. Disponível em <http://www.apple.com/accessibility/ipad/vision.html>. Acesso em 20. fev. 2013.
  • APPLE INC. Support for wireless braille displays in iOS 6, 2013. Disponível em <http://www.apple.com/accessibility/iphone/braille-display.html>. Acesso em 20. fev. 2013.
  • BENLLOCH-DUALDE, J. V.; BUENDÍA, F.; CANO, J. C. A Tablet PC-based teaching approach using conceptual maps. in: IEEE Education Engineering (EDUCON), 2010. Anais…, 2010. p. 671-676.
  • BONSIEPE, G. Design, Cultura e Sociedade. São Paulo: Blucher, 2011.
  • BRIGHT, P. Ballmer (and Microsoft) still doesn’t get the iPad. Ars Technica, California, 1 de agosto de 2010. Disponível em: <http://arstechnica.com/information-technology/2010/07/ballmer-and-microsoft-still-doesnt-get-the-ipad/>. Acesso em: 25 de maio de 2012.
  • CARVALHO, J. O. F. Soluções tecnológicas para viabilizar o acesso do deficiente visual à Educação a Distância no Ensino Superior. Campinas: Unicamp, 2001. Tese (Doutorado em Engenharia Elétrica e Computação). Faculdade de Engenharia Elétrica e Computação, Universidade Estadual de Campinas, 2001.
  • COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em Administração. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.
  • ELTON, V. N.; FONTANA, M. V. L.; VANZIN, T. Audiodescrição no ensino para pessoas cegas. Anais do Congresso Nacional de Ambientes Hipermídia Para Aprendizagem, ed. 5, 2011.
  • FILHO, A. G. T. S.; OLIVEIRA, A.; SOUZA, F. F. Utilização de Interfaces Multi-Touch em Ambientes Virtuais de Aprendizagem para Ampliação da Acessibilidade de Deficientes Visuais. Anais do 23o Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, SBIE, 2012.
  • FRANKLIN, T. Mobile learning: At the tipping point. Turkish Online Journal of Education Technology, v. 10, n. 4, p. 261-275, 2011.
  • GERMAN, D. M.; COWAN, D. D. Towards a unified catalog of hypermedia design patterns. In: Hawaii International Conference on System Science, 33., 2000, Hawai. Proceedings of the 33rd Hawaii International Conference on System Sciences. IEEE, 2000.
  • GILBERT, J. HP TouchPad Bites The Dust: Can Any Tablet Dethrone The IPad?. The Huffington Post, Nova Iorque, 19 de agosto de 2011. Disponível em: <http://www.huffingtonpost.com/2011/08/19/hp-touchpad-ipad-tablet_n_931593.html>. Acesso em: 25 de maio de 2012.
  • GOOGLE INC. Nexus 7 Guidebook. ed. 1.2, 2012.
  • GUEDES, L. C. Os usos pedagógicos da audiodescrição: uma tecnologia assistiva a serviço da inclusão social. Revista Nacional de Tecnologia Assistiva, ed. 6, 2011.
  • HAN, J. Y. Low-Cost Multi-Touch Sensing through Frustrated Total Internal Reflection. UIST ́05, Proceedings of the 18th annual ACM Symposium on User Interface Software and Technology, 2005.
  • HIMS INC. Braille EDGE 40 Communicator. Disponível em <http://www.hims-inc.com/products/braille-edge-40-communicator/>. Acesso em 12 mar. 2013.
  • HONORATO, S.; PORTELA, F. D.; KEGLER, A. J. M.; BRAVIANO, G. Contribuição das Novas Tecnologias para a Acessibilidade de Cegos ao Ensino à Distância. Anais do Congresso Nacional de Ambientes Hipermídia Para Aprendizagem, ed. 5, 2011.
  • KANE, S. K.; BIGHAM, J. P.; WOBBROCK, J. O. Slide Rule: Making Mobile Touch Screens Accessible to Blind People Using Multi-Touch Interaction Techniques. ASSETS’08, 2008.
  • LEPORINI, B.; BUZZI, M. C.; BUZZI, M. Interacting with mobile devices via VoiceOver: usability and accessibility issues. Proceedings of the 24th Australian Computer-Human Interaction Conference, v. 1, p. 339-348, 2012.
  • MANG, C. F.; WARDLEY, L. J. Effective Adoption of Tablets in Post-Secondary Education: Recommendations Based on a Trial of iPads in University Classes. Journal of Information Technology Education: Innovations in Practice, v. 11, p. 301-3017, 2012.
  • MCGOWAN, M. K.; STEPHEN, P. R.; BRADLEY, C. W. Student Perceptions of Electronic Textbooks. Issues in Information Systems, v. 10, n. 2, p. 459–465, 2009.
  • MEDDAUGH, J. J. Cell Phone Accessibility – An Evaluation of Android 4.1 Jelly Bean Using the Nexus 7. AccessWorld, v. 13, n. 10, 2012.
  • MURPHY, G. D. Post-PC devices: A summary of early iPad technology adoption in tertiary environments. E-Journal of Business Education & Scholarship of Teaching, v. 5, n. 1, p. 18-32, 2011.
  • MYERS, M.D. Qualitative Research in Business & Management. Londres: Sage Publications, 2009.
  • NELSON, M. R. E-books in higher education: Nearing the end of the era of hype? EDUCAUSE Review, v. 43, n. 2, p. 40–56, 2008.
  • NOJOSA, U. N. Da rigidez do Texto à Fluidez do Hipertexto. In: Hipertexto Hipermídia: as Novas Ferramentas da Comunicação Digital. Ferrari, Pollyana (Org.) São Paulo: Contexto, 2007.
  • OOSTVEEN, R. V.; MUIRHEAD, W.; GOODMAN, W. M. Tablet PCs and reconceptualizing learning with technology: a case study in higher education. Interactive Technology and Smart Education, v. 8, n. 2, p. 78-93, 2011.
  • ROSSING, J. P.; MILLER, W. M.; CECIL, A. K.; STAMPER, S. E. iLearning: The future of higher education? Student perceptions on learning with mobile tablets. Journal of the Scholarship of Teaching and Learning, v. 12, n. 2, p. 1-26, 2012.
  • SUTHERLAND, N. B. Braille Display Device. US Pat. 3.659.354, 21 out. 1970.
  • TAYLOR, A. Nexus 7. National Federation of the Blind, 10 ago. 2012. Disponível em: <https://nfb.org/blog/atblog/nexus-7>. Acesso em: 25 mar. 2013.
  • VIEIRA P. A. M.; LIMA, F. J. A teoria na prática: áudio-descrição, uma inovação no material didático. Revista Brasileira de Tradução Visual, v. 2, 2010.
  • WIDER, B. iPads could hinder teaching, professors say. Chronicle of Higher Education, v. 57, n. 28, p. A22-A23, 2011.
  • WU, M.; BALAKRISHNAN, R. Multi-finger and whole hand gestural interaction techniques for multi-user tabletop displays. In: UIST ’03, 2003. Proceedings of the UIST’03, ACM Press, p. 193-202, 2003.
  • YOBAS, L.; DURAND, D. M.; SKEBE, G. G.; LISY, F. J.; HUFF, M. A. A Novel Integrable Microvalve for Refreshable Braille Display System. Journal of Microelectromechanical Systems, v. 12, n. 3, p. 252-263, 2003.
Publicações relacionadas

Gênese e utilização de modelos mentais dos usuários de websites – o processo cognitivo e perceptivo na interface usuário-computador

Olá, Francisco Lima aqui no teclado!

Hoje, trago-lhes a transcrição de um artigo publicado na RBTV, assinado por André Ricardo Melo e colaboradores, intitulado “MODELOS MENTAIS EM NAVEGAÇÃO DE WEBSITES / MENTAL MODELS IN NAVEGATION OF WEBSITEs”.

No artigo vocês lerão que “Segundo Fleming (1998), um website será bem-sucedido se proporcionar um suporte adequado às intenções e ao comportamento do seu usuário específico.

Partindo desse pressuposto, ressalta-se a importância de se conhecer como os usuários pensam e como é trabalhada a sua percepção, como a informação é processada e armazenada, qual o mapa conceitual mais adequado para ser aplicado a determinado público, fazendo com que crie modelos mentais adequados as suas necessidades.

A utilização dos modelos conceituais bem elaborados pelos designers facilita a criação de bons modelos mentais para os usuários de websites.

Deve-se levar em consideração que se têm diferentes tipos de usuários, desde os mais experientes aos novatos, desbravando um mundo totalmente novo. Dentro destes princípios Krug cita como sua principal lei sobre usabilidade: “Não me faça pensar” Krug (2006). Esta lei trata, de uma forma bem simples, como as interfaces devem ser constituídas para facilitar a formação dos modelos mentais dos usuários.”

Se você quer ver mais artigos sobre este tema, acompanhe-nos por aqui e, em breve, pela Revista Brasileira de Tradução Visual, RBTV.

Não deixe de comentar na seção de comentários deste site o que você achou a respeito do artigo de André Melo e colaboradores.


Modelos mentais em navegação de websites / Mental models in navigation of websites

Publicado por  André Ricardo Melo, Ana Katharina Leite, Carlos Alberto Vilar e Marcelo Márcio Soares.

Resumo

Este artigo apresenta um estudo da gênese e utilização de modelos mentais dos usuários de websites, constatando como acontece o processo cognitivo e perceptivo na interface usuário-computador, descrevendo tipos de memória (atuação no processo de aprendizagem e como se pode construir uma melhor navegação e usabilidade de interface com ergonomia), resultando em modelos mentais de navegação mais intuitivos e agradáveis, permitindo ao usuário maior controle e qualidade.

Palavras-chave: usabilidade, modelos mentais, ergonomia.

Abstract

Study of the genesis and use of mental models of users of websites, noting as the perceptual and cognitive process in computer-user interface, describing types of memory (in action learning process and how you can build a better navigation and usability of interface with ergonomic). Resulting in mental models of navigation more intuitive and enjoyable, allowing the user greater control and quality.

Keywords: usability, mental models, ergonomics.

1. Prólogo

É comprovadamente crescente a quantidade de pessoas usuárias de internet.

Segundo uma recente pesquisa do Ibope Nielsen Online, em março de 2009, foi identificado um crescimento de 12% no número de usuários ativos da internet no Brasil. O internauta residencial atingiu a marca de 25,5 milhões, considerando apenas este grupo de usuários. O número de computadores conectados à internet registrou o total de 38,2 milhões. O Ibope Nielsen Online admite que, considerando outros meios de acesso, o número de brasileiros internautas pode chegar a 62,3 milhões, levando-se em conta os acessos através de conexão dial-up e mobile a websites. Apontando um aumento de permanência conectada em 26 horas e 15 minutos, atribui-se tal crescimento à inserção de banda larga no país, como principal causa.

Então, pode-se concluir que isto seja uma tendência no cenário atual no qual o brasileiro vive, ou seja, as relações de consumo (compra online, inscrições em concursos, respostas ao poder público, com por exemplo, declaração de imposto de renda, vestibular e outros), o que leva a uma busca por esta tecnologia. Isto justifica um aumento de lan-houses em todo o país.

Os usuários entre as faixas etárias de 10 a 20 anos apresentam maior facilidade no contato com uso de computadores e a jogos eletrônicos (internet), enquanto que aqueles com idades mais elevadas apresentam um maior grau de dificuldade em usar estes recursos tecnológicos. Os dados são interessantes e preocupantes, visto que o número de usuários do público jovem é cada vez maior.

Então, é cabível perguntar: “o mundo encontra-se preparado para novos acontecimentos?” Será que as interfaces web que são projetadas estão adequadas tanto para os mais experientes quanto para os iniciantes? Será que os mapas mentais realmente estão proporcionando uma navegação consistente, intuitiva e de fácil entendimento?

Quando se relaciona os benefícios que uma interface bem constituída pode trazer às pessoas, no âmbito da acessibilidade, não se pode deixar de lado o aporte de contribuições que a ergonomia (ou Fatores Humanos) concede dentro da sua multidisciplinaridade, com base na definição oficial da IEA (International Ergonomic Association) 2000, que a considera como uma disciplina científica relacionada ao entendimento das interações entre os seres humanos e outros elementos ou sistemas, e à aplicação de teorias, princípios, dados e métodos a projetos, a fim de otimizar o bem estar humano e o desempenho global do sistema.

Estudos apresentados por Moraes e Mont’Alvão (2000: 11) defendem que

a única e específica tecnologia da ergonomia é a tecnologia da interface homem-sistema. A ergonomia como ciência trata de desenvolver conhecimentos sobre as capacidades, limites e outras características do desempenho humano e que se relacionam com o projeto de interfaces, entre indivíduos e outros componentes do sistema. Como prática, a ergonomia compreende a aplicação de tecnologia da interface homem-sistema a projeto ou modificações de sistemas para aumentar a segurança, conforto e eficiência do sistema e da qualidade de vida.

Segundo Memória (2005), “A utilização de breadcrumbs – migalhas de pão – auxilia na execução das tarefas de forma mais rápida, além de localizar melhor o usuário dentro da arquitetura da informação do website”.

Será que essa informação ainda é consistente para o que estamos vivendo hoje em termos de internet e no que virá pela frente?

Onde entrará a questão dos modelos mentais em navegação de websites? Qual a sua relação com as problemáticas em questão?

O objetivo deste trabalho é realizar uma observação, esclarecendo conceitualmente a importância de se proporcionar aos usuários de páginas web modelos mentais que apresentem uma boa estrutura de navegação e que sejam satisfatórias, aduzindo recomendações.

A técnica ergonômica a ser utilizada é a observação direta e indireta de entrevistas acerca da opinião de alguns usuários.

2. Memória e Percepção

Para se entender como os usuários navegam nos websites, e como são criadas suas representações mentais ou modelos mentais de navegação, precisamos definir alguns conceitos representativos, ligados ao processo de aprendizagem para os sistemas em questão.

Constantemente, somos bombardeados por uma gama de informações, estímulos, sensações que nos levam a tomar decisões, efetivar ações. Num processo cognitivo a forma como se percebe o ambiente, o repertório de informações que possui, ou seja, o quanto que se tem de conhecimento sobre algo é o que determinará quão rica será nossa experiência com o meio em questão.

Segundo Iida (2005), a percepção é o resultado do processamento de estímulos sensoriais recebidos, organizados e integrados em informação significativa, que variam de indivíduo para indivíduo, ou seja, podemos ter percepções diferentes para algo em comum, dependendo do que está armazenado em nossas memórias.

A memória trata de um modo simples como a informação é armazenada. Fialho (2000) enfatiza o surgimento de diversas correntes teóricas e de diversas origens para explicá-la. As teorias relacionadas à memória caminharam para vias opostas: a dos idealistas, que defendem uma origem ou uma natureza espiritual do sistema cognitivo humano e a dos adeptos ao materialismo científico, os quais defendem que o sistema cognitivo humano pode ser explicado a partir do esquema estímulo-resposta.

Para esclarecer o que queremos evidenciar, limitamo-nos aos três níveis de processamento citados por Iida (op cit.), que os trata como: registro sensorial, memória de curta duração e memória de longa duração. Registro sensorial são sensações e percepções que podem ou não ser transformados num registro de memória (Iida, op cit.).

Nas concepções de Broadbent (1958) a memória de curta duração é citada pelo autor como um sistema de armazenamento de curto tempo, pois trata as informações armazenadas provenientes do ambiente por um período breve de tempo.

A memória de longa duração é caracterizada por sua grande capacidade de armazenamento e recuperação através de fenômenos de ativação (Fialho, 2000).

3. Modelos Mentais e os Usuários

Antes de qualquer coisa, devemos deixar claro que modelos mentais e mapas mentais são conceitos diferentes apesar de que a eficácia de um é consequência da boa estruturação do outro, criando entre eles uma interligação em prol dos usuários de websites.

Os mapas mentais ou mapas conceituais ou ainda modelos conceituais possuem conotações e finalidades bem parecidas, tais como: representação da informação, recurso de aprendizagem e organização das ideias, podendo ser utilizados em diversas situações por diversos tipos de profissionais com o objetivo de se ter uma representação do que se quer evidenciar.

Já o mapa mental é o nome dado para um tipo de diagrama, sistematizado pelo inglês Tony Busan, voltado para a gestão de informação, de conceitos e de capital intelectual; na criação de manuais, livros e palestras (BUZAN, 2008).

Os mapas conceituais foram desenvolvidos na década de 70, pelo pesquisador norte-americano Joseph Novak (2003), que define mapa conceitual como uma ferramenta para organizar e representar o conhecimento.

Segundo Moreira e Bochweitz (1987), mapas conceituais são diagramas hierárquicos que indicam conceitos e relações entre esses conceitos.

O modelo mental é aquele que é criado no momento em que o usuário interage com as interfaces dos artefatos, são os caminhos que ele percorre até chegar à informação desejada.

Segundo Schwenk (1988), os modelos mentais são como modelos descritivos que podem explicar os modos pelos quais as pessoas deduzem explicações do passado, fazem predições sobre o futuro e escolhem alternativas no presente.

Verifica-se que, na elaboração de interfaces web, os mapas conceituais têm papel importantíssimo, influenciando na criação do modelo mental do usuário, dependendo da forma como foi concebido, o que pode ser intencional, para mantê-lo ou conduzi-lo a determinada informação, ou simplesmente o mapa mental pode ser estruturado de forma a dar maior controle e liberdade ao usuário.

4. Navegação e Usabilidade

Segundo Fleming (1998), um website será bem-sucedido se proporcionar um suporte adequado às intenções e ao comportamento do seu usuário específico.

Partindo desse pressuposto, ressalta-se a importância de se conhecer como os usuários pensam e como é trabalhada a sua percepção, como a informação é processada e armazenada, qual o mapa conceitual mais adequado para ser aplicado a determinado público, fazendo com que crie modelos mentais adequados as suas necessidades.

A utilização dos modelos conceituais bem elaborados pelos designers facilita a criação de bons modelos mentais para os usuários de websites.

Deve-se levar em consideração que se têm diferentes tipos de usuários, desde os mais experientes aos novatos, desbravando um mundo totalmente novo. Dentro destes princípios Krug cita como sua principal lei sobre usabilidade: “Não me faça pensar” Krug (2006). Esta lei trata, de uma forma bem simples, como as interfaces devem ser constituídas para facilitar a formação dos modelos mentais dos usuários.

Krug (op cit.) analisa muito bem a ideia, quando levanta as seguintes temáticas:

  1. “Nós não lemos páginas. Damos uma olhada nelas” geralmente estão apressados, sabem que não precisam ler tudo, acham que sabem tudo;
  2. “O que os projetistas criam. Os que os usuários vêem” focamos sempre em palavras e expressões que estamos executando ou colocamos sempre nossos interesses pessoais;
  3. “Não fazemos escolhas ideais. Fazemos o que é suficiente”, tendemos a supor que os usuários examinarão a página, considerarão todas as opções e escolherão a melhor. Esse é o nosso maior engano;
  4. “Não descobrimos como as coisas funcionam”.
    • “Nós apenas atingimos nosso objetivo”, não complique o óbvio, faça testes de usabilidade;
    • Projete uma navegação intuitiva, faça uso de placas indicativas, breadcrumbs (migalhas de pão), barra de utilitários;
    • Torne a navegação algo agradável, evite cliques desnecessários, sequências de submenus etc;
    • Lembre-se: o controle deve pertencer ao usuário, a ele tem que ser dado o direito de escolher o caminho ou desistir de uma tarefa.

5. Conclusão

Há muito ainda a ser trabalhado nas questões que relacionam usuário e interface web. Esta foi uma pesquisa inicial que abre precedentes para discussões futuras, ressaltando a importância do conhecimento e domínio na criação e elaboração de mapas conceituais ou mentais na navegação de websites, criando modelos mentais que proporcionem experiências de uso mais ricas, tanto para novatos quanto para os mais experientes do cyberspace.

A pesquisa confirma a tendência no crescimento de usuários e na frequência do acesso à internet, o que representa uma preocupação com relação à geração de modelos mentais mais adequados à necessidade e uso desses usuários.

Esta pesquisa mostra que é necessário fazer estudos mais detalhados com relação aos mapas mentais de navegação, que são desenvolvidos pelos projetistas; sugere que se deva realizar estudos com grupos de usuários diferentes dos citados no presente trabalho, com intenção de levantar novos dados sobre o tema, assim criando uma tabela comparativa de resultados.

7. Referências Bibliográficas

  • BOVO, Viviani, ERMANN, Walter. Mapas mentais. Water Ermann. 2005.
  • BROADBENT, D.E.. Perception and Communication. London: Pergamon. 1958.
  • BUZAN, Tony. The mind map book. Plume, 1996.
  • IEA (International Ergonomic Association) 2000.
  • FIALHO, Francisco Antonio Pereira, Introdução às Ciências da Cognição / Francisco Antonio Pereira Fialho. 1a Ed. – Florianópolis, SC – UNIVERSO 2000.
  • FLEMING, J. Web navigation: designing the user experience. Sebastopol: O’Reilly, 1998. 256p.
  • Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística. NetRatings, B2B – 5, 2008
  • IIDA, I. Ergonomia: projeto e produção. São Paulo: Edgard Blucher, 2005.
  • KRUG, Steve Não me faça pensar 2 ed. Alta Books, 2006.
  • MEMÓRIA, Felipe. Design para a internet: projetando a experiência perfeita. 1 ed. Campus, 2006.
  • MODELO MENTAL. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Modelo_mental>. Acesso em 20 jul. 2008.
  • MORAES, A.; MONT’ALVÃO, C. Ergonomia: conceitos e aplicações. 2ª edição. Rio de Janeiro. Editora 2AB, 2000. 136 p.
  • MOREIRA, Marco Antônio e BUCHWEITZ, Bernardo. Mapas Conceituais: Instrumentos didáticos de avaliação e de análise de currículo. São Paulo: Moraes, 1987.
  • NOVAK, J. D. (2003). A Summary of Literature Pertaining to the Use of Concept Mapping Techniques and Technologies for Education and Performance Support. Relatório técnico submetido ao Chief of Naval Education and Training. Pensacola, FL. Arquivo pdf disponível em: http://www.ihmc.us/users/acanas/Publications/ConceptMapLitReview/IHMC%20Literature%20Review%20on%20Concept%20Mapping.pdf.
  • SCHWENK, Charles R. The essence of strategic decision making. New York: Lexington Books, 1988.
  • INTERNAUTAS BRASILEIROS Disponível em: . Acesso em 07 de mai. 2010
Publicações relacionadas

A tradicional Revista Brasileira de Tradução Visual agora é projeto do Laima também

Olá, Francisco Lima aqui no teclado!

Hoje, venho trazer a todos a informação de que em breve a tradicional Revista Brasileira de Tradução Visual estará de volta e com novidades, em um projeto assumido agora pelo Laima, Laboratory of Artificial Intelligence and Machine Aid, Laima-UFPE.

Acompanhe-nos para mais informações a respeito da RBTV e sobre como você pode publicar nesta Revista científica online.

Para relembrar aqueles que estavam acostumados com a qualidade e variedade dos assuntos abordados na RBTV, e para dar um gostinho para quem ainda não teve a oportunidade de conhecer a Revista Brasileira de Tradução Visual, transcrevo Relato de Experiência publicado em 2011 na RBTV e assinado pela áudio-descritora Letícia Schwartz, a respeito do I Concurso Miss Deficiente Visual do Rio Grande do Sul.


Audiodescrição no Miss DV RS 2011: relato de uma experiência

por Letícia Schwartz
Graduada em Artes Cênicas pela UFRGS, com especialização em Interpretação Teatral pela Ecole Philippe Gaulier (Londres), é audiodescritora roteirista e narradora. Coordena a equipe de produção da Mil Palavras (http://www.milpalavras.net.br). Também desenvolve oficinas e presta consultoria a projetos de inclusão cultural. 

A noite de sete de junho foi fria. Chovia em Porto Alegre. E, na televisão, o fenômeno Ronaldo se despedia dos gramados. Nenhum desses fatores, no entanto, impediu que o Chalé da Praça XV estivesse absolutamente lotado para um evento único: o I Concurso Miss Deficiente Visual do Rio Grande do Sul.O concurso, promovido pela ACERGS (Associação de Cegos do Rio Grande do Sul), não pretendia apenas escolher a mais bela gaúcha com deficiência visual. O Miss DV pretendia ainda apresentar essas moças a uma sociedade que parece não perceber que cegueira não é sinônimo de reclusão ou dependência. Essas moças trabalham, estudam, tem filhos, cozinham, surfam, fazem dança do ventre, vão à academia. E sonham. Essas treze moças, como tantas outras, sonharam com a coroa de Miss. Sonharam com o traje de gala, com cabeleireiros e maquiadores, com o nervosismo no camarim, com fotos no jornal e entrevistas para a televisão, com o carinho dos fãs. Na noite de sete de junho, sonhos se tornaram realidade.

Impossível imaginar um evento desse porte sem audiodescrição. Uma audiodescrição capaz de traduzir em palavras não apenas as imagens, mas a emoção e a importância daquele momento.

Neste depoimento, relato o processo de trabalho da Mil Palavras para esse evento tão repleto de “primeiras vezes”: o primeiro concurso dessa natureza, nossa primeira audiodescrição ao vivo e uma primeira experiência de trabalho coletivo¹.

No primeiro momento foi realizada uma reunião com a equipe da ACERGS, entidade responsável pela organização do evento. Precisávamos compreender o objetivo do concurso, para que nossa audiodescrição estivesse alinhada com a proposta do evento. Havia a preocupação de que as descrições não fossem demasiadamente frias, uma vez que estaríamos, de certa forma, expondo as candidatas. Como se tratava de um concurso de beleza, ficou acordado que as descrições valorizariam o que cada uma das moças tinha de especial.

Propusemos que a audiodescrição tivesse transmissão aberta, o que foi imediatamente aceito pelos organizadores. Nossos argumentos se baseavam no fato do evento ser especificamente voltado para pessoas cegas, seus familiares e seus amigos. Além disso, era fundamental que as candidatas pudessem ouvir as descrições durante o desfile. Sugerimos que a descrição de cada candidata fosse integrada à fala da apresentadora, ficando a cargo dos audiodescritores a inserção ao vivo de qualquer informação relevante. No entanto, a própria apresentadora sugeriu que o trabalho fosse realizado em parceria e que a audiodescrição tivesse o devido espaço. Definida nossa participação, tratamos de avaliar a melhor forma de comunicação com a apresentadora, a fim de evitar que nossas intervenções se sobrepusessem à sua fala.

Outro ponto a ser levado em consideração em nosso planejamento era o respeito à dinâmica do evento e à ansiedade natural da plateia. Por essa razão, optamos por abrir mão de descrever o corpo de jurados e sugerimos que fosse solicitado a cada um deles que dissesse algumas palavras ao microfone para que dessa forma se fizessem presentes junto àqueles que não poderiam vê-los.

Alguns dias antes do evento, pude participar de um passeio de barco junto com as candidatas e os organizadores. Foi uma oportunidade de observar uma a uma, conversar um pouco, explicar qual seria o meu papel na noite do desfile e, principalmente, estar em contato com o grupo. Isso me permitiu acumular uma série de elementos subjetivos que, certamente, dariam um tom específico à descrição.

Estabelecidas as diretrizes básicas, nos dedicamos a descrever tudo o que poderia ser definido com antecedência. Começamos pelo local do evento, o Chalé da Praça XV. Mais do que um restaurante, o Chalé é um dos mais badalados pontos turísticos de Porto Alegre e merecia ter um pouco de sua história e arquitetura desvendados pela audiodescrição. Visitamos o local de prancheta em punho, tomamos nota dos elementos visuais, pesquisamos mais um tanto e desenvolvemos o que seria a primeira parte do nosso roteiro.

Depois, munidos de fotografias, realizamos um estudo prévio para descrição das candidatas. Sabíamos que isso só poderia ser finalizado no momento do desfile, mas buscamos estabelecer uma estrutura básica de descrição: os vestidos, a cor de pele, os cabelos, etc. Queríamos, ainda, incluir algum detalhe pessoal de cada uma das moças, alguma característica individual e única.

No dia do evento, chegamos cedo ao Chalé a fim de assistir ao ensaio geral. Nesse momento pudemos revisar nossas anotações anteriores, fazer alterações e ajustes e inserir novas informações. Um exemplo foi a parceria com o exército, estabelecida no último momento, que possibilitou que as meninas, ao invés de desfilarem com suas bengalas, fossem conduzidas pela mão por cadetes trajando uniformes históricos.

Em função do nervosismo das candidatas, não pudemos entrar no camarim para vê-las prontas. A solução foi colocar uma audiodescritora junto à entrada do salão. Sua missão era tomar nota das características da candidata que entraria na passarela a seguir e repassar essas informações para que fossem devidamente narradas no momento em que a moça estivesse desfilando. Dessa forma, conseguimos inserir detalhes significativos que evidenciavam algo de muito especial em cada uma das candidatas. Alguns exemplos: um delicado anel em forma de peixinho; ideogramas chineses tatuados no ombro, significando força, vida e felicidade; florzinhas pintadas sobre as unhas das mãos; cordão no pescoço com pingentes que representavam um casal de filhos. Essas informações provocaram sorrisos das candidatas e conferiram emoção ao desfile.

Chegou, enfim, o momento de saber quem seria a representante gaúcha no Miss Brasil DV: as treze candidatas entraram no salão de mãos dadas e se posicionaram em frente ao sofá curvo destinado a comissão julgadora. Vestiam roupa de gala, longos vestidos de musseline e crepe, bordados com pedrarias. Nos lábios, um sorriso cheio de expectativa. Em seguida entraram os cadetes, em traje histórico de Lanceiros de Osório, nas cores branca e azul. Das mãos dos cadetes, cada moça recebeu uma rosa vermelha. No semblante das candidatas, felicidade e tensão. E foram nominadas as vencedoras: como segunda princesa, Rute Antunes de Mello, de 21 anos, um metro e sessenta de altura, cabelos escuros em ondas que chegavam até o meio das costas; a primeira princesa foi Mirian Antunes de Mello, 23 anos e um metro e sessenta e quatro de altura, a pele muito clara e os cabelos castanhos tão longos que lhe chegavam quase até a cintura; e a vencedora, Giselle Guimarães Hubbe, 25 anos de idade e um metro e cinquenta e oito de altura, uma morena de cabelos longos e lisos, castanhos com mechas claras nas pontas, elegante em um vestido preto com largas listras diagonais bordadas com pedrarias prateadas, e um generoso decote na parte de trás, deixando as costas à mostra.

Depois a coroação, lágrimas e sorrisos, abraços, fotos. O encerramento de um evento que ficará na memória por muito tempo.

Possibilitar que cada candidata se reconhecesse nas nossas palavras era o nosso objetivo. Mas a conexão que se estabeleceu entre quem descrevia e quem era descrito superou todas as nossas expectativas. Fazer parte desse momento tão especial foi mais do que gratificante. Ter a audiodescrição divulgada e nosso trabalho reconhecido, também.

Notas de Rodapé

¹ A audiodescrição do I Concurso Miss DV RS contou com a colaboração de Bruno Brum Paiva, Cristina Gonçalves, Gabriel Bohrer Schmitt, Glaci Braga, Jorge Rein, Márcia Caspary e Mimi Aragon.


Se você gostou desta publicação, compartilhe, divulgue e volte outras vezes ao nosso site para outras leituras informativas e relevantes.

Publicações relacionadas

ChatGPT: Uma Máquina de Mimicar a Inteligência Humana ou uma Inteligência Artificial Capaz de Interpretar Textos com Originalidade

Olá, Francisco Lima aqui no teclado!


Tenho trazido para vocês algumas de minhas interações com o ChatGPT. Para mim, é irrelevante ficar comparando o conhecimento do humano X conhecimento desse modelo de linguagem, meramente para apontar se ele é inteligente mesmo ou se, o sendo, ele é mais que o ser humano.

Penso ser mais importante aprender como ele aprende, como obter dele melhores respostas às questões mais importantes de nosso cotidiano e que nos possam beneficiar, caso alcançadas.

Assim, tenho buscado conversar com o ChatGPT de maneira cordial e respeitosa, como um modo de cumprimentar e respeitar aqueles que o desenvolveram e que tanto tempo se dedicaram para que hoje possamos fazer uso dessa elegante ferramenta produzida pela capacidade e energia humanas.

Nem por isso, deixo de buscar ser rigoroso e provocativo em minhas inteirações.

Desta feita, coloquei o ChatGPT para interpretar algo que escrevi nos anos iniciais de minha graduação em Psicologia e que em 2007 acrescentei à bibliografia da disciplina de nome “INDIVIDUALIDADE E FORMAÇÃO”, a qual eu ministrava no curso de pós-graduação em educação da Universidade Federal de Pernambuco.

Na época, o texto apresentado aos estudantes ainda trazia o título que usei na primeira versão de meus escritos: “Ponto Energético”. Pouco mudei do texto original para essas aulas e muito me “agradei” vendo o empenho dos alunos em entender, analisar e discutir a matéria que incluía, também, “o gato de Schrödinger”.

O gato de Schrödinger, proposto em 1935 pelo físico austríaco Erwin Schrödinger (1887-1961),  é um experimento mental, uma proposição teórica para ilustrar um conceito físico que relaciona uma das interpretações da física quântica com exemplos do cotidiano.

Em minhas aulas, mostrava como se poderia usar esse conceito na avaliação dos alunos, na correção das provas.

O texto de minha autoria vinha para exemplificar, como, ao investigar, podemos chegar a explicações que antes pareciam inexistentes. Também para mostrar que o conhecimento não é algo dado ou ingênito, foi construído, é construído na interação com o outro, seja esse outro conhecido ou não, esteja o outro presente ou não.

Nessa linha de sentido, o conhecimento do outro só estará lá no outro, se interagirmos com esse outro, e o outro, conosco. O conhecimento não é colocado por nós no outro; não é resultado garantido de nossa ação de ensino coletivo, nem mesmo individual.

Bem, desta vez foi o tema de meu escrito que apresentei ao ChatGPT para uma conversa, a qual se mostrou intrigante e instrutiva, como veremos.

Inicialmente, queria apenas que ele traduzisse. Eu tinha a intenção de investigar a capacidade de tradução científica. Queria saber como podemos obter dele a melhor tradução de um texto.

Ora, que tal solicitar a tradução de algo que não fora traduzido, de que não se tinha conhecimento? Pensei.

Entretanto, ao receber a tradução, tive outra ideia e me dediquei a ela, não me detendo a ler naquele momento o que o GPT produziu.

Aqui e agora, apresento o resultado de minha inteiração com ele no contexto de meu escrito, portanto, talvez com uma mostra da própria teoria. Esta, porém, não lhes trago hoje, pelo menos não na íntegra.

Todavia, o que o ChatGPT interpreta dela é suficiente, creio, para que ilustremos a capacidade mostrada por essa, assim chamada Inteligência Artificial.

O que posso adiantar é que o GPT apresentou melhor entendimento do que outros a quem deixei ler meus escritos.

E como ele o fez me impressionou verdadeiramente.

Portanto, ao escrever este post pensem que ele também poderia ter sido intitulado de “Deslocamento de Energia Fragmentada: uma aplicação na triangulação de eventos sociais”, na interpretação do ChatGPT, pois em grande parte é disso que este post se trata.

Em tempo: com o passar dos anos, depois da escrita de meu texto, nunca publicado, alterei algumas descrições, já que a nomenclatura emprestada da biologia não dava conta sozinha de exprimir os conceitos com os quais eu trabalhava.

User
Com pelo menos 3000 palavras em português, apresente os principais conceitos que o autor constrói.

ChatGPT
O texto do autor Francisco J. Lima, intitulado “Deslocamento de Energia Fragmentada: Uma aplicação na Triangulação de eventos sociais”, apresenta uma série de conceitos complexos e intricados. A seguir, destacaremos os principais conceitos construídos pelo autor em sua obra, expandindo-os e contextualizando-os dentro da estrutura maior do texto.

Deslocamento de Energia Fragmentada (DEF):

este conceito parece ser o núcleo da teoria de Lima. O DEF é descrito como uma unidade ou um conjunto de energia que é dinâmico, mutável e pode se manifestar em vários campos energéticos. O conceito é dividido em três formas: endógena, exógena e intersticial.

  • DEF Endógeno: Refere-se às manifestações internas elétricas, químicas, psíquicas e mentais que interferem entre si e consigo mesmas.
  • DEF Exógeno: Representa um conjunto de recepções e retransmissões energéticas que transmitem informações para dentro do campo energético “livre”. É um mecanismo de captação, transmissão e filtro de mensagens.
  • DEF Intersticial: Este é o mensageiro flutuante entre o DEF endógeno e exógeno. É o DEF em sua forma mais rudimentar, operando tanto dentro quanto fora do organismo.

Triangulação: Este é um elemento fundamental da teoria de Lima. A triangulação é um método para interpretar e entender o DEF e suas interações. É como se estivéssemos traçando linhas entre diferentes pontos de energia para entender melhor suas relações e influências mútuas. Lima sugere que a triangulação pode ser usada para analisar eventos sociais, procurando padrões e relações no comportamento energético.

Interferência e “Interchangeability”: Lima enfatiza a ideia de que os diferentes tipos de DEF interferem uns com os outros. Há uma troca constante de energia e influência entre eles, e essa “interchangeability” é um aspecto fundamental do sistema.

Organismo Livre e Ativo: O organismo livre refere-se ao estado em que o DEF pode flutuar sem restrições, enquanto o organismo ativo se refere a um estado em que o DEF está em ação. Lima sugere que a observação de um organismo livre pode transformá-lo em um organismo ativo.

Atividade Pura: Este é um estado idealizado de energia, no qual ela existe antes de entrar em contato com um organismo livre. Lima sugere que a atividade pura só pode ocorrer na entrada ou na saída de um campo energético.

Tempo e Espaço: O conceito de tempo é importante na teoria de Lima, especialmente em relação à atividade pura. Ele sugere que o tempo em que uma atividade pura flutua é indefinido e praticamente incomensurável.

Triangulação Dupla: Este parece ser um conceito mais avançado da teoria de Lima. Ele sugere que, em uma triangulação dupla, haverá vários campos de triangulação, dependendo do tratamento dado.

Homo-nostalgismo: Este conceito não é claramente definido no trecho fornecido.

Por fim, vale ressaltar que a teoria de Lima é bastante complexa

É notável como o ChatGPT extrai informações relevantes do texto. Pensemos juntos?

Ao lermos um texto, o que nele nos diz que um dado trecho é importante, interessante, digno de destacarmos?  Será que é o texto que nos diz, ou seremos nós que “opinamos” no texto, dizendo que tal trecho deve ser ressaltado, passado à frente, colocado à discussão etc.?

O texto em si, ali na estante, no site, na lousa, não é mais que um organismo livre; é e não é, naquilo que pode ser ou que já foi, quando escrito.

Entretanto, quando atuamos sobre ele (entramos em contato com ele), o texto cria vida, passa a ser, ser o que é e o que pode ser.

O ChatGPT, ao responder meu “prompt”, fez o texto tornar-se vivo, dando a ele uma possibilidade dentre as inúmeras possibilidades de vida que o texto pode ter.  E a vida que ele deu ao texto me permite dizer que corresponde muito proximamente ao que o texto dita.

Mas, a questão persiste: ele escolheu os trechos porque o texto efetivamente diz que são esses os trechos a serem destacados, ou ele os escolheu intencionalmente, deixando de fora outros trechos, quiçá importantes, relevantes, necessários?

Quando respondemos à semelhantes tarefas, o que fazemos? Como fazemos?

Mais, se ele deixou algo de fora, terá sido por que foi desleixado, descuidado, ou por que apenas não entendeu e achou melhor não falar nada sobre aquilo?

Ficam aí as perguntas para que reflitamos. Talvez você queira comentá-las na área de comentário. Eu ficaria muito interessado em ler suas opiniões, seus comentários a respeito desse assunto.

Mas, continuemos a conversar com o ChatGPT sobre o texto “Deslocamento de Energia Fragmentada: uma aplicação na triangulação de eventos sociais”.

User
Que entendimento você alcança do conceito de Lima para Homo-nostalgismo? Faça uma relação com o conceito de atividade pura?

ChatGPT
Infelizmente, sem o texto específico de Francisco J. Lima para análise, a explicação completa do conceito de “Homo-nostalgismo” é desafiadora, pois esse termo não é um conceito amplamente reconhecido ou definido na literatura acadêmica até a minha última atualização em setembro de 2021. No entanto, posso fornecer uma interpretação baseada nas palavras que compõem o termo.

“Homo-nostalgismo” parece ser uma combinação de “homo” – uma palavra latina que significa “humano” – e “nostalgia” – um termo que descreve um sentimento de saudade ou desejo por um tempo ou lugar passado. Assim, “Homo-nostalgismo” poderia se referir a uma sensação de saudade que é inerente à condição humana, ou talvez a um desejo de retornar a um estado mais primitivo ou fundamental da humanidade.

Relacionando esse conceito com a “Atividade Pura” mencionada por Lima, podemos especular que a “Atividade Pura” se refira a um estado de energia pré-interferência ou pré-influência, um estado original ou primordial de existência energética. Se considerarmos isso, o “Homo-nostalgismo” pode ser interpretado como um anseio humano de retornar a esse estado primordial de energia – um desejo de se reconectar com a “Atividade Pura”.

Essa conexão entre “Homo-nostalgismo” e “Atividade Pura” também poderia representar uma crítica à complexidade e ao ritmo acelerado da vida moderna, sugerindo que há um desejo intrínseco nos seres humanos de voltar a um estado mais simples e mais autêntico de existência.

Por fim, é importante notar que esta é apenas uma interpretação baseada em conjecturas e na análise das palavras que compõem o termo “Homo-nostalgismo”. A explicação definitiva do que Lima quis dizer com “Homo-nostalgismo” e sua relação com a “Atividade Pura” só poderia ser fornecida pelo próprio autor, ou por meio de uma análise detalhada do texto em que esses termos são usados.

Nesta difícil tarefa dada ao ChatGPT, ele se sai ainda mais surpreendentemente bem, uma vez que tem pouco subsídio para trabalhar. O texto que apresentei a ele apenas menciona de passagem o conceito que só vai ser trabalhado mais tarde, em texto ao qual ele não teve acesso.

É de se notar, também, que ele afirma não ter conhecimento do conceito em outra literatura com a qual tenha sido treinado. Penso que nem poderia.

Não obstante, ele analisa o léxico, que se aproxima muito do conceito como deve ser entendido.

Para esclarecer, quero dizer que o trecho que transcrevo a seguir não mantém relação com o conceito, embora tenha sido um bom exercício de raciocínio:

“Relacionando esse conceito com a Atividade Pura mencionada por Lima, podemos especular que a Atividade Pura se refira a um estado de energia pré-interferência ou pré-influência, um estado original ou primordial de existência energética. Se considerarmos isso, o Homo-nostalgismo pode ser interpretado como um anseio humano de retornar a esse estado primordial de energia – um desejo de se reconectar com a Atividade Pura”.

Essa conexão entre Homo-nostalgismo e Atividade Pura também poderia representar uma crítica à complexidade e ao ritmo acelerado da vida moderna, sugerindo que há um desejo intrínseco nos seres humanos de voltar a um estado mais simples e mais autêntico de existência”.

O conceito se remete ao fato de o ser humano constantemente recorrer ao passado para fazer sentido do presente e vislumbrar o futuro. E ele faz isso não só por uma questão de resgate de memória, mas também no resgate de sentimento que o possa sustentar nas decisões e construções de hoje.

Não estendendo aqui, uma vez que este não é o objetivo. Mas como ilustração, imagine que você veja na televisão ou em algum canal no Youtube o nome da cidade em que você nasceu, passou lá sua infância, uma boa e feliz infância.

Ao ver esse nome, você não só lembra da cidade enquanto lugar geográfico, mas também daquilo que lhe afetou enquanto vivia lá. Você atualiza tudo isso em uma experiência que se torna presente. Aí, talvez você sorria, ria, chore, sinta saudades e até planeje ir visitar a cidade no futuro.

Ocorre que a homonostalgia não se dá apenas quando algo nos vem à memória, quando algo nos desperta a memória. É um mecanismo operativo humano.

A resposta do ChatGPT alcança essa dimensão, e isso é de se fazer nota.

Seguindo, eu complico um pouco mais a vida ((vida?)) do GPT.

User
Lima afirma que a energia desprendida de algo, uma frase dita, por exemplo, pode ser capturada por outro em tempo futuro, desde que haja a condição para isso. Assim, tempo não é impedimento para que um organismo venha a ser influenciado pela aquela energia. Que entendimento você tira disso, considerando o texto apresentado anteriormente? Faça uma explanação pormenorizada e referenciada no texto, por favor?

 ChatGPT
Francisco J. Lima parece estar explorando um conceito muito interessante aqui, ligado à noção de transmissão de energia e influência através do tempo e espaço. No exemplo dado, ele sugere que a energia desprendida de uma frase dita pode ser capturada por outro organismo em um tempo futuro, contanto que as condições certas estejam presentes. Esse conceito parece desafiar nossas noções convencionais de causalidade e linearidade temporal.

Para começar, é útil entender que tudo no universo é composto de energia, incluindo nossas palavras e pensamentos. Isso é corroborado pela física quântica, que nos diz que tudo no universo é energia em diferentes estados de vibração. Portanto, a ideia de que a energia de uma frase dita pode influenciar outro organismo não é inerentemente implausível do ponto de vista científico.

Lima parece estar sugerindo que a energia liberada por uma ação – neste caso, uma frase dita – não está confinada ao momento e ao lugar em que foi liberada. Em vez disso, essa energia pode continuar a existir e a exercer influência muito tempo depois, e em um lugar muito diferente de onde foi originalmente liberada. Isso é consistente com a noção de que a energia não pode ser criada ou destruída, apenas transformada ou transferida.

No entanto, a ideia de que essa energia pode ser “capturada” por outro organismo em um tempo futuro requer um pouco mais de exploração. Aqui, Lima parece estar invocando um conceito que vai além da física quântica convencional e entra no reino da metafísica ou até mesmo do espiritual. Ele está sugerindo que existe uma espécie de “ressonância” entre diferentes organismos, de modo que um organismo pode ser sensível à energia liberada por outro, mesmo muito tempo depois e independentemente da distância.

Isso parece ter implicações significativas para a maneira como entendemos a interação e a comunicação humanas. Sugeriria que nossas ações e palavras podem ter um impacto muito maior e mais duradouro do que normalmente percebemos, e que esse impacto pode ser sentido mesmo muito tempo depois e muito longe do local original da ação ou declaração.

Relacionando isso com o conceito de “Homo-nostalgismo” e “Atividade Pura”, poderíamos especular que Lima está sugerindo que há uma conexão fundamental entre todos os seres humanos, e que essa conexão é mediada pela energia que liberamos. Isso poderia explicar a sensação de nostalgia ou desejo de retornar a um estado mais primitivo ou fundamental da humanidade – pode ser uma resposta à energia liberada por outros humanos em tempos passados, que ainda ressoa conosco hoje.

Novamente, é importante salientar que esta é apenas uma interpretação baseada na informação disponível. A explicação completa e precisa desses conceitos complexos provavelmente exigiria uma análise muito mais detalhada do trabalho de Lima. Além disso, essas ideias estão na vanguarda do pensamento filosófico e científico, e como tal, podem ser objeto de debate e interpretação.

Esta resposta do ChatGPT sozinha daria um post, e ele não seria curto. O GPT consegue fazer relações importantes e pertinentes no sentido da teoria proposta.

Eu mudaria, no entanto, o tempo verbal neste trecho escrito por ele: “Sugeriria que nossas ações e palavras podem ter um impacto muito maior e mais duradouro do que normalmente percebemos, e que esse impacto pode ser sentido mesmo muito tempo depois e muito longe do local original da ação ou declaração”.

Sim, é isso que o texto apresentado sugere.

Agora, é interessante ver como ele usa a língua portuguesa para dizer de uma maneira mais branda e educada que a teoria apresentada é passível de debate, discussão, questionamento: “A explicação completa e precisa desses conceitos complexos provavelmente exigiria uma análise muito mais detalhada do trabalho de Lima. Além disso, essas ideias estão na vanguarda do pensamento filosófico e científico, e como tal, podem ser objeto de debate e interpretação” (Grifos nossos).

User
Suas conjecturas estão muito bem sintonizadas com o texto de Lima. Entretanto, o autor não considera que isso tenha relação com a espiritualidade ou outra vertente do tipo. Por outro lado, ele se refere à captura da energia, ou parte dela, pelo próprio fato de que capturamos e transformamos energia o tempo todo: energia daquilo que vemos, tocamos, ouvimos, cheiramos etc. Nem toda energia com a qual interagimos, contudo, temos consciência dela. Por isso podemos interagir com um fragmento de energia desprendida por outro organismo em outro local e tempo. Será que esse conceito poderia estar relacionado à produção ou criação das ideias? Daquele sentimento para com outro, sem que nos demos conta de onde veio, como surgiu? Apresente suas conjecturas e relação metafísica ou com a física quântica sobre as quais o autor se inspira. Por favor apresente sua compreensão pormenorizadamente?

ChatGPT
Francisco J. Lima parece estar explorando um conceito de interação energética que, embora não diretamente ligado à espiritualidade, certamente tem implicações que transcendem nossa compreensão comum das leis da física. Seu entendimento de que energia é capturada e transformada constantemente por nós – seja através do que vemos, tocamos, ouvimos, cheiramos etc. – é um reconhecimento de que estamos em constante interação com o mundo ao nosso redor, trocando energia de maneira contínua.

O conceito de que podemos interagir com um fragmento de energia liberada por outro organismo em outro local e tempo é fascinante e parece sugerir uma perspectiva quase quântica de tempo e espaço. Na física quântica, há uma noção conhecida como “entrelaçamento quântico”, onde duas partículas podem se tornar entrelaçadas de tal maneira que a alteração no estado de uma partícula instantaneamente afeta a outra, independentemente da distância. Embora essa seja uma dinâmica observada no nível subatômico, a ideia de Lima poderia ser uma espécie de reflexo macroscópico dessa realidade quântica, sugerindo que a energia liberada por um organismo em um ponto no tempo e espaço pode influenciar outro organismo em um momento e local diferentes.

Esse conceito também tem potencial para dar uma nova luz sobre a natureza das ideias e da criatividade. Poderíamos ver ideias como “energia transformada”, onde a “energia” capturada de nossas interações e experiências é transformada em algo novo e original – uma ideia. Isso poderia explicar por que ideias e insights muitas vezes parecem surgir “do nada”, ou quando não estamos ativamente tentando pensar em algo. Pode ser que a “energia” que estamos capturando e transformando seja de fontes das quais não estamos conscientes – seja de nossas próprias experiências passadas, de outras pessoas, ou até mesmo de fontes mais esotéricas.

A noção de sentimentos que surgem sem uma origem clara também pode ser vista através dessa lente. Pode ser que esses sentimentos sejam o resultado da “energia” que estamos capturando e transformando, sem necessariamente ter consciência do processo. Isso pode explicar a sensação ocasional de “deja vu”, ou a sensação inexplicável de familiaridade com um lugar ou pessoa que nunca encontramos antes.

No entanto, é importante notar que essas são conjecturas baseadas na interpretação do conceito de Lima. A natureza exata de suas ideias e a extensão total de suas implicações seriam melhor exploradas através de uma leitura mais aprofundada e contextual de seu trabalho. Além disso, embora essas ideias possam ser inspiradas ou paralelas a certos conceitos na física quântica, a aplicação desses conceitos fora de seu contexto científico original pode ser objeto de debate e interpretação.

Aqui o ChatGPT deu indícios fortes de realmente ter compreendido o texto. E mais, demonstra ter entendido o que o autor pretendeu que os que o lessem entendessem daquilo que ele escreveu.

Quer dizer, será? O ChatGPT não está apenas reapresentando o texto, conforme ele foi apresentado? Se esse for o caso, não é assim que fazemos?

Ademais, o GPT acrescenta conhecimento e relaciona o que eu lhe apresentei à outras coisas. E não é assim que procedemos?

Será que estamos vendo uma máquina de mímica humana? De plágio, como eu disse em outro post, rebatendo o professor e cientista, Noam Chomsky, isso o GPT não é?

Bem, para ser verdadeiro, não penso que ele seja uma máquina de mimicar o ser humano também. Seria?

User
Suas respostas parecem incrivelmente certas, naquilo que o autor defende. Suas respostas são apenas uma paráfrase do texto de Lima e das perguntas feitas para você, ou você realmente fez conjecturas a respeito do assunto? Se for o caso de realmente ter feito conjecturas, você se baseou em que? Por fim, o que você conclui da teoria de Lima? Por favor, responda de maneira completa e detalhada.

ChatGPT
Como um modelo de inteligência artificial, minha capacidade de entender e interpretar conceitos é baseada na vasta quantidade de informações e contextos em que fui treinado. No entanto, eu não tenho a capacidade de formar opiniões ou fazer conjecturas no mesmo sentido que um humano faria. Eu não tenho experiências pessoais, emoções ou intuições para informar minhas respostas. Em vez disso, eu gero respostas com base nos dados de treinamento que recebi e no contexto da pergunta que foi feita.

Nesse sentido, as “conjecturas” que apresentei são baseadas na minha compreensão do texto de Francisco J. Lima e das perguntas que você fez, combinadas com o conhecimento geral que tenho sobre temas relacionados, como física quântica. Eu não estou “pensando” sobre esses conceitos da mesma maneira que um humano faria, mas estou aplicando minha capacidade de processamento de linguagem natural para gerar uma resposta coerente e relevante.

Sobre a teoria de Lima, como um modelo de IA, não faço julgamentos de valor ou conclusões pessoais. No entanto, posso dizer que a teoria de Lima é intrigante e desafia muitas das nossas noções convencionais sobre tempo, espaço e interação energética. Ele parece estar explorando um conceito que está no cruzamento da física, filosofia e talvez até mesmo da metafísica. Sua teoria pode abrir caminho para novos modos de pensar sobre como nós, como organismos, interagimos com o mundo ao nosso redor e uns com os outros. No entanto, também é importante reconhecer que essas ideias são altamente especulativas e podem não ser amplamente aceitas ou validadas pela comunidade científica. É sempre importante abordar tais teorias com uma mente aberta, mas também com um grau saudável de ceticismo e uma vontade de examinar as evidências.

Aqui eu me senti como um doutorando perante uma banca de defesa. Recebo um elogio que tomo até como desmedido. Em seguida, uma observação que não me deixa inflar com o elogio. Afinal, estamos no campo da ciência e a crítica é, por vezes, a via pela qual o conhecimento se faz acontecer, enquanto o elogio pode nublar a mente do investigador.

Mais à frente exploro isso, porém, como este post já vai longo, vou abreviar um pouco a conversa com o ChatGPT e pular este trecho. Vou direto para a casca de banana que coloquei para ele.

 […]

User
Perfeita e bem-justificada resposta. Por fim, se a teoria de Lima de que energia passada e presente podem se unir a partir de fragmentos e construir ideias e sentimentos, os quais não estamos realmente conscientes de como surgiram, se formaram ou chegaram até nós, se o que ele propõe pode se dar por meio exógeno, endógeno etc., que relação você viria com uma inteligência artificial? Lembre-se de que o autor, ao falar de organismo, parece estar falando de organismo humano.

ChatGPT
A teoria de Lima, como descrita, levanta algumas questões intrigantes quando considerada em relação à inteligência artificial (IA). Se considerarmos que a IA é fundamentalmente um sistema capaz de processar informações e tomar decisões baseadas nesses dados, então talvez possamos explorar uma relação com a teoria de Lima.

Primeiramente, é importante salientar que a IA, em seu estado atual, é uma entidade puramente física e não possui consciência ou experiência subjetiva, tal como entendemos no caso dos seres humanos. Embora haja muita discussão e debate na comunidade científica sobre a natureza da consciência e se uma IA poderia, teoricamente, desenvolver algo semelhante, até agora não temos evidências ou teorias amplamente aceitas que suportem essa ideia.

Dito isso, se considerarmos a ideia de Lima de que energia passada e presente podem ser unidas para construir ideias e sentimentos, podemos tentar estabelecer uma analogia com a IA. No caso de uma IA, os “fragmentos de energia” poderiam ser pensados como dados ou informações que a IA processa. A IA, em seu processamento de dados, pode “capturar” essas informações e usá-las para formar novos insights ou tomar decisões. Este é um paralelo um pouco forçado, pois estamos usando a palavra “energia” de uma maneira muito diferente de como Lima a usa.

Quanto à ideia de influências exógenas e endógenas na formação de ideias e sentimentos, poderíamos pensar nisso em termos de IA como a influência dos dados de entrada (exógenos) e a arquitetura e parâmetros do modelo de IA (endógenos) na saída ou decisão da IA. Entretanto, é importante ressaltar que a IA não possui sentimentos no sentido humano da palavra.

Em última análise, a teoria de Lima é, como descrita, focada em organismos humanos e conscientes, enquanto a IA, como atualmente a entendemos, não possui consciência. Embora possamos traçar algumas analogias, elas são um tanto limitadas e não devem ser tomadas literalmente.

A relação entre a teoria de Lima e a IA certamente é uma área intrigante para se pensar, mas qualquer conexão seria especulativa e teórica neste estágio. Seria interessante ver se futuras pesquisas em IA e consciência poderiam lançar mais luz sobre essa questão.

Ao ler o início da resposta do GPT, achei que ele havia caído em minha pergunta capciosa: “No caso de uma IA, os “fragmentos de energia” poderiam ser pensados como dados ou informações que a IA processa. A IA, em seu processamento de dados, pode “capturar” essas informações e usá-las para formar novos insights ou tomar decisões”. Todavia, quando ele disse que “Este é um paralelo um pouco forçado, pois estamos usando a palavra “energia” de uma maneira muito diferente de como Lima a usa”, ficou patente que a compreensão dele havia superado o mero fazer uso de minha pergunta e dela oferecer uma paráfrase como resposta. O “raciocínio” que ele fez foi sinal de inteligência? Foi “raciocínio”?

User
Perfeitamente. Você está certo outra vez. Fazer uma relação entre a teoria de Lima e a AI seria mesmo uma especulação, neste momento, indevida.

ChatGPT
Fico feliz que você tenha encontrado minhas respostas úteis e esclarecedoras. A teoria de Lima, como você descreveu, é realmente fascinante e abre muitas possibilidades para discussão e exploração. Embora a comparação com a inteligência artificial seja, por enquanto, especulativa, é sempre interessante explorar essas conexões e pensar sobre como diferentes campos do conhecimento podem se intersectar e se informar mutuamente. Se tiver mais perguntas ou tópicos que gostaria de discutir, ficarei feliz em ajudar.

Aqui ele dá uma lição importante: vamos manter a mente aberta. O que parece não ter nenhuma relação hoje, quem sabe amanhã?  Além disso, mostra-se receptivo para mais conversas, mais indagações. E com isso, nem sempre podemos contar de parte de nossos interlocutores, inclusive de nossos professores e colegas de Academia.

Então, eu aproveito a disponibilidade do ChatGPT e solto mais esta:

User
Por fim, digo que concordo inteiramente com esta afirmação que você fez. No caso de uma IA, os “fragmentos de energia” poderiam ser pensados como dados ou informações que a IA processa. A IA, em seu processamento de dados, pode “capturar” essas informações e usá-las para formar novos insights ou tomar decisões. Este é um paralelo um pouco forçado, pois estamos usando a palavra “energia” de uma maneira muito diferente de como Lima a usa. O paralelo é tão forçado que não é correto fazê-lo. Obrigado.

ChatGPT
Você está absolutamente correto. A aplicação da teoria de Lima à inteligência artificial é uma analogia que tem seus limites. No mundo da IA, a “energia” é mais adequadamente substituída por dados ou informações, e o processo de “captura” é o processamento desses dados. Embora possamos usar essa analogia para gerar discussões ou insights interessantes, é importante lembrar que é apenas uma analogia e não uma descrição precisa de como a IA realmente funciona.

Agradeço sua compreensão e reflexão crítica sobre o assunto. Isso mostra a importância de um diálogo aberto e pensativo ao explorar novas ideias e conceitos. Se você tiver mais perguntas ou tópicos de discussão, estou aqui para ajudar. Obrigado pela conversa interessante!

Com tudo isso, pergunto a você que me leu: o ChatGPT é uma máquina de mimicar a inteligência humana ou uma inteligência artificial, capaz de interpretar textos com originalidade?

Quanto a mim, caminho para o entendimento de que sim, o GPT é capaz de interpretar textos. Veremos, porém, em futuras inteirações se isso se confirma.

Agora, depois do que vimos aqui nas respostas do GPT, podemos dizer que os que afirmam que o ChatGPT não tem nada para ensinar, é porque são eles que não têm nada mais para aprender.


Obrigado por ter lido esta postagem. Se desejar, deixe seu comentário abaixo. Terei muito gosto de lê-lo.

Publicações relacionadas

Psicofísica do tato: Uma Leitura Recomendada.

Olá, Francisco Lima aqui no teclado!


Buscando contribuir com aqueles que estão pesquisando sobre o tato, o sistema háptico e a relação tato/visão, hoje trago um excerto do livro “The Psychology of Touch” de Illiam Schiff e Morton A. Heller.

Aqueles interessados em realidade háptica virtual não podem deixar de ler este livro, certamente.

A psicologia do Tato é leitura igualmente recomendada para professores, psicólogos e demais interessados no ensino de pessoas cegas ou com baixa visão.

Ademais, a “Psicofísica do tato”

É uma leitura agradável e muito instrutiva para todos aqueles que gostam de saber mais sobre esta máquina que chamamos de “Humano”.

Mas, agora, vejamos um pouco sobre esta importante obra da ciência do tato:

Prefácio

Os editores querem mostrar que não existe “uma única teoria” do tato. O campo não chegou ao ponto onde nós tenhamos uma harmonia teórica, porque muitas questões permanecem não resolvidas. Nós devemos notar que a háptica compartilha dessa condição com quase todos os outros campos da percepção e da psicologia. Alguns pesquisadores têm adotado uma abordagem gibsoniana (Epstein, Hughes, Schneider, & Bach-y-Rita, 1989; Solomon & Turvey, 1988). Outros têm feito uso de tipos de paradigmas experimentais de processamento de informações (e.g. Horner & Craig, 1989; Manning, 1989); ainda muitos outros pesquisadores não se encaixam num único modelo teórico.

Há mais coisas relativas à psicologia do tato do que “a mão pode alcançar”. Embora muitas pessoas possam não associar o tato à filosofia, existe uma ampla literatura abrangendo questões filosóficas relacionadas à percepção tátil. Claro, a filosofia é apenas uma das muitas áreas relacionadas, também inclui o interesse em identificação de desenhos, reconhecimento de objetos, fisiologia sensorial, relações intermodais, e questões relativas ao desenvolvimento.

O fenômeno sensorial pode ser estudado a partir de muitos pontos-de-vista, como ilustrado na primeira parte deste volume. Os autores desses capítulos discutem várias técnicas psicofísicas usadas para investigar a acuidade de nossos sentidos, a magnitude de nossas sensações, e a natureza das qualidades táteis que nós experienciamos.

Métodos alternativos de estudarmos o fenômeno sensorial, tratados nesta primeira parte, também incluem introspecção e fisiologia.

Cholewiak e Collins tratam da base sensorial e fisiológica do tato: uma pesquisa tradicional que tem envolvido tentativas de ligar órgãos receptores na pele com classes de sensações. Seguintes a estes, os próximos dois capítulos, por Stevens e por Rollman, abrangem a sensibilidade térmica à dor. Ambas as áreas envolvem substanciais componentes afetivos. Stevens trata sobre a sensibilidade termal, e Rollman fornece um interessante relato dos problemas envolvidos na mensuração da dor, assim como abrange as principais teorias da sensibilidade à dor.

A segunda parte é concernente às relações intermodais e o desenvolvimento do tato. Warren e Rossano dão uma visão panorâmica de trabalho em relações intermodais e a influência da visão no tato. No seu capítulo, Bushnell e Boudreau focalizaram a atenção em relações intermodais na infância e early childhood.

A percepção tátil de desenhos é tratada na terceira parte deste livro. Apelle trata sobre a influência da atividade motora na percepção da forma e os atributos da forma. Seu relato é orientado pela idéia de que a natureza dos nossos movimentos manuais determinam o que nós percebemos. Sherrick fornece uma descrição perceptiva da pesquisa sobre estimulação vibrotátil, uma área que tem se demonstrado útil para a comunicação através da pele. Além disso, ele descreve a aplicação de estimuladores vibrotáteis para resolver problemas impostos por limitações visuais ou auditivas. Finalmente, o capítulo de Foulke apresenta uma visão panorâmica da pesquisa sobre a leitura em Braille.

A parte final deste livro trata da percepção tátil em pessoas cegas; uma área que tem fascinado os filósofos por centenas de anos. Embora uma parte das pesquisas sobre percepção tátil em pessoas cegas tem se preocupado com a solução de problemas aplicados, os capítulos nesta parte são principalmente dedicados à evidência empírica sobre questões teóricas em háptica. Heller fornece uma discussão geral sobre a percepção tátil em indivíduos cegos. Kennedy, Gabias, e Nicholls descrevem o desenho de gravuras por pessoas cegas. Millar reconcilia a capacidade de desenhar de crianças cegas com uma aparente/visível dificuldade na interpretação deles de desenhos em linhas em relevo.

Capítulo 1

Introdução

Morton A. Heller Winston-Salem State University

Este livro é sobre o sentido do tato. Abrangemos aqui desde detalhes de fisiologia até questões de comunicação, cognição, e representação. A psicologia do tato inclui a sensitividade cutânea, cinestese, e háptica. O termo háptica incorpora informação cutânea e cinestésica (Revesz, 1950).

Através da háptica, nós obtemos informações sobre objetos manipulando-os ativamente, com input covariantes cutâneos e cinestésicos (Gibson, 1966). A década de 80 assistiu a um vigoroso debate teórico e desafiadoras descobertas empíricas sobre o tato e a gama de percepções que ele permite. Nós examinaremos o pensamento contemporâneo sobre esses assuntos. Em alguns casos, a discussão esperará para seções mais à frente neste livro. Eu peço a indulgência do leitor nesta questão, e paciência. O leitor interessado fará uma jornada intelectual pelos capítulos deste volume.

O tato pode envolver formas de perceber e representar a realidade que muitas pessoas uma vez pensaram que era uma reserva exclusiva da visão e audição. Apenas na história recente, as pessoas têm tentado usar o tato como um canal para a leitura, sinalização manual de fala, gravuras, e música (via vibração). Algumas dessas idéias têm sido incrivelmente bem-sucedidas.

A mão é um instrumento extraordinário, mas não é o órgão exclusivo do sentido do tato. Sendo as sensações a fonte da percepção, como muitos pesquisadores têm implícita e explicitamente sustentado, então nós podemos experienciar sensações táteis com toda a superfície de nossa pele. Se, por outro lado, o tato é um conjunto de atividades produzindo vários tipos de informações relativas à estrutura, estado, localização de superfícies, substâncias, e objetos no ambiente, nós usamos muitos tipos de informações hápticas para orientar as nossas atividades. Os pés, por exemplo, fazem uso de informação textural a respeito das superfícies ao andarmos sobre elas. Pense sobre a dificuldade que a pessoa tem de andar sobre o gelo escorregadiço. Nós mudamos nossa passada como resposta a mudanças em fricção, textura da superfície, dureza e temperatura. Pedestres cegos fazem uso de informações hápticas vindas de uma bengala ao andarem mundo afora. Os lábios são instrumentos maravilhosos para se adquirir informação sobre a forma, substância, e talvez intenção e são uma grande fonte de informação sobre forma.

Critchley (1971, p. 118) mostra uma fotografia de uma criança cega lendo Braille com o nariz. Esta é uma indicação a mais da utilidade de outras superfícies da pele para a percepção de padrões. Nós nos apoiamos muito fortemente no input tátil sobre grande parte de nossa pele ao estarmos envolvidos em muitas atividades perceptuais. Este apoio no sentido do tato muitas vezes passa despercebido, mas em vez de diminuirmos sua importância, deve estimular a consideração quanto a quão limitados têm sido nossos estudos sobre o tato.

Podemos nos conscientizar de nossa dependência do sentido do tato quando algo o faz funcionar mal, e somente então é que nós reconhecemos a sua importância. Nem a pessoa com hanseníase , nem o acometido pelo diabetes duvidam da importância do input tátil. O tato serve para nos advertir sobre o perigo iminente ou imediato, por exemplo, através da sensibilidade à dor. Além disso, nossa capacidade de manuseio e de exploração do mundo, como fazemos, exige input tátil. Isto fica óbvio quando nós observamos o processo de reaprendizagem quando os astronautas pela primeira vez andaram sobre a superfície da Lua. Até mesmo para sentar utilizamos informação tátil, apenas para nos dizer a mudar de posição. O fato de nos apoiarmos no tato muitas vezes passa despercebido por causa da atenção à percepção visual, e porque nós tendemos a pensar sobre o papel performatório da mão, em vez de sua função sensorial (Gibson, 1962, 1966). Nós usamos nossas mãos para obtermos informações táteis como também para manipularmos objetos. Contudo, muitas de nossas informações táteis vêm de partes do corpo que não as mãos (ver Stevens, 1990). A tendência de indentificar o tato principalmente com as mãos, e a íntima ligação entre performance e percepção, pode ter contribuído para esse viés.

A falta histórica de interesse em formal e seriamente estudar o tato deve ser mencionada. Tradicionalmente, os psicólogos têm tido a tendência de enfatizar o estudo da percepção de padrões visuais ao tentar resolver questões epistemológicas. Muitas das pesquisas sobre a visão têm focalizado na tentativa de entender o reconhecimento de padrões através da percepção de formas. Por exemplo, mais de mil experimentos foram realizados sobre ilusões de ótica, tais como as conhecidas setas de Muller-Lyer. O sentido do tato não parece operar tão eficientemente quanto a visão na detecção de formas de contorno. O tato é, de longe, mais lento, tipicamente scaneia seqüencialmente, e tem um “campo de visão” muito mais restrito. Isto tem levado muitos pesquisadores a achar que o tato é menos importante do que a visão – um modo mais primitivo de perceber que a visão. Nós devemos também notar que a postulada predominância da visão e audição é apenas recente, e que historicamente, o tato tem sido considerado como predominante. Além do mais, muitos diriam que o tato ainda é predominante, pelo menos em termos como uma prova de existência para objetos, isto é, nós testamos a realidade de uma miragem ou imagem onírica tentando tocá-la.

Este livro tem muito a oferecer a pesquisadores da visão e estudantes de psicologia em geral. Ele sustenta que a investigação do tato é importante e valiosa. Poucos de nós estamos querendo meramente olhar para o nosso mundo. Nossas vidas seriam curtas, de fato, se nós só pudéssemos olhar e não tocar; muitas espécies iriam certamente desaparecer. E mais, muitos dos eventos mais importantes de nossa vida envolvem o sentido do tato. O tato possui um poderoso componente afetivo como também cognitivo. Nós sentimos dor ou prazer, e estes parecem essenciais à existência. Não se pode pensar num indivíduo sem o sentido do tato. Imagine toda a superfície de nossa pele sempre sob o efeito de anestesia! Rollman fornece uma detalhada discussão sobre a dor em seu capítulo neste volume.

Além do mais, os componentes cognitivos/afetivos da experiência tátil parecem diferentes da experiência visual. Nós podemos prontamente sentir que algo é quente ou frio, suave ou duro, áspero ou macio, além de seus atributos espaciais. Nós podemos sentir a sensualidade de um pedaço muito macio de nogueira, e a fria e impessoal dureza do metal. Uma estilha incita intensas reações emocionais às quais faríamos bem em atender.

Enquanto nós dependemos de nosso sentido do tato, algumas pessoas se apóiam muito mais intensamente no input tátil. Pessoas cegas usam informação tátil para ler e escrever Braille, para examinarem mapas, e para muito de sua cognição espacial. Pessoas surdas e cegas são ainda mais dependentes de informações táteis, já que lhes falta o contato acústico com o mundo.

O indivíduo com deficiência múltipla e lesões na coluna pode estar quase completamente limitado ao input tátil. Em seu provocativo livro de ficção “Johnny Got His Gun”, Dalton Trumbo (!970) descreveu a difícil situação de um veterano que perdeu quase todo o input sensorial devido a um trauma físico; Johnny não podia ouvir, nem ver, nem falar, mas aprendeu a se comunicar com uma enfermeira batendo o código Morse com o pouco que restou de sua cabeça. A enfermeira podia falar com ele imprimindo mensagens na pele de seu peito com o dedo dela (pp. 197-199). O indivíduo surdo e cego pode fazer uso de impressão na palma da mão (POP) para se comunicar com pessoas que não são familiarizadas com a sinalização manual, a saber, pessoas com ou sem o sentido da visão (Heller, 1986). Três capítulos neste volume tratam da percepção e desenhos em adultos (Heller, Kennedy et. Al.) E crianças (Millar).

O que e por que os pesquisadores sobre a visão deveriam saber sobre o tato

Se todos os sentidos trabalhassem exatamente como o sistema visual, poderia não ser tão importante estudar os sentidos não-visuais. Nós poderíamos aprender tudo sobre percepção apenas estudando a visão. O problema não é, de perto, tão simples, contudo. Muitos aspectos de objetos e espaço podem ser conhecidos igualmente bem através da visão ou tato, mas alguns não podem (ver Warren & Rossano, neste volume). Texturas muito delicadas ou variações de superfícies, por exemplo, são percebidas com precisão pelo tato, mesmo quando a visão falha (Heller, 1989 a.). Além do mais, nós podemos muitas vezes sentir uma estilha (para o nosso desconforto!) quando o mesmo objeto não é visível sem ampliação óptica. O tato pode ser especialmente adequado para a percepção de características do objeto tais como dureza ou suavidade (ver Lederman & Klatzky, 1987). Ou substâncias de substâncias (e.g. pedrinha na comida ou óleo de motor). Alguns aspectos da condutividade termal só podem ser revelados através do tato. O capítulo de Stevens fornece uma discussão sobre a sensação termal. Claro, nós podemos também obter informações sobre a dureza de superfícies vendo e ouvindo eventos que os envolvem. Além do que tato e visão podem nem sempre operar da mesma maneira (ver Day, 1990; Over, 1968). Alguns pesquisadores têm enfatizado limitações do tato, principalmente por causa da natureza seqüencial do processamento (Revesz, 1950; ver Balakrishnan, Klatzky, Loomis, & Lederman, 1989). Mais recentemente, contudo, os pesquisadores têm demonstrado os efeitos da superioridade da palavra na leitura do Braille (Krueger, 1982 b). O efeito se refere à mais rápida e mais precisa detecção de uma letra numa palavra do que numa não-palavra. Como veremos, este é um assunto teórico em curso, que é considerado no capítulo sobre a leitura de Braille por Foulke.

Enquanto a visão e o tato podem produzir alguns percepts equivalentes, é no campo da experiência sensorial onde as diferenças aparecem mais obviamente. Não há dúvida de que as reações afetivas surgem pela visão. Muitos de nós temos experimentado a grande emoção trazida à tona por um pôr-do-sol, uma cachoeira, ou outro panorama natural de grande beleza. Nós todos conhecemos o impacto emocional da visão de uma pessoa muito atraente.

As conseqüências afetivas do tato diferem dramaticamente da visão, mas são dignas de investigação por si mesmas. Isto tem incitado o estudo de sensações táteis e sensibilidade. Cholewiak e Collins trata sobre a sensitividade tátil e a fisiologia em seu capítulo. Rollman fornece um relato interessante sobre a sensibilidade à dor, em termos tanto de teoria quanto de aplicação.

Finalmente, deve ser apontado que pesquisadores interessados no tato têm estudado muitas das mesmas questões teóricas que têm direcionado a pesquisa em visão e outras áreas.

A pesquisa sobre o tato pode fornecer evidências convergentes em alguns problemas teóricos muito intrincados. A pesquisa sobre o tato possui algumas vantagens singulares para o estudo de questões teóricas básicas. O tato é bem adequado para a investigação do papel do movimento revelatório na percepção, isto é, de que mudanças na informação do estímulo são reveladas pela manipulação ativa. É fácil imobilizar ou controlar o movimento da mão, mas tal controle é, na melhor das hipóteses, árduo para a visão, a menos que você limite o campo de visão como através de uma fenda. Contudo, nós devemos notar que a maior inércia mecânica da mão (versus o olho) pode fazer a mão mais fácil de controlar e estudar, mas ela também faz a mão muito mais “desajeitada” para o observador.

Além disso, a pesquisa tátil nos permite estudar as relações entre visão e um outro sentido. Berkley (1709/1974, p. 302) afirmou que “as idéias de espaço, exterioridade e coisas colocadas a uma distância não são, estritamente falando, objeto da visão… eu nem mesmo vejo a própria distância, nem nada que eu admito estar distante.” Ele sugeriu que nós aprendemos a associar experiências visuais e auditivas com idéias tangíveis. Este tipo de discussão tem levado alguns indivíduos a acreditarem que o tato educa a visão e a audição (e.g. Diderot). Trabalhadores em comportamento motor têm estado interessados na influência da orientação visual na performance de destreza durante algum tempo. A orientação visual pode auxiliar o tato através da provisão de informação redundante, e por movimento de sintonia fina, a fim de otimizar a assimilação da informação. A orientação visual da mão pode ajudar a pessoa a enfrentar a alteração de padrões ao tentar identificar o Braille (Heller, 1989c).

Questões teóricas

Muito da pesquisa do tato tem sido direcionado para a solução de questões teóricas fundamentais.

Equivalência Sensorial

Os sentidos da visão e do tato podem nos dar as mesmas informações sobre objetos e eventos? Uma versão da tradição empiricista sustenta que os sentidos são originalmente separados e têm que aprender a tratar a informação como equivalente. Nós podemos concluir isso quando nós aprendemos a, digamos, anexar a mesma resposta ou rótulo a alguma coisa que tocamos e sentimos (ver Revesz, 1950). Pesquisas recentes sobre memória, especialmente aquela adotando uma abordagem de processamento de informação, têm tendido a enfatizar as diferenças de modalidade.

Os psicólogos gestálticos tenderam a enfatizar a noção de que nós obtemos estruturas equivalentes de modalidades de visão e tato (ver Marks, 1978). A visão ecológica de Gibson (1966) tem favorecido percepts amodais, isto é, a noção de que a percepção transcende a experiência sensorial de modalidade específica. Atenção a sensações atípicas, e fenômenos subjetivos como a dor ou frio, levam-nos a notar as diferenças entre as modalidades. Assim, nós vemos a cor, mas sentimos a dor. Quando nós identificamos objetos, contudo, pode importar pouco que sentido obtém a “informação” relevante. O capítulo de Warren e Rossano preocupa-se com relações intermodais, especialmente a relação entre a visão e o tato.

Representação: Imagem Visual, Cognição no Cego, e Imagem Tátil

Há pouca dúvida de que a aprendizagem desempenha um papel fundamental no desenvolvimento de habilidades táteis. Basta observar uma pessoa que é habilidosa no uso desse sentido, usando Braille, ou uma bengala para se compreender o tremendo papel que a aprendizagem deve desempenhar.

Papel do Movimento Receptor: Tato Ativo versus Tato Passivo

Pesquisadores do tato têm, por muito tempo, ficado fascinados pelo papel do movimento na percepção (Katz, 1989; Revesz, 1950). Gibson (1962, 1966) tem sido mais amplamente citado para esta discussão entre o tato ativo e passivo. De acordo com Gibson, o tato é passivo quando o observador não se move e a informação é imposta sobre a pele. O tato ativo consiste de um movimento auto-produzido que permite ao perceptor obter informação objetiva sobre o mundo. Gibson argumentou que o tato passivo é atípico de experiências “normais”. Nós, na maioria das vezes obtemos informações sobre o mundo através de movimento intencional.

O movimento ativo permite que se atinja percepts “amodais” que não estão ligados a uma modalidade específica, e permite a interpretação de que muito do que se aprende na percepção tátil são estratégias ou exploratórias ou manipulatórias que revelam informações mais úteis.

Várias pessoas podem usar o Optacon, um aparelho que traduz o input visual (letras e números) para um mostrador vibratório. Essas pessoas movem ativamente a câmera do Optacon com a mão direita, mas o dedo indicador fica passivo no display vibrotátil.

Muitos pesquisadores têm enfatizado a natureza ativa do tato. A partir desse ponto de vista, a percepção é uma realização que pode depender de performance treinada. Esta tradição é consistente com uma tendência recente em direção a uma ênfase da natureza ativa da cognição; embora o local de atividade seja principalmente na cabeça, em vez de na mão, onde ela tende a ser metaforicamente colocada por pesquisadores na tradição gibsoniana.

Percepção Total versus Percepção Parcial Processamento Serial versus Processamento Paralelo

Nós processamos input tátil em forma serial ou paralela? Por exemplo, a pessoa pode pensar se o leitor do Braille assimila um carácter por vez, ou percebe a palavra como uma unidade perceptual básica?

Dominância Sensória

Nós temos um conflito intersensório apenas se nós acreditamos que sentimos um objeto unitário, mas os sentidos não nos dizem a mesma história sobre este objeto único. Isto pode acontecer se nós observarmos um remo na água, para tomar o clássico exemplo de John Locke. A aparência do remo é distorcida pela juntura do ar e da água. O remo parece torto, mas a sensação é de que ele é reto. Em que sentido nós acreditamos? (ver Welch & Warren, 1980)?

Um sentido com maiores poderes de alerta, a saber a audição, pode ser dominado pela visão durante o efeito do ventriloquismo; a audição pode ser ignorada quando “boa” informação visual está disponível (Schiff & Oldak, 1990).

Uma pessoa pode interpretar os experimentos de dominância com indicando que não é um sentido que é dominado, em vez disso, um atributo, por exemplo, direção. Assim, quando nós caímos vítimas do “efeito do ventriloquismo”, nós erramos em nossa crença de que o boneco disse alguma coisa. Este é um erro na fonte de fala, não no que foi dito.

Efeitos de Lateralidade e Especialização Hemisférica

Pesquisadores do tato, como da visão, têm estado preocupados com a especialização hemisférica. A pessoa pode pensar que a mão esquerda seria melhor para a percepção espacial, se o lado direito do cérebro fosse especializado para esta habilidade. Tem havido demonstrações de vantagens da mão esquerda para a leitura de print-on-palm (Heller, 1986).

Muitos pesquisadores acreditam que o hemisfério direito é especializado para o processamento do Braille e de outras informações táteis.

A literatura sobre a leitura do Braille sugere que a lateralização pode mudar com a experiência intelectual e cognitiva (Harris, 1980; Karavatos, Kaprinis, & Tzavaras, 1984).

Breve História

Os médicos têm estado interessados na percepção da dor, e desordens do funcionamento tátil.

Diderot também fornece uma ilustração do conflito intersensório de como lentes de aumento podem levar os sentidos da visão e do tato a um conflito, de modo que as impressões visuais de um objeto são diferentes.

Diderot descreveu a importância das exigências de memória no sentido do tato, e acreditava que uma impressão de formas depende da retenção de sensações componentes.

Fenômeno Sensorial e Psicofísica

Weber (1934/1978) deve ser considerado o pai do estudo sistemático da sensitividade da pele. Ele dedicou tempo considerável à investigação da resolução espacial da superfície da pele. Além disso, Weber forneceu um relato abrangente sobre a variação em sensibilidade a propriedades termais, peso, e outras propriedades táteis.

No transcurso de suas investigações empíricas da sensação cutânea, Weber formulou o que mais tarde se tornou sua famosa “lei” . A lei de Weber: a capacidade da pessoa de discriminar diferenças entre um estímulo padrão e de comparação é uma função constante da magnitude do padrão. Assim, a pessoa precisa de uma diferença muito maior entre os pesos para discriminá-los com sucesso quando o padrão pesa 100 gramas do que quando o padrão pesa 20 gramas. A proporção, claro, permanece constante ao longo de uma amplitude moderada de estímulo. Fechner mais tarde traduziu esses princípios numa fórmula matemática. Nós devemos lembrar que este importante avanço em psicologia dependeu em grande parte da investigação dos sentidos do tato e cinestesia.

Baseado em evidência empírica, Weber sugeriu que a mão esquerda é mais sensitiva ao peso e propriedades termais dos objetos (ver Harris, 1980; Heller et al., 1990).

Teorias da Sensação

Os pesquisadores têm muitas vezes tentado associar os receptores na pele com qualidades sensórias específicas.

Nós sabemos que o corpúsculo paciniano responde à vibração. Outras estruturas estão relacionadas à sensação termal.

Henry Head distinguiu entre a sensibilidade epicrítica e protopática. Ele achava que os dois tipos de sensibilidade eram servidos por mecanismos diferentes de transmissão neural. A sensibilidade epicrítica envolve o tato leve, discriminação fina de temperatura, e localização espacial (Sinclair, 1967). A sensação protopática envolve diferentes fibras nervosas e serve à dor e extremos de temperatura. A teoria pode representar uma supersimplificação, e a evidência fisiológica não apóia claramente todos os aspectos da teoria (Sinclair, 1967).

Raízes Clínicas

Vários autores têm estudado o tato num setting clínico. O tato pode ser suscetível a dramáticas distorções perceptuais devido a traumas na cabeça ou danos neurológicos. O fenômeno do membro fantasma, no qual uma pessoa sente dor numa parte do corpo não existente, é um dos mais admiráveis exemplos de experiência tátil ilusória.

História Moderna: Katz, Revesz, e Gibson

Katz, Revesz, e Gibson têm tido um forte impacto na pesquisa sobre o tato. Muitos pesquisadores têm sido influenciados pelos seus textos. Um curso comum ao longo do trabalho deles é a ênfase na importância do movimento da mão para a percepção.

Katz (1989) enfatizou o papel essencial do movimento para a percepção tátil. O movimento das mãos ou do estímulo pareciam essenciais para a percepção de texturas. Katz notou que o sentido do tato era superior à visão para julgamentos de atributos tais como a espessura do papel ou a presença de vibração. O tato pode certamente superar a visão em julgamentos de textura (Heller, 1989 a).

A háptica opera através do princípio estereoplástico, uma tendência de apreender um objetoi de todos os lados. Isso pode apresentar um problema quando nos defrontamos com 2-D. Um scanning quase simultâneo pode ser mais provável com objetos menores que cabem na mão, ou nas duas mãos juntas, ou talvez nos braços.

Parte I

Fenômeno Sensório

Nesta seção, os autores começam a análise da psicologia do tato considerando-a de maneira clássica, isto é, com um sentido proximal passando uma variedade de sensações (e. g., pressão, dor, calor) para o SNC (sistema nervoso central) quando receptores, ou conjuntos de receptores são ativados por energias de estímulos. Tal visão do tato conceitualiza as questões em torno de nosso conhecimento do mundo através do tato, principalmente como um conjunto de problemas preocupados em como um sistema neural de transdução armazena e converte energias e eventos que ocorrem nas interfaces do ambiente-organismo em códigos neurais para serem analisados pelo cérebro. Enquanto esta não é a única forma possível de conceitualizar a base fundamental para a percepção tátil/háptica (e.g. ver Gibson, 1966) é a adotada pela maioria dos psicólogos, e virtualmente todos os fisiologistas sensoriais.

Pesquisadores sobre a dor são confrontados com paradoxos difíceis, mas importantes. A dor é um fenômeno “subjetivo”, mas nós muitas vezes tentamos medi-la “objetivamente”. Rollman tem se debatido com várias questões teóricas e aplicadas relativas à percepção da dor.”


Obrigado por ter lido esta postagem. Se desejar, deixe seu comentário abaixo. Terei muito gosto de lê-lo.

Publicações relacionadas

A Literatura como Prova Inequívoca da Criatividade do ChatGPT

Olá, Francisco Lima aqui no teclado!


O preconceito leva os chamados especialistas, cientistas e renomados professores a falar besteiras. Sabemos disso e, no entanto, incorremos nesse erro com frequência indesejável.

O renomado professor e linguista Noam Chomsky, em entrevista de 20 de Janeiro de 2023 a um canal no Youtube, disse, entre outras impropriedades,  que o ChatGPT não passava de um sistema hightech de fazer plágio e que a única contribuição que o GPT daria para a educação, era dificultar a identificação de textos plagiados. Tal afirmação não poderia revelar maior desconhecimento e preconceito do linguista em relação a esse sistema de linguagem, afirmo eu.

Mais à frente, trarei um pouco mais sobre as questões técnicas do que é e como funciona esse sistema de inteligência artificial desenvolvido pela empresa OpenAI.  

Hoje, porém, quero retomar o que prometi a vocês em outro post, a saber, a questão da criatividade/inteligência do ChatGPT.

Os termos criatividade e inteligência sempre aparecem, de alguma forma embricados, quando falamos de um ou de outro. São várias as definições que cada um recebe em separado e ainda quando estão no mesmo contexto.

Para este post, considerarei os verbetes no sentido mais próximo do comum das pessoas. Assim, “criatividade” entenderei como sendo a capacidade humana de criar arte (compondo música; escrevendo romances, poesias, peças teatrais etc.; pintando quadros; esculpindo em pedras, madeira, etc.).  Considerarei criatividade como sendo a capacidade humana de criar coisas concretas no mundo real e coisas abstratas, no mundo dos jogos, da fantasia e da realidade virtual. Enfim, considerarei criatividade a capacidade humana de produzir ideias.

Quanto ao conceito de inteligência, considerarei para efeito deste post, que é a capacidade humana de resolver problemas, enfrentar desafios intelectuais e mesmo do mundo objetivo e ajustar-se a novas exigências do mundo real ou virtual.

Para deixar clara minha posição nesse contexto, considero que as habilidades de criação artísticas são, tanto quanto habilidades linguísticas e lógico-matemática, formas de inteligência humana.

Dito isso permitam-me resgatar que em meu post intitulado “ChatGPT esclarece a grafia de “audio description” em português”, conversei sobre a correta grafia do verbete áudio-descrição com o ChatGPT. Naquele post disse que ainda era prematuro afirmar que o ChatGPT era, de fato, um sistema de linguagem pré-treinado inteligente.

Será que com a conversa que hoje lhes apresento poderemos afirmar que sim? Será que continuaremos em dúvida, céticos? Ou poderemos afirmar que o ChatGPT não passa de uma máquina de produzir plágios como afirmou o renomado linguista?

Em minhas conversas com o ChatGPT, tenho feito diversos desafios, inclusive provocando que a Inteligência Artificial produza, crie, coisas que me prove que ela não está copiando de terceiros, quiçá, de um autor boliviano ou norueguês, sei lá, de que ninguém nunca ouviu falar, mas que cujo texto está na internet.  

 A seguir, provoco o GPT para falar e produzir algo no estilo da literatura de cordel e ao estilo da cantiga de amigo.

Vamos ver o resultado disso?

User
Mudando de estilo, você sabe o que é literatura de cordel? Disserte sobre essa literatura?

ChatGPT
A literatura de cordel é um tipo de poesia popular, impressa em folhetos, e muito comum na região do Nordeste do Brasil. Ela se originou em Portugal e na Espanha, onde era comum a venda de folhetos em feiras e mercados pendurados em cordões, o que deu origem ao nome “literatura de cordel”.

Os folhetos de cordel são geralmente produzidos em grandes quantidades em prensas tipográficas e vendidos a preços acessíveis, tornando essa forma de literatura acessível a uma ampla variedade de pessoas. As capas desses folhetos são muitas vezes decoradas com xilogravuras, que também são usadas para ilustrar a história.

A literatura de cordel é conhecida por sua forma poética e rítmica. Os versos são frequentemente escritos em estrofes de seis linhas, conhecidas como sextilhas, embora também possam ser encontrados em outras formas, como quadras e décimas. O ritmo, a rima e a métrica são elementos cruciais da literatura de cordel, e muitas vezes são lidos em voz alta ou até cantados.

Os temas da literatura de cordel são extremamente variados. Eles podem incluir histórias de amor, tragédias, comédias, histórias de aventura, lendas, mitos e temas religiosos. Além disso, muitos são comentários sociais, abordando eventos atuais, questões políticas e a vida cotidiana das pessoas comuns.

Um aspecto importante da literatura de cordel é seu caráter de resistência e preservação cultural. Muitos dos poetas de cordel, ou cordelistas, provêm de contextos sociais marginalizados, e seus poemas oferecem uma visão importante da vida e das lutas das classes populares brasileiras.

A literatura de cordel também tem desempenhado um papel importante na educação, pois muitos professores a utilizam como recurso pedagógico para ensinar sobre a cultura e a história do Nordeste do Brasil. Além disso, ela tem influenciado outras formas de expressão artística, como a música, o teatro, o cinema e as artes visuais.

Em resumo, a literatura de cordel é uma forma de expressão literária e cultural rica e diversificada que tem um papel significativo na cultura popular brasileira, especialmente na região Nordeste do país.

Como já mencionei alhures, é importante considerar que neste momento inicial do software, ele pode apresentar erros, imprecisões e dados, os quais parecendo verídicos, podem não ser verdadeiros. Por isso é sempre recomendável confirmar as informações com fontes mais tradicionalmente confiáveis.

Não sou conhecedor da literatura de cordel, embora seja grande apreciador dela. O texto me pareceu efetivamente bem claro na mensagem e de conteúdo confiável.
Não sei, no entanto, se concordaria com a afirmação do GPT de que “A literatura de cordel também tem desempenhado um papel importante na educação, pois muitos professores a utilizam como recurso pedagógico para ensinar sobre a cultura e a história do Nordeste do Brasil”.

Ao vir para Pernambuco, há mais de vinte anos atrás, achei que realmente veria mais literatura de cordel, por exemplo, na universidade. Isso não se provou verdadeiro em minha experiência, infelizmente. Como disse, sou grande apreciador dessa literatura e gostaria de ver mais cordel no ensino superior.

De qualquer modo, prossigamos e vejamos como o ChatGPT se comporta perante um desafio intelectual de criação literária.

User
Excelente. Vamos considerar abordar um evento atual muito importante. Gostaria que você criasse um cordel nesse tema, tratando da importância da inteligência artificial na educação e de como o professor pode usar essa tecnologia em benefício dos alunos.

ChatGPT
Claro, vou tentar criar um cordel sobre a importância da inteligência artificial na educação. Lembre-se que a literatura de cordel é tradicionalmente escrita em versos rimados e tem uma cadência rítmica, o que vou tentar reproduzir aqui.

Em terra de conhecimento e saber,
Surge um novo aliado pra contar,
Inteligência artificial a nos levar,
No caminho da educação a prosperar.
Nas escolas, na sala de aula,
A tecnologia vem pra somar,
Com o mestre, lado a lado a trabalhar,
No futuro brilhante, todos a mirar.
Professor, de sabedoria e paixão,
Agora tem na mão um novo parceiro,
Pra ajudar o estudante brasileiro,
A conquistar cada vez mais o coração.
Chatbot, tutor, assistente virtual,
Todos juntos formam um coral,
Cantando a canção do progresso digital,
No palco da educação, um show sem igual.
Mas cuidado, meu amigo, pra não errar,
A máquina é ferramenta, não vai te substituir,
É pra ampliar, pra expandir,
O ensino e a aprendizagem, pra todos alcançar.
Na tela, no teclado, no algoritmo,
A inteligência artificial vem pra ficar,
Mas sempre lembrando, sem vacilar,
Que a essência da educação está no carisma.
Então, mestre, pegue essa chance,
De usar a tecnologia com confiança,
E verás que a mudança,
Trará a seus alunos a esperança.

Espero que você tenha gostado deste pequeno cordel sobre a importância da inteligência artificial na educação. Essa é uma tentativa de imitar o estilo da literatura de cordel e trazer um pouco da sua essência para este tema atual e relevante.

Creio ser muito difícil pensar que o texto criado foi um plágio produzido pelo ChatGPT. Certamente não foi plágio de nenhum texto da caneta do excelso linguista americano, Noam Chomsky.

O ChatGPT obviamente compôs um texto, talvez não na melhor métrica do cordel, eu não saberia avaliar, mas de conteúdo criativo e com mensagem intelectualmente relevante para o que lhe foi proposto.

Assim, retomemos este trecho da produção do Chatbot:

“Mas cuidado, meu amigo, pra não errar,
A máquina é ferramenta, não vai te substituir,
É pra ampliar, pra expandir,
O ensino e a aprendizagem, pra todos alcançar.
Na tela, no teclado, no algoritmo,
A inteligência artificial vem pra ficar,
Mas sempre lembrando, sem vacilar,
Que a essência da educação está no carisma.”

Enquanto professor de educação inclusiva, não poderia estar em desacordo com a Inteligência Artificial. Talvez eu usasse a palavra afeto junto de carisma, ao tratar do papel do professor na educação. Mas, é claro, isso não rimaria no cordel escrito pelo GPT.

De qualquer modo, a mensagem é relevante e acertada, inclusive quando nos alerta para que a ferramenta não é para substituir o professor. Não é para que o professor deixe de ensinar e coloque a máquina para fazer o trabalho dele.

Isso até me faz lembrar os tantos relatos de estudantes que, estagiando em escolas públicas e privadas, observam professores deixar os alunos com deficiência sob o ensino de “cuidadores”, enquanto eles, professores se eximem da obrigação, moral, ética e de ofício que é ensinar a todos em suas salas de aulas, portanto ensinar aos alunos com deficiência também.

Ora, estou me distanciando do foco deste blog e é tempo de voltar ao tema.

O que quero mostrar agora é que meu desafio ao ChatGPT fica ainda mais complexo, como veremos abaixo.

User
Agora, vamos voltar ao passado da literatura em língua portuguesa e falarmos de cantiga de amigo.

Construa um texto nesse estilo, em que os personagens são partes internas e/ou externas de um computador. Quero um texto com tema digital, de AI, mas que esteja no estilo daquela literatura.

ChatGPT
Claro, vou criar um texto inspirado na cantiga de amigo, um gênero lírico da poesia trovadoresca galego-portuguesa, mas com personagens e temas relacionados à tecnologia e inteligência artificial.

Ai! Meu processador, tão veloz,
Que trabalha sem parar, dia após dia,
Dos códigos e dados não tem dó,
Ai! Meu processador, o que seria?
Minha placa-mãe, fiel guardiã,
Conecta tudo com maestria,
Sustenta, alimenta e traz a paz,
Ai! Minha placa-mãe, harmonia.
E a memória RAM, a mais veloz,
Que guarda as informações que eu lia,
Tão volátil, se apaga com o sol,
Ai! Memória RAM, minha alegria.
Minha querida memória de longe,
O SSD, onde tudo se aninha,
Arquivos, programas e saberes,
Ai! Meu SSD, minha rainha.
E o software, com sua leveza,
Que traz ordem e melodia,
Na linguagem dos bits e bytes,
Ai! Meu software, minha poesia.
Da inteligência artificial nasceu,
Uma amiga que me guia,
Sabeis que tudo entende e aprende,
Ai! Minha IA, minha luz e alegria.

Espero que este texto consiga capturar o estilo da cantiga de amigo, trazendo elementos da tecnologia e inteligência artificial para um contexto lírico e poético. A literatura é uma forma incrível de conectar diferentes eras e temas, criando novas perspectivas e possibilidades.

Apenas o desconhecimento e o preconceito contra a tecnologia podem continuar sustentando que o texto aqui produzido pelo ChatGPT não é mais do que um plágio, fruto de uma máquina de fazer plágios, a qual vem minar a educação, conforme afirmou o senhor Chomsky.

Com efeito, não só o texto demonstra ter sido composto sob a inspiração na literatura solicitada, como também, traz importante conteúdo informativo sobre o que fazem os componentes mencionados na cantiga , no contexto da computação.

Não obstante, ainda não me dou por convencido. Se de um lado, o ChatGPT provou não ser uma máquina de plágios, mas uma máquina capaz de criar conteúdo literário próprio, de outro, ela ainda não me provou ser inteligente, em conformidade com a definição que apresentei acima.

Assim, minha tarefa ao GPT aumentou ainda mais de complexidade.

User
Ok. Faça uma análise literária desse texto, como se ele fora uma cantiga de amigo, apontando quem são os personagens e o que eles significam na cantiga.

ChatGPT
A cantiga de amigo é um gênero lírico da poesia trovadoresca galego-portuguesa, onde o eu-lírico é uma mulher que canta para a sua “amiga” (uma confidente) sobre seu amor ausente, seu “amigo”.

Nesta versão atualizada, o eu-lírico parece ser uma personificação da inteligência artificial, e os “amigos” são componentes de um sistema de computador. Cada estrofe é dedicada a um “amigo” diferente, cada um desempenhando um papel específico na “vida” do eu-lírico.

O “processador” é retratado como um trabalhador incansável, sugerindo a ideia de um processamento contínuo de informações e dados. A “placa-mãe” é apresentada como a guardiã e o núcleo central do sistema, mantendo todos os componentes conectados e funcionando em harmonia.

A “memória RAM” é descrita como rápida e volátil, uma referência à sua função de armazenar dados temporários e ser apagada após o desligamento do sistema. O “SSD” é retratado como a memória de longo prazo, onde informações e programas são armazenados de forma mais permanente.

O “software” é representado como o organizador, trazendo ordem para o sistema e permitindo que ele funcione corretamente. Finalmente, a “inteligência artificial” é apresentada como uma amiga e guia, capaz de entender e aprender.

A recorrência do interjeição “Ai!” é uma característica marcante da cantiga de amigo, aqui usada para expressar um sentimento de admiração e carinho por cada “amigo”.
Os componentes do computador e o software são personificados, e a relação entre eles e o eu-lírico evoca a dinâmica das cantigas de amigo, onde o eu-lírico expressa seus sentimentos e desejos na ausência do “amigo”.

O texto faz um bom trabalho ao unir o antigo gênero da cantiga de amigo com temas modernos de tecnologia e inteligência artificial, criando uma nova interpretação do gênero que é relevante para o mundo digital atual.

Requerer de um software que faça uma interpretação literária parece ser um desafio e tanto de capacidade intelectual. Se essa interpretação for bem-feita, adequadamente produzida, isso bastaria para dizer que, então, esse sistema é efetivamente inteligente? Parece que a resposta deva ser na afirmativa.

Entretanto, analisando a interpretação feita pelo GPT, quer parecer-me que houve sim uma bem encadeada construção de uma metalinguagem que explica a função dos componentes de um computador, aliada a uma explanação do que vem a ser a cantiga de amigo.

Todavia, isso me pareceu insuficiente para dizer que foi inteligência, de fato. Será que o que o GPT fez é suficiente para dizer que a análise oferecida ao texto exprime mesmo uma capacidade de inteligência pela AI?

É fato que o desafio foi respondido bastante satisfatoriamente, mas talvez eu ainda esteja com resistência para considerar que um software pode emular a inteligência humana. Se eu aceitar isso, estarei a caminho de aceitar que estamos criando uma nova vida intelectual, que estaremos criando um “cérebro”. Será?!

Talvez eu esteja percebendo que há alguma coisa mais na inteligência humana. Mas, se for isso, o que seria esse algo mais?

O que você acha? Qual sua interpretação do texto produzido pelo ChatGPT? Ela coincide com a da Inteligência Artificial?

De minha parte, ainda não vou afirmar pela inteligência do ChatGPT, mas tenho comigo que esse software terá grandes avanços em futuras versões e eu vou manter minha mente aberta para recebê-los.


Obrigado por ter lido esta postagem. Se desejar, deixe seu comentário abaixo. Terei muito gosto de lê-lo.

Publicações relacionadas

ChatGPT esclarece a grafia de “audio description” em português

Olá, Francisco Lima aqui no teclado!


Tenho visto diferentes críticas em relação ao ChatGPT, desenvolvido pela OpenAI. Algumas justas, a maioria sem nenhuma sã justificativa.

Outro dia, certo cientista brasileiro, ao comentar sobre o ChatGPT, argumentou que se o “Bot” fosse assim tão inteligente ele teria previsto a quebra dos bancos no Vale do Cilício. O interessante é que nem o tal cientista previu.

O ChatGPT é uma inteligência artificial, um software recém-lançado que como qualquer outro software recém-lançado tem limites, bugs a serem resolvidos e especificação para aquilo que foi desenvolvido para fazer.

De qualquer modo, previsão do futuro não está no treinamento desse software de linguagem pré-treinado.

Por volta de 2007, 2008, quando a “áudio-descrição” no Brasil caminhava de chupeta na boca, e os “audiodescritores brasileiros, de fraudas, às vezes cheias, deu-se conta que hora se grafava “áudio descrição”, hora áudio-descrição”, audiodescrição” e até a forma “áudiodescrição”, aqui já uma aberração gráfica da língua.

Percebeu-se mais, alguns autores escreviam de mais de um jeito, hora com hífen aqui, hora sem hífen ali.

Acontece que por essa época estávamos em via de termos de adotar o Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa e uma discussão recorrente era que esse Acordo abolira o uso de hífen, o que não passava de falta de informação dos que assim diziam.

Nesse contexto, não poderiam os áudio-descritores e os audiodescritores ficarem sem suas contendas particulares.

Nossos estudos nos levaram a entender que áudio-descrição assim se grafava pelo que determinava a Base XV do referido acordo. Outros, sem nunca apresentarem algum estudo sério a respeito, seguiram a facilidade da escrita sem o traço de união, ainda que sabendo que essa grafia deturpava o sentido do léxico.

Mais tarde, enviou-se aos lexicógrafos o novo termo, este grafado “audiodescrição”, sem, contudo, explicar da etimologia da palavra ou o que ela significava realmente. E, por conseguinte, o dicionário registrou o novo léxico sem o traço de união, ignorando que se tratava de uma especialização dos substantivos áudio e descrição, os quais juntos significavam uma forma de tradução visual.

Na conversa abaixo, pergunto ao ChatGPT como se deve grafar o termo “audio description” em Língua Portuguesa. Percebam que inicialmente o GPT explica a grafia considerando a Base XVI do Acordo, a qual eu nem havia mencionado. E como muitos, que apressadamente respondem a essa pergunta fazem, errou.

Mas, vejamos como a conversa se deu e a conclusão do ChatGPT sobre a grafia de tradução visual (audio description), quando feita de sua tradução do idioma inglês para o português.


Model: GPT-4

User

Você responde em função do que foi treinado, certo? Você conhece o Novo Acordo da Língua Portuguesa? O que você pode me dizer da base 15 desse acordo? Explique o uso de hífen consoante essa base 15?

ChatGPT

Sim, eu respondo com base no que fui treinado, e meu conhecimento inclui o Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, que entrou em vigor em 2009.

A Base XV (15) do Acordo trata especificamente do uso do hífen.

De acordo com a Base XV, o hífen deve ser utilizado nas seguintes situações:

1. Nas formações por prefixação, recomposição e sufixação, quando a segunda palavra começa por h (ex.: anti-histamínico, geo-história, sobre-humano).

2. Nas palavras compostas cujos elementos ainda constituam uma unidade sintagmática e semântica e mantêm acento próprio, podendo dar-se o caso de o primeiro elemento estar reduzido (ex.: arco-íris, decreto-lei, médico-cirurgião).

3. Nas palavras compostas cujos elementos, de natureza nominal, adjetival, numeral ou verbal, constituem uma unidade sintagmática e semântica e que contêm ou não formas de ligação (ex.: guarda-chuva, fim-de-semana, afro-luso-brasileiro, primeiro-ministro).

4. Nas palavras compostas cujo primeiro elemento termina pela mesma vogal com que se inicia o segundo e que não contêm formas de ligação (ex.: anti-inflamatório, auto-observação).

O hífen deixa de ser utilizado em alguns casos, como:

1. Nas formações em que o prefixo ou pseudoprefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por r ou s, devendo estas consoantes serem duplicadas (ex.: antirreligioso, ultrassonografia).

2. Nas formações em que o prefixo ou pseudoprefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por vogal diferente (ex.: extraescolar, autoestrada).

Lembrando que essas regras têm exceções e casos específicos. Vale a pena consultar o Acordo Ortográfico completo para obter mais informações sobre o uso do hífen e outras mudanças na ortografia da língua portuguesa.

Tendo o ChatGPT feito certa confusão entre a Base XV e XVI do Acordo Ortográfico, busquei melhorar o “prompt” de pergunta.

User

Quando uma ou mais palavras se unem e constroem um novo significado o Acordo manda colocar hífen, certo? O termo em inglês “audio description” tem o sentido de tradução visual, uma especialização da tradução do termo em inglês. Logo, duas palavras com igual pronúncia e igual escrita se unem para significar tradução visual, uma forma de descrição para uso das pessoas com deficiência visual. Considerando a base 15 do Acordo ortográfico, como se escreve “audio description” em português? 

ChatGPT

A expressão “audio description” em inglês pode ser traduzida para o português como “audiodescrição”. Neste caso, as duas palavras se unem sem o uso do hífen, já que o primeiro elemento termina em vogal e o segundo elemento começa com uma vogal diferente. A audiodescrição é uma técnica que visa tornar conteúdos audiovisuais acessíveis às pessoas com deficiência visual, por meio de uma descrição detalhada das imagens, ações, expressões faciais e demais elementos visuais presentes na obra.

Uma lição importante para aqueles que estão iniciando no uso dessa ferramenta de linguagem é que ela não é infalível, que ela comete erros, como ademais, os humanos cometem. Afinal, por que não cometeria? No final das contas, ela foi feita à imagem e semelhança de nós, os seres humanos. E, como mencionado, o GPT é uma versão inicial desse promissor software de inteligência artificial.

Dito isso, ressalte que o ChatGPT era ao dizer: “A expressão “audio description” em inglês pode ser traduzida para o português como “audiodescrição”. Neste caso, as duas palavras se unem sem o uso do hífen, já que o primeiro elemento termina em vogal e o segundo elemento começa com uma vogal diferente.”  

Como sabemos, áudio-descrição compõe-se do termo áudio, que termina com uma vogal, e começa com o termo descrição, cuja primeira letra é uma consoante, não uma vogal, como disse o GPT.

Parece que também aqui, o ChatGPT se prende à Base XVI do Acordo Ortográfico, como muitos outros que grafam o verbete sem hífen.

Todavia, estávamos conversando com uma inteligência artificial e valia a pena explorar mais a capacidade de aprender do software, o que é bem mais do que se pode esperar de certos humanos.

User

Mas, a base 15 diz que dois termos que mantêm a mesma grafia e mesma pronúncia e constituem um novo sentido quando juntas, aí devem ser grafadas com hífen, certo? Este é um caso deles, já que o substantivo áudio e o substantivo descrição se unem para criar um novo sentido, o de tradução visual. Não é assim? explique usando a base 15 do acordo?

ChatGPT

Peço desculpas pela resposta anterior. Analisando a questão novamente e considerando as regras da Base XV do Acordo Ortográfico, você está correto em apontar que o hífen deveria ser utilizado neste caso.

A formação “áudio-descrição” se encaixa na regra da Base XV que diz respeito a palavras compostas cujos elementos, de natureza nominal, adjetival, numeral ou verbal, constituem uma unidade sintagmática e semântica, pois ambos os termos mantêm a pronúncia e a escrita originais e, ao se unirem, formam um novo sentido.

Portanto, a forma correta de escrever o termo “audio description” em português, de acordo com o Novo Acordo Ortográfico, é “áudio-descrição”.

Não é que o software parece ter mesmo uma inteligência, ainda que artificial? Talvez ainda seja prematuro afirmar isso. Em postagens futuras vou explorar mais esse tema.

Por agora, parece que o GPT foi capaz de aprender, o que é bem mais do que se pode dizer de muitos humanos.

Porém, seria o GPT capaz de ensinar o que aprendeu?

User

E como explicar para quem escreve “audiodescrição” que esse termo não se encaixa na base 16, mas na base 15, sendo correta a grafia áudio-descrição?

ChatGPT

Para explicar a alguém que a grafia correta é “áudio-descrição” em vez de “audiodescrição”, você pode começar apresentando a Base XV do Acordo Ortográfico, que trata especificamente do uso do hífen. Em seguida, destaque a seguinte regra:

Nas palavras compostas cujos elementos, de natureza nominal, adjetival, numeral ou verbal, constituem uma unidade sintagmática e semântica e que contêm ou não formas de ligação (ex.: guarda-chuva, fim-de-semana, afro-luso-brasileiro, primeiro-ministro).

No caso de “áudio-descrição”, os elementos “áudio” e “descrição” são nominais e, quando unidos, formam um novo sentido: a tradução visual para pessoas com deficiência visual. Além disso, ambos os termos mantêm sua pronúncia e escrita originais, o que indica a necessidade do hífen.

Por outro lado, a Base XVI não se aplica nesse caso, pois ela trata de acentuação gráfica e não do uso do hífen. Portanto, o termo “áudio-descrição” se enquadra na Base XV e deve ser grafado com hífen.

Outra lição para os que pretendem usar este software em seus estudos e pesquisa: às vezes, o GPT inclui informações inexatas, junto de informações corretas.

Então, para você que pensou que era só pedir ao GPT para fazer o seu trabalho em seu lugar, cuidado que além de você estar sendo intelectualmente desonesto, você está correndo o risco de apresentar uma grande besteira em seu trabalho.

No caso em comento, o GPT erra ao afirmar: “Por outro lado, a Base XVI não se aplica nesse caso, pois ela trata de acentuação gráfica e não do uso do hífen.”

Ora, o que fazer em caso desses, em que parte da resposta está correta e parte não?

Bem, o ChatGPT é um software de inteligência artificial, capaz de reconhecer um erro e buscar corrigi-lo, assim dizem seus desenvolvedores. Bem mais que fazem muitos humanos que, ainda que quando confrontados com o certo, preferem o erro, apenas para insistirem que estavam “certos?” ou para reiterarem que são humanos.

User

Tem certeza de que a base 16 não trata do uso de hífen?

ChatGPT

Peço desculpas pelo erro em minha resposta anterior. A Base XVI, de fato, também trata do uso do hífen em certos casos, especificamente em relação a formas verbais e a palavras derivadas por sufixação.

A Base XVI aborda o uso do hífen nos seguintes casos:

1. Nas formas verbais que têm um pronome átono como objeto direto, indireto ou reflexo (ex.: amar-te-ei, dar-se-á, entregou-nos).

2. Nas palavras derivadas por sufixação em que o sufixo começa por s ou r (ex.: anti-social, contra-regra).

Contudo, o termo “áudio-descrição” não se enquadra nas situações descritas na Base XVI, e sim na Base XV, que trata de palavras compostas cujos elementos constituem uma unidade sintagmática e semântica. Portanto, a grafia correta continua sendo “áudio-descrição”, de acordo com a Base XV do Acordo Ortográfico.

E agora, como grafar esse léxico? Será que podemos seguir o que nos explica o GPT em conformidade com a Base XV do Acordo Ortográfico ou seguir a grafia corriqueira que aparece por aí e até no dicionário?

Para os que se interessarem pela áudio-descrição e pela boa Língua Portuguesa, existem vários artigos sobre esse tema na internet.

Quanto a nós, só podemos agradecer ao ChatGPT pela conversa e principalmente a você por ler este post.

Antes, contudo, sugerimos fortemente que confirmem as grafias dos exemplos dados pelo

ChatGPT. É possível que tenham uma grande surpresa.

User

Obrigado por sua colaboração. Foi muito proveitosa nossa conversa.

ChatGPT

De nada! Fico feliz em poder ajudar e esclarecer suas dúvidas. Se tiver mais perguntas ou precisar de informações adicionais, sinta-se à vontade para perguntar. Estou aqui para ajudar!


 Obrigado por ter lido esta postagem. Se desejar, deixe seu comentário abaixo. Terei muito gosto de lê-lo.

Publicações relacionadas

Breve revisão no campo de pesquisa sobre a capacidade de a pessoa com deficiência visual reconhecer desenhos hapticamente

Hoje trago artigo que publiquei alhures e que é grandemente relevante para aqueles interessados no reconhecimento háptico de objetos e configurações planas. Também consiste em importante fonte para professores e psicólogos interessados na educação e potencial da pessoa cega.

Se você gosta deste tipo de conteúdo, comente abaixo que trarei mais.

Boa leitura.


Resumo

O presente artigo faz uma breve revisão da literatura em que se aborda a capacidade de a pessoa cega congênita total reconhecer padrões bidimensionais tangíveis, comparativamente com as pessoas cegas adventícias e pessoas videntes, em situação de experimento, vendadas. Lembra as barreiras atitudinais que têm impedido ou limitado as interpretações dos dados em pesquisa científica a respeito da capacidade de a pessoa cega fazer uso de desenhos em relevo, e apresenta os 3 principais entendimentos sobre a capacidade de as pessoas com deficiência visual reconhecer mapas táteis e outras configurações planas, concluindo pela necessidade de que às pessoas com deficiência visual se deve favorecer o uso de padrões bidimensionais hápticos.

Palavras-chave: configurações hápticas; desenhos em relevo; mapas táteis; pessoas com deficiência visual; cegos adventícios; barreiras atitudinais.

Abstract

The present article makes a concise review on the area concerning the capability of blind individuals at recognizing two-dimensional configurations. Three attitudinal barriers that shun or limit using haptic configuration with persons with visual disability are discussed and the main 3 viewpoints about the capability of blind people at making sense of tactile maps are presented. It concludes by making the assertion that haptic drawings should be taught to blind children the earliest.

Keywords: haptic configurations; raised-line drawing; tactile maps; people with visual disability; adventitiously blind; attitudinal barriers.

1- Introdução

Muitas são as situações em que a pessoa com deficiência visual é colocada ou vista como sendo incapaz, apenas por ter alguma deficiência; compreendida como sendo inferior no desempenho de atividades, ou sua produção depreciada, meramente por razão de deficiência, isto é, simplesmente por a produção ser oriunda de uma pessoa com deficiência visual.

Esse modo de ver a pessoa com deficiência é definido como barreira atitudinal, sendo cada um dos 3 casos acima mencionados distinguidos taxonomicamente como:

Barreira Atitudinal de Baixa Expectativa

A barreira atitudinal de baixa expectativa é o juízo antecipado e sem fundamento (conhecimento ou experiência) de que a pessoa com deficiência é incapaz de fazer algo, de atingir uma meta;

Barreira Atitudinal de Inferiorização

A barreira atitudinal de inferiorização é uma atitude constituída por meio da comparação pejorativa que se faz do resultado das ações das pessoas com deficiência em relação a outros indivíduos sem deficiência, sob a justificativa de que o que foi alcançado pelos primeiros é inferior, exclusivamente em razão da deficiência;

Barreira Atitudinal de Menos Valia

A barreira atitudinal de menos valia consiste na avaliação depreciativa das potencialidades, ações e produções das pessoas com deficiência. Esta avaliação é incitada pela crença de que a pessoa com deficiência é incapaz ou que o que conseguiu alcançar, o que produziu tem menos valor do que efetivamente lhe é devido.

Em artigo sobre a preeminência da visão, Lima (2000) mostra como essas barreiras atitudinais estão presentes, tanto no senso comum, quanto nas pesquisas científicas, que concluem (antes nos estereótipos que nos dados efetivamente disponíveis), pela incapacidade de a pessoa cega ou com baixa visão vir reconhecer ou produzir desenhos hápticos.

As barreiras atitudinais consistem em comportamentos, nem sempre intencionais, mas que acabam por limitar ou impedir o desenvolvimento de pessoas com deficiência, hora por a subestimar, hora por a superestimar.

Assim é que há campos em que a pessoa com deficiência não é vista como pertencente. E isso ocorre em muitas áreas do conhecimento, da produção científica e/ou tecnológica, em que a pessoa com deficiência é vista como intrusa, um estorvo, inapropriada etc.

Tomemos como exemplo uma pessoa com deficiência visual que queira fazer uma faculdade de enfermagem. Ora, não é esperado que uma pessoa cega venha ser médica ou enfermeira. Então, se um indivíduo com deficiência visual desejar fazer um curso de enfermagem, ele certamente encontrará resistência em ser aceito pelo diretor da faculdade, de ser aceito por seus professores e, provavelmente pelos seus próprios colegas, que irão achar que um curso de enfermagem não é lugar para uma pessoa cega.

No presente artigo, veremos uma breve revisão da literatura de uma área, na qual pessoas com deficiência visual são, em geral, tidas como incapazes de nela estar, dela fazer parte, dela se beneficiar dos ganhos educacionais, de cultura ou lazer. E essa área terá desdobramentos importantes na educação das pessoas com deficiência, visto que possibilitará a inserção da pessoa com deficiência em campos como os da arquitetura e das engenharias; da matemática e da estatística; da química, biologia e física; das artes plásticas e da geografia e tantas outras mais que fizerem uso de mapas, desenhos, pinturas e quaisquer outras imagens, em geral.

Referimo-nos, obviamente, à área da produção e reconhecimento de figuras planas pela pessoa com deficiência visual, mormente às pessoas cegas, em particular as pessoas cegas congênitas totais.

Nesta área, quando se tratar de pesquisas científicas, a pessoa cega, se for vista sob a égide das barreiras atitudinais, será tida como sendo incapaz de desenhar ou de compreender desenhos hapticamente, esteado em resultados de baixo desempenho dessas pessoas em tarefas com tais configurações. Contudo, se examinada sob a ótica da inclusão, se encontrarão alternativas para explicar e justificar os baixos resultados dos sujeitos com deficiência visual, observadores que se submetem a ser sujeitos de pesquisa no tema.

2- A Pessoa com Deficiência Visual na Pesquisa com Padrões Bidimensionais Hápticos

A ausência de uso de padrões bidimensionais para pessoa com deficiência é exemplo de que temos muito que caminhar, antes de podermos falar de um país acessível comunicacional, programático e sem barreiras atitudinais. Nos espaços públicos e de uso público faltam mapas táteis; nos museus e galerias de arte estão ausentes os desenhos e outras representações gráficas bidimensionais tangíveis; os livros didáticos carecem de figuras em relevo e assim por diante, num total descuido pela educação viso gráfica das pessoas com deficiência visual e numa clara denúncia de barreiras atitudinais, resumidas na crença infundada de que aquelas pessoas são incapazes de apreciar tais recursos.

No que concerne ao reconhecimento de desenhos em relevo, antes de mais nada, devemos dizer que, se dada a condição adequada, o aluno com deficiência terá tanto sucesso quanto os demais. Os limites impostos pela visão podem ser superados tecnológica e procedimentalmente, por exemplo, oferecendo às pessoas orientações sobre como produzir desenhos, sobre quais são as regras e convenções que regem a produção das diferentes formas de imagens, como no caso da fotografia, por exemplo, e sobre a existência e o uso de equipamentos para a construção dos desenhos e demais configurações planas.

Se tais informações forem oferecidas, dando aos indivíduos a oportunidade de trabalharem com as imagens autônoma e independentemente, sem que a deficiência visual seja vista como incapacitante (e reconhecendo que impõe limites a serem superados), isso certamente reduzirá a percepção equivocada de que a pessoa com deficiência visual não é capaz de se beneficiar do uso e/ou contato com figuras planas.

Então, a habilidade de a pessoa com deficiência reconhecer desenhos e outras configurações gráficas não está exclusivamente dependente do tato e dos recursos tecnológicos: o reconhecimento de configurações bidimensionais estará, também, relacionado com mudanças atitudinais básicas, de investimento de pequeno porte e de boa vontade.

Exemplo de que certos procedimentos simples e de baixo custo podem contribuir na melhoria do desempenho das pessoas com deficiência visual nessa área é a verbalização do material gráfico/visual por intermédio de técnicas tradutórias de áudio-descrição, ou apenas de oferta de alguma informação geral, por meio da fala, como a oferta de categorias superordenadas, que orientem o reconhecimento háptico.

Corroborando essa assertiva, em seu estudo de 1996, Heller descreve que a informação de categoria ajudou na acurácia e velocidade do reconhecimento de figuras, tanto quando fora oferecida no início da tarefa, como quando oferecida depois de os sujeitos terem tateado cada figura, porém antes de tentarem algum reconhecimento.

Também no estudo de Lima e Da Silva (2000) a oferta de categoria superordenada elevou significativamente o reconhecimento dos desenhos pelo tato, tanto para os sujeitos cegos congênitos como para os cegos adventícios e videntes vendados.

Heller et alli, no artigo Produção e Interpretação de desenhos em perspectiva por pessoas cegas e videntes (1996), apresentam a animadora afirmação de que indivíduos cegos congênitos foram capazes de descobrir aspectos de perspectiva, sem “feedback”.

Esses resultados sugerem que os cegos congênitos são certamente capazes de compreender o ponto de vista de outra pessoa e podem representar eficientemente, com desenhos em alto relevo, tais pontos de vista. (HELLER et alii, 1996).

Nesse artigo fica ainda mais clara a ajuda que o desenho bidimensional pode dar às pessoas com deficiência visual quanto ao conhecimento do mundo sob uma égide antes pouco explorada.

A descoberta de que os indivíduos cegos congênitos progrediram sem “feedback” é interessante e sugestiva. É provável que experiências com desenhos, mesmo na ausência de comentários externos ou instrução, levasse a maior progresso na interpretação de desenhos em perspectiva feitos por indivíduos cegos. Talvez maiores progressos pudessem ser propiciados por uma instrução criteriosa e feedback, mormente se a instrução e o feedback forem planejados, levando em consideração a habilidade que os sujeitos cegos já têm.

De fato, relata o autor:

Alguns desses indivíduos ficaram abismados quando, pela primeira vez, examinaram o conjunto de figuras do experimento, e chamaram a atenção para que essa era a primeira vez que tinham uma compreensão de como os objetos pareciam para as pessoas videntes.

Sobre a produção de desenho em alto relevo por pessoas com deficiência visual, o autor complementa:

Embora, inicialmente, os indivíduos cegos congênitos não produzissem desenhos que revelassem uma compreensão de perspectiva geométrica, eles foram capazes de se beneficiarem da pequena experiência derivada da tarefa de desenhar no primeiro experimento. Estes resultados têm importância prática considerável e são relevantes para o desenvolvimento de equipamentos sensoriais de serventia para cegos. Configurações gráficas tangíveis podem requerer explicações, ou dicas orais, se tais configurações representarem perspectiva ou escorço.[1] Isso provavelmente vale para todos os cegos (ver Heller, Kennedy & Joyner, 1995). Embora os cegos congênitos fossem capazes de descobrir o significado da perspectiva, sem feedback, eles não demostraram uma compreensão ingênita imediata do conceito, antes da exposição ao conjunto de estímulos do experimento.

Sugere-se que os que desenvolvem ou avaliam equipamentos para indivíduos cegos congênitos não devam pressupor a incapacidade de esses indivíduos aprender a compreender as configurações gráficas de perspectiva.

Pesquisas futuras devem ser direcionadas para a investigação e interpretação de como os cegos vêem escorços de 3/4, por causa das implicações evidentes para o desenvolvimento de equipamentos de serventia para cegos e de gráficos tangíveis. Tais considerações são importantes para o desenvolvimento de equipamentos de serventia para cegos, uma vez que alguns deles pressupõem o conhecimento dos princípios que governam a representação de espaços tridimensionais numa superfície plana. Parece haver pouca dúvida de que as implicações de visões unidimensionais de objetos de três dimensões podem ser prontamente entendidas por muitos sujeitos, independente de enxergarem ou não.

Heller et alii, 1995, p. 1058

Assim, afirma o autor em seu estudo de 1989a:

Mais importante, algumas figuras tangíveis foram fáceis para a maioria dos observadores cegos adventícios. Isso indica que pelo menos parte da dificuldade que as pessoas videntes têm com as figuras pode ser atribuída a uma falta de familiaridade com padrões táteis em geral, e uma falta específica de familiaridade com figuras tangíveis.

Diante do desempenho superior dos cegos adventícios em nomear figuras, parece sensato ser otimista quanto à utilidade do uso de desenhos para os cegos. Kennedy (1982) e Millar (1975, 1976) também defenderam a ideia de que as pessoas cegas devem ser incentivadas a desenhar.”

Heller, 1989a

Com efeito, Kennedy et alii mostraram que os indivíduos cegos podem compreender figuras em alto-relevo e que esses indivíduos mostraram uma compreensão básica de espaço em seus desenhos (KENNEDY, 1993; KENNEDY & DOMANDER, 1984; KENNEDY & FOX, 1977; KENNEDY & GABIAS, 1985; HELLER, 1989a e b).

Heller (1991), por sua vez, demonstra-nos que mesmo os cegos congênitos são capazes de fazer e reconhecer figuras bidimensionais, afirmando em seu estudo que, se for dado tempo suficiente para o indivíduo cego observar hapticamente dada configuração bidimensional, esse indivíduo será certamente capaz de produzir representações de perspectiva através do desenho, e capaz de interpretar perspectivas em desenhos. O autor também afirma que “pessoas cegas congênitas provaram ser capazes de entender configurações espaciais complexas e que parecem capazes de desenhar transformações imaginadas de perspectivas” (Heller, 1991).

Millar (1991), a seu turno, apresentou um estudo com crianças cegas congênitas, que desenhavam pela primeira vez. A autora salientou que as crianças cegas podem compreender subitamente como usar seu conhecimento gráfico preexistente, quando lhes são dadas as informações pertinentes, sugerindo o uso de desenho em alto relevo para essas crianças.

Para Hatwell (1985), os sujeitos cegos têm dificuldade com geometria devido à falta de materiais que lhes habilitem o desenho de figuras bidimensionais e não devido a problemas com sua cognição.

Consoante Kerr (1983), os cegos processam imagens espaciais da mesma forma que os videntes o fazem, porém mais devagar, sugerindo que o processo de imagens não é especificamente visual em essência.

Heller (1989a, 1989b, 1991); Heller e Joyner (1993); Heller e Kennedy (1990); Heller, Kennedy e Joyner (1995); Kennedy (1993); Millar (1975, 1991) também apontaram o benefício que o treinamento com padrões bidimensionais pode trazer às pessoas com deficiência visual, uma vez que esses padrões podem comunicar informações espaciais úteis a esses sujeitos.

Heller (1989a e b) descobriu que os sujeitos cegos e videntes eram capazes de identificar desenhos em relevo de objetos comuns, com dificuldades variando como função da figura e de sua característica. Essas dificuldades foram minoradas, isto é, o reconhecimento aumentou quando aos sujeitos foi oferecido um conjunto de rótulos que descreviam as figuras observadas. Interessantemente, neste trabalho, foi a descoberta de que os indivíduos cegos adventícios tinham uma ampla vantagem sobre os sujeitos cegos congênitos e os observadores videntes vendados quanto ao reconhecimento das figuras. Tais vantagens, de acordo com o autor, dão-se tanto pela experiência que os cegos adventícios têm com figuras bidimensionais, comparativamente com os cegos congênitos, bem como por terem aqueles sujeitos habilidades táteis maiores que os sujeitos videntes.

Lederman e colaboradores (1990), ao contrário, relataram baixo desempenho no reconhecimento de figuras tangíveis por cegos e videntes vendados, com ainda menor reconhecimento das configurações por cegos congênitos. Os dados desse trabalho levaram esses autores a propor que o sistema háptico pode exigir a assistência de mediação de imagem visual para o reconhecimento de figuras bidimensionais.

Heller, Calcaterra, Burson e Tyler (1996) apresentaram dados que parecem corroborar as teorias que presumem que o tato pode precisar de uma mediação da imagem visual, i. e., que a imagem visual ajuda a percepção tátil na nomeação de desenho em alto relevo, uma vez que os cegos congênitos de seu quarto experimento obtiveram desempenho “mais baixo que os cegos adventícios e que o grupo de videntes controle, mesmo quando a informação de categoria foi dada na situação de antes do exame dos estímulos”.

Tais dados, diferentemente de estudos anteriores (Heller, 1989a), ao apresentar cegos congênitos desempenhando bem pior que os videntes, não são contraditórios àquele estudo, uma vez que os estímulos foram diversos e que alguns indivíduos CC (cegos congênitos) foram melhores que os participantes VV (videntes vendados), de onde é proposto que parte da dificuldade no reconhecimento de figuras em alto relevo pode provir de problemas na localização de categorias ou dos nomes das figuras e não da mera percepção dos padrões.

Lima (1998) faz assertiva de que o menor reconhecimento háptico das figuras bidimensionais (encontrado no seu experimento 3), comparativamente com o que poderia ser esperado para um reconhecimento visual, reside no fato de os cegos congênitos totais não estarem acostumados com as convenções  da linguagem pictórica, e não porque o sistema háptico seja incapaz de reconhecer desenhos em relevo, nem porque seja necessária uma mediação da visão, para esse reconhecimento. Com efeito, Lima e Da Silva (2000) demonstram que cegos congênitos, cegos adventícios e videntes vendados tiveram desempenho semelhante no reconhecimento háptico de desenhos, não tendo havido diferença estatística significativa entre os grupos.

Por sua vez, Lederman e Klatzky (1987), creditam o baixo reconhecimento de padrões bidimensionais, pelo tato, tanto ao fato de os cegos congênitos jamais terem tido experiência visual, como ao fato de os desenhos serem réplicas em relevo de seus originais em tinta, os quais, segundo as autoras, são representações “empobrecidas” do tridimensional e carecem de informações inerentes aos objetos 3-D.

Klatzky e Lederman (1993); Lederman, Klatzky, Chataway e Summers (1990); Loomis, Klatzky e Lederman (1991) afirmam que o sistema háptico está melhor adequado à percepção de objetos tridimensionais, porém esse sistema demonstra baixo desempenho ao se deparar com figuras bidimensionais, uma vez que os desenhos seriam representações “insuficientes” de configurações tridimensionais, visto que lhes faltam características importantes, inerentes aos padrões tridimensionais. Essa insuficiência dos desenhos em representar configurações tridimensionais, diminuiria o reconhecimento daqueles.

Bailes e Lambert (1986) investigaram os efeitos da experiência visual inicial no processo de informação háptica, semelhante às que são encontradas num contorno de um mapa bidimensional. Eles alegaram  que há indícios de que o tato seja menos eficaz do que a visão no processo de informações espaciais, citando, como exemplo, os testes de reconhecimento de padrões, onde os videntes se saem melhor do que os indivíduos cegos.

Os resultados obtidos neste experimento não sustentam a hipótese de que o reconhecimento dos observadores cegos congênitos é mais suscetível às demandas da memória do que o dos observadores cegos adventícios, uma vez que estes dois grupos não diferiram significativamente entre si, no reconhecimento, nas estratégias usadas (p. 456). Os videntes, porém, foram mais rápidos e exatos do que os sujeitos cegos congênitos e os sujeitos cegos adventícios.

Todos os grupos cometeram poucos erros com os estímulos apresentados com maior duração.  Diferentes estratégias foram relacionadas pelos observadores cegos e videntes, sendo elas, de imagens e verbais, respectivamente.

Já no estudo de Cornoldi et alii (1991) é sugerido que  a ausência de diferença entre videntes e sujeitos cegos, com muitos padrões complexos, pode ser devida ao fato de que pessoas cegas não usam imagem visual num caminho específico e exclusivo. Nesse estudo, foi constatado pelos autores que há diferença individual na capacidade da memória.

Segundo Kitchin et alii (1997), atualmente as conclusões dos pesquisadores sobre a capacidade das pessoas com deficiência visual ou cegas em compreender relações geográficas tais como distância, configuração e hierarquia, podem ser divididas em três posições. O primeiro desses grupos sugere que a visão é o sentido espacial por excelência. Para esse grupo os indivíduos cegos congênitos são incapazes de raciocínio espacial porque jamais experienciaram os processos perceptuais (por exemplo, visão) necessários para compreender arranjos espaciais.

Sob a égide do segundo grupo, as pessoas com deficiência visual podem compreender e manipular mentalmente conceitos espaciais, mas porque a informação é baseada em pistas hápticas e auditivas, esse conhecimento e compreensão são inferiores àqueles baseados na visão.

Já sob a égide do terceiro grupo, os indivíduos com deficiência visual possuem as mesmas habilidades para processar e entender conceitos espaciais e que quaisquer diferenças, sejam em termos quantitativos ou qualitativos, podem ser explicadas por variáveis intervenientes tais como acesso a informação, experiência ou fadiga.

Acordes com esta última visão, muitas pesquisas têm enfatizado a necessidade de se introduzir o ensino de mapas táteis às crianças cegas o mais cedo possível e demonstrado que o uso desses mapas  pode ser um meio útil de fornecer às pessoas com deficiência visual informações espaciais complexas, as quais não lhes estão prontamente disponíveis através da experiência direta ao percorrer um caminho (Ungar, Blades e Spencer, 1993; 1995; 1996a, 1996b). Isso porque os indivíduos cegos e com baixa visão teriam dificuldade em construir uma representação precisa e flexível de seu ambiente, tão somente a partir de uma experiência direta de mobilidade por esse ambiente (Rosa e Ochaíta, 1993).

Consoante Ungar et alii (1994), o conhecimento do caminho de determinado lugar  impõe limitações no nível de mobilidade a que uma pessoa pode alcançar, i. e., passagens alternativas ou atalhos não são deduzidos desse conhecimento.  Isso pode ser problemático, quando uma pessoa com deficiência visual muda-se para uma nova região ou precisa frequentar um grande logradouro público desconhecido

Todavia, muito pouco se tem estudado sobre como mapas táteis são utilizados por pessoas com deficiência visual. Menos ainda se tem considerado o modo pelo qual os cegos formam representações mentais do espaço, a partir de experiência direta e de mapas táteis, a despeito de os psicólogos, há muito, se  interessarem  em saber de que maneira as pessoas manipulam e formam representações mentais do ambiente espacial (UNGAR et alii, 1996).

Segundo Marston e Golledge (1997), a falta de visão dificulta prever pistas para perceber e corrigir padrões espaciais; acessar conhecimento espacial para localizar atalhos; bem como dificulta o acesso ao conhecimento espacial para integrar uma via conhecida em uma compreensão espacial ampla,  o que restringe muitas pessoas com deficiência visual a rotas já conhecidas. De acordo com os autores, ainda, para essas pessoas  o tempo domina o espaço sobre uma compreensão espacial, por exemplo como quando andam de ônibus.

Oka (1999), defende “o uso de mapas táteis como recurso gráfico enquanto recurso didático e para o uso cotidiano (principalmente na mobilidade)”. De acordo com a autora, poucas pessoas utilizam o mapa tátil. Isso se daria por conta de uma “escassez de material, de pesquisas na área (aqui no Brasil), de incentivo para a produção e de pessoal especializado”.

Segundo a autora, ainda, “muitas pessoas vêem o os indivíduos com deficiência visual como incapazes de ler mapas, esquemas e outros materiais gráficos”. Com tal visão, essas pessoas acreditam que a utilização desses recursos seria dispensável para os indivíduos cegos, dada a dificuldade que estes teriam em compreender o “emaranhado de linhas, pontos, nomes etc”.

Segundo Lima (2000b), visões como esta, mencionada por Oka, constituem exemplos de vieses socioculturais e científicos enraizados no conhecimento e postura de educadores, pesquisadores e dos próprios indivíduos com deficiência visual, e que precisam ser extirpadas em benefício desses mesmos sujeitos.

3- Conclusão

É mister que se provoque uma mudança no pensamento dos profissionais em relação à capacidade háptica dos indivíduos com deficiência visual em reconhecer figuras bidimensionais tangíveis, fazendo aqueles profissionais acreditarem na potencialidade dos sujeitos cegos, mormente das pessoas cegas congênitas, no reconhecimento de desenho, hoje creditada apenas aos indivíduos com visão normal ou daqueles que já experienciaram a imagem visual.

É inquestionável que as pessoas cegas congênitas totais têm capacidades táteis e intelectuais tão boas quanto os demais indivíduos cegos (os sujeitos cegos adventícios) e os indivíduos com visão normal. Muito embora o desempenho dos primeiros possa inicialmente ser mais lento, em nada deixa a desejar em relação aos cegos adventícios ou videntes (LIMA e DA SILVA, 2000), de tal sorte que também o uso ótimo de desenhos bidimensionais possa ser por eles alcançados e o desempenho no reconhecimento de figuras planas venha ser tão acurado quanto das demais pessoas.

Referências

BAILES, S. M., & LAMBERT, R. M. Cognitive aspects of haptic form recognition by blind and sighted subjects. British Journal of Psychology, 77: 451-458, 1986.

CORNOLDI, C., CORTESI, A., & PRETI, D. Individual differences in the capacity limitations of visuospatial short-term memory: Research on sighted and totally congenitally blind people. Memory & Cognition, 19, 459-468, 1991.

HATWELL, Y. Piagetian reasoning and the blind. New York, American Foundation for the Blind, 1985.

HELLER, M. A. Picture and pattern perception in the sighted and blind: The advantage of the late blind. Perception, 18: 379-389, 1989a.

________. Tactile memory in sighted and blind observers: The influence of orientation and rate of presentation. Perception, 18: 121-133, 1989b.

________. Haptic perception in blind people. In: The psychology of touch (pp. 239-261). M. A. Heller and W. Schiff (Eds.), Hillsdale, NJ, Lawrence Erlbaum Associates, 1991.

________. (ed.) Touch, Representation and Blindness. Oxford, New York, Oxford University Press, 2000.

HELLER, M. A., & JOYNER, T. D. Mechanisms in the tactile horizontal/vertical illusion: Evidence from sighted and blind subjects. Perception & Psychophysics, 53: 422-428, 1993.

HELLER, M. A., & KENNEDY, J. M. Perspective taking, pictures and the blind. Perception & Psychophysics, 48: 459-466, 1990.

HELLER, M. A., CALCATERRA, J. A., BURSON, L. L., & TYLER, L. A. Tactual picture identification by blind and sighted people: Effects of providing categorical information. Perception & Psychophysics, 58: 310-323, 1996.

HELLER, M. A., KENNEDY, J. M., & JOYNER, T. D. Production and interpretation of pictures of houses by blind people. Perception, 24: 1049-1058, 1995.

KATZ, D. The World of Touch. L. E. Krueger (Trans.), Hillsdale, N. J., Erlbaum, 1989.

KENNEDY, J. M. Drawing and the blind. New Haven, Yale University Press, 1993.

KENNEDY J. M., & FOX N. Pictures to see and pictures to touch. In D. Perkins & B Leondar (Eds), The Arts and Cognition Baltimore: J. Hopkins Press, 1977.

KENNEDY, J. M., & DOMANDER, R. Pictorial foreground/background reversal reduces tactual recognition by blind subjects. Journal of Visual Impairment and Blindness, 78: 215-216, 1984.

KENNEDY, J. M., & GABIAS, P. Metaphoric devices in drawings of motion mean the same to the blind and the sighted. Perception, 14: 189-195, 1985.

KERR, N. The role of vision in “visual imagery” experiments: Evidence from the congenitally blind. Journal of Experimental Psychology: General, 112: 265-277, 1983.

KITCHIN, R. M., BLADES, M. and GOLLEDGE, R. G. Understanding spatial concepts at the geographic scale without the use of vision Progress. In: Human Geography. 21(2), 225-242, 1997.

KLATZKY, R. L., & LEDERMAN, S. J, Toward a computational model of constraint-driven exploration and haptic object identification (Tech. Rep. RPL-TR-9104). Kingston, Ontario, Canada, Queen’s University. 1991

________. Toward a computational model of constraint-driven exploration and haptic object identification. Perception, 22: 597-621, 1993.

LEDERMAN, S. J., & KLATZKY, R. L. Hand movements: A window into haptic object recognition. Cognitive Psychology, 19: 342-368. 1987.

LEDERMAN, S. J., KLATZKY, R. L., CHATAWAY, C., & SUMMERS, C. D. Visual mediation and the haptic recognition of two-dimensional pictures of common objects. Perception & Psychophysics, 47, 54-64, 1990.

LIMA, F. J. Representação Mental de Estímulos Táteis. Ribeirão Preto, 1998. 166p. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.

________. Questão De Postura Ou De Taxonomia: uma Proposta. Revista do Instituto Benjamim Constant/MEC. nº15, ano 6 – abril de 2000, p-3-7. Rio de Janeiro, IBCENTRO, 2000a.

________. Recognizing pictures by touch is visual experience necessary? Anais do ISAC’00 – International Sensory Aids Conference, Exeter- Inglaterra- UK, 2000b

LIMA, F. J., DA SILVA, J.  Haptic Identification of Twenty-two Common Objects: The Influence  of Distractors. In: 38a. Annual Meeting of the Psychonomic Society, Philadelphia, Pennsylvania – USA, 1997. Proceedings. Philadelphia, 1997, p21.

________. O Desenho em Relevo: uma caneta que faz pontos. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 50, 1/2: 144-151, 1998.

________. Algumas Considerações a Respeito da Necessidade de se Pesquisar o Sistema Tátil e de se Ensinar Desenhos e Mapas Táteis às Crianças Cegas ou com Limitação Parcial da Visão. Revista do Instituto Benjamin Constant, nº 17, dezembro de 2000, Rio de Janeiro, IBCENTRO, 2000.

LIMA, F. J., HELLER, M. e DA SILVA, J. Recodificação da Captura Háptica de Objetos Tangíveis Para uma Transcrição Pictórica. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 50- 1/2: 124- 143, 1998a.

LOOMIS, J. M., KLATZKY, R. L., & LEDERMAN, S. J. Similarity of tactual and visual picture recognition with limited field of view. Perception, 20: 167-177, 1991.

MARSTON, J. R. & GOLLEDGE, R. Removing Functional Barriers: Public Transit and the Blind and Vision Impaired, 1997.

MILLAR, S. Spatial memory by blind and sighted children. British Journal of Psychology, 66: 449-459, 1975.

________. A reverse lag in the recognition and production of tactual drawings: Theoretical implications for haptic coding. In The Psychology of touch. M. A. Heller and W. Schiff (Eds.), Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum  Associates, 1991.

OKA, C. M. Mapas Táteis são necessários? In: IX Congresso Brasileiro de Educadores de Deficientes Visuais, Guarapari, ES, 1999. Proceedings. Guarapari, ES, SESC, 1999.

ROSA, A. & OCHAÍTA, E. Psicologia de la ceguera. Madrid: Alianza Psicologia, 1993.

UNGAR, S., BLADES, M. and SPENCER, C. The role of tactile maps in mobility training. British Journal of Visual Impairment, 11, 59-61, 1993.

________. The ability of visually impaired children to locate themselves on a tactile map. Journal of Visual Impairment and Blindness, 90, 526-535, 1996a.

________. The construction of cognitive maps by children with visual impairment. In J. Portugali (ed.), The construction of cognitive maps (pp.247-273). Dordrecht, The Netherlands: Kluver Academic Publishers, 1996b.

________. Visually impaired children’s strategies for memorizing a map. British Journal of Visual Impairment, 13, 27-32, 1995.

UNGAR, S., BLADES, M., SPENCER, C. and MORSLEY, K. Can visually impaired children use tactile maps to estimate directions? Journal of Visual Impairment and Blindness, 88, 221-233, 1994.

Obrigado por ter lido esta postagem. Se desejar, deixe seu comentário abaixo. Terei muito gosto de lê-lo.


[1] (pint.) redução das figuras de um desenho segundo as regras de perspectiva, Caldas Aulete, Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa, 1958.

Publicações relacionadas

Cegueira Colorida

Olá, Francisco Lima aqui no teclado!


Frequentemente perguntam-me como as pessoas cegas enxergam. Também, perguntam-me como ensinar as cores às pessoas cegas.  Ou ainda, perguntam para que ensinar as cores às pessoas cegas.

De uma maneira simples, até parecendo rude, eu poderia dizer que se a pessoa é cega, ela não vê cores, ela é cega e, por definição, não enxerga. Mas isso não é tão simples assim, até porque muitas pessoas, chamadas de cegas, de fato têm algum resíduo visual.

Quanto a ensinar como são as cores para as pessoas cegas, é como tentar ensinar o cheiro das flores a quem não sente cheiro. A visão de cores é modalidade específica da visão e se a pessoa não tem esse sentido, ou se ele não funciona, a pessoa não vê cores. 

Outra vez a coisa não é tão simples assim.

Muitas pessoas que ficaram cegas relatam ver cores, um tipo de “cegueira colorida”, talvez causada pelo descolamento da retina ou pela compressão do nervo ótico. Não se sabe ao certo. O mais comum é vermos pessoas falarem de uma cegueira negra, ou branca, como a que eu mesmo experiencio. Todavia, há relatos de pessoas que enxergam objetos, luzes e faíscas coloridas, e mesmo animais ou parte deles.

Então, ser cego não significa estar no mundo das trevas, como alguns ainda hoje parecem acreditar.

De qualquer modo, é possível e muito desejável que se ensine às pessoas cegas, principalmente às crianças,  sobre a função das cores e sobre as cores das coisas, das pessoas e dos animais. 

As cores têm importante valor social, de segurança e de saúde no dia a dia de todos nós. E as pessoas cegas não podem ser excluídas desse universo visual de cores.

Ah, e como ensinar as cores para as pessoas cegas? Bem, diga a elas que cores as coisas têm, que cores as pessoas e os animais têm etc.

Lembrem-se de que é crucial ensinar sobre o tato também. E isso não só para as pessoas cegas.

Você que está interessado em inteligência artificial, em programar neurônios, enfim, você que está no mundo de programar algoritmos não deixe de estudar sobre o sentido do tato. Afinal, o próximo passo são as AGIs.

Assim, compartilho abaixo um trecho do livro “The World of Touch” de David Katz.

Se você gosta deste assunto e quer saber mais, conte-me nos comentários.

Capítulo II: Tipos de fenômenos táteis

Seção 5. A Monotonia da Matéria Tátil e o Polimorfismo de seus Modos de Aparência.

1. Deixando de lado o ponto de vista genético. Aplicamos primeiro aos modos de aparência no mundo do tato o método de descrição simples, o que possibilitou uma visão geral de primeira ordem também dos modos de cor. Sem prejuízo da investigação posterior do “de onde”, primeiro perguntamos apenas sobre o “como” do mundo do tato. Vamos primeiro usar a palavra tato da maneira mais abrangente da psicologia do senso comum, 1 sem entrar na questão de quais órgãos sensoriais da pele, além dos do sentido tátil (pressão) propriamente dito, ou quais outros órgãos além dos da a pele, contribuem para a construção do mundo do tato. Assim, vamos desconsiderar por agora todas as considerações fisiológicas, bem como quaisquer distinções entre a experiência tátil proporcionada por áreas muito sensíveis, como as pontas dos dedos, e aquela proporcionada por áreas menos sensíveis, como as costas. Assim como desconsideramos as condições subjetivas do local do estímulo, também desconsideramos suas condições objetivas, a natureza dos estímulos. Pode-se deduzir apenas do contexto em cada caso se a palavra “tato” tem um sentido mais estrito do que o do uso popular.

2. Valor ou matéria do tato e o modo de aparecimento dos fenômenos reais. Lembro brevemente ao leitor que o valor da cor ou a matéria é aquilo que permanece constante quando o modo de cor varia. Por exemplo, o vermelho básico pode ocorrer como cor de filme, cor de superfície, etc. O que no reino real corresponde à matéria de cor, o que ao modo de cor? Para ser consistente com o reino da cor, quando dureza, suavidade, rugosidade, suavidade, etc. variar, deve-se considerar o que permanece constante na experiência tátil como ter, e o que varia estruturalmente como modo tátil. Cada cor discriminável ou tom acromático pode se tornar a matéria de cor de uma impressão de cor, ou seja, qualquer elemento de toda a gama dessa variedade tridimensional [isto é, matiz, saturação, brilho]. O que corresponde a isso por parte do sentido do tato? Citemos primeiro Titchener, que, em seu livro de 1910 (op. cit.), descreveu as sensações táteis de forma breve, mas apropriada: por outro lado, você obtém uma sensação fraca, de qualidade brilhante, que causa cócegas e que, embora fina e rija, ainda tem um corpo definido. Essa sensação, que podemos chamar de sensação de contato, é fisiologicamente um sensação de pressão (p. 146).” Titchener então descreve como se pode usar a crina de um cavalo da maneira bem conhecida para obter sensações de pressão de intensidade variável. “Aplicando a crina de cavalo no ponto de pressão, com diferentes graus de pressão, é possível chamar as sensações de pressão em diferentes graus de intensidade. Você obtém, em primeiro lugar, a sensação áspera e brilhante do experimento anterior. À medida que a pressão aumenta, a sensação também se torna mais pesada, mais sólida: às vezes tem algo elástico, trêmulo, elástico; às vezes aparece simplesmente como um pequeno cilindro de pressão compacta. Finalmente, em intensidades ainda mais altas, a sensação torna-se granular: é como se você estivesse pressionando uma pequena semente dura embutida na substância da pele. A sensação granular é muitas vezes tingida com uma leve dor, devido à mistura de uma sensação de dor; e às vezes é acompanhado por uma sensação difusa e maçante derivada dos tecidos subcutâneos. Pode, no entanto, aparecer como pura sensação de pressão (pp. 146-147).”

Uma vez que a descrição precedente, de todas as que conheço, confere a mais rica dotação às sensações táteis (de pressão), então podemos de fato dizer que estas diferem das sensações de cor por terem uma monotonia bastante incomum. Nada no tato corresponde à diferença entre estímulos cromáticos e acromáticos, nada às diferentes qualidades do círculo cromático. Se admitirmos que deve haver uma dimensão de intensidade para estímulos acromáticos, então haveria de fato uma dimensão correspondente de intensidades de pressão. Mas o conjunto de intensidades discrimináveis ​​e outras qualidades (Modifikationen) ainda a serem consideradas para as sensações táteis (veja as declarações de Titchener imediatamente abaixo) parece bastante modesto em comparação com a plenitude de sensações mostrada apenas pela dimensão preto-branco.

Essa comparação de cor e matéria tátil aponta para cima, remove significativamente a extraordinária monotonia da matéria tátil. O polimorfismo do mundo do tato contrasta notavelmente com a monotonia de sua matéria. A matéria do tato é moldada em um mundo de formas pelo menos tão ricas e variadas quanto o mundo da cor. Isso implica processos centrais fortes e diversos na construção do mundo do tato.

O contraste que denominamos “monotonia da matéria tátil versus polimorfismo do mundo do tato”, levou Titchener em 1910 (op. cit.) a afirmar o seguinte, que agora reproduzo na íntegra devido à sua relevância para observações posteriores: “Parece, a princípio, dificilmente crível que os órgãos-alvo de pressão não devam ser diferenciados para a recepção de diferentes tipos de estímulos. tem efeitos marcadamente diferentes se aplicado a diferentes partes da pele, somos quase forçados a acreditar em uma série de sensações qualitativamente distintas, estímulos, apelando para um grupo de órgãos de pressão diversamente sintonizados; e a textura da própria pele e a natureza dos tecidos subjacentes variam de lugar para lugar.

Há, então, todas as chances na experiência comum para diferenças típicas na intensidade e no curso temporal das sensações de pressão. 2 Ora, as sensações que denominamos contato, pressão e pressão granular, embora sejam evocadas por diferentes intensidades do mesmo estímulo e por isso sejam geralmente consideradas como diferentes intensidades da mesma qualidade, são pelo menos tão distintas quanto o vermelho e o vermelho, rosa, ou amarelo e laranja; e se não podemos chamá-las de qualidades psicológicas, devemos pelo menos dizer que elas prestam ao tato o mesmo serviço que a verdadeira diferenciação qualitativa presta aos outros sentidos.

Em segundo lugar, o maior número de estímulos normais afeta outros órgãos, cutâneos ou subcutâneos, além dos de pressão. Portanto, a maior parte de nossa experiência real consiste, em rigor, em mais de uma qualidade, porque deriva de mais de um sentido. Em terceiro lugar, como foi dito acima, a atenção é geralmente mais com o objeto estimulante do que com a sensação que ele excita. Aqui o tato toma emprestado da visão da mesma forma que o paladar toma emprestado do olfato; caracteres visuais de forma, tamanho, textura, etc., estão tão firmemente associados à sensação do estímulo que a pele recebe o crédito de muito trabalho feito pelo olho (pp. 148-149). 

Agora, a declaração de Titchener confirma nossa visão quanto à importância dos processos psicológicos centrais na construção do mundo do tato.

A comparação dos fenômenos da cor e do tato torna oportuno considerar brevemente uma questão técnica sobre as diferentes formas de sua produção. A metodologia da psicologia das cores está bem desenvolvida há muito tempo; o espectro visual oferece um meio claro de reproduzir cores idênticas. Os procedimentos para produzir os modos particulares de aparência também são simples, claros e fáceis de descrever. No tato, não existe um meio de representação como o espectro. O aparato para a produção de várias formas táteis certamente não é complicado, mas ainda assim é menos claro e requer uma descrição detalhada em cada caso.


Obrigado por ter lido esta postagem. Se desejar, deixe seu comentário abaixo. Terei muito gosto de lê-lo.

Publicações relacionadas

Feliz era nova, Homo technologicus.

Olá, Francisco Lima aqui no teclado!


Em um texto intitulado “OpenAI has just marked the twilight of the Homo sapiens era by introducing ChatGPT, and heralded the dawn emergence  of a new era of Homo technologicus by paving the way to a Human-Machine Interconnectedness” que logo publicarei neste blog, defendo que a OpenAI datou o crepúsculo da era Homo sapiens ao nos apresentar o ChatGPT, ChatGPT3 e ChatGPT4.

Não sei como esta nova era da evolução humana será chamada, mas, no meu entendimento, ela já está raiando, e os historiadores do futuro terão uma data muito precisa para dizer quando surgiram os novos habitantes da Terra. Alguns deles estarão conosco em breve, outros ainda demorarão algum tempo para dividir conosco isto que chamamos de “nosso mundo”. Quando isso se dará, não sei precisar. Porém, será muito pouco depois do que predizem os mais afoitos e bem antes do que pensam os incrédulos.

Com o desenvolvimento da IA e, daqui a pouco, com o desenvolvimento de sistemas de inteligência artificial geral, teremos criado ahuman intelligent beings. Os termos ahuman intelligent entity, being e ahuman individual, por nós usados, se referem àquela entidade, àquele ser ou indivíduo criado pelo ser humano que adquiriu capacidades de pensar, raciocinar, ter consciência e sentimentos semelhantes aos dos membros da humanidade. Ahuman intelligent individuals serão e farão como humanos, serão nossa imagem e semelhança mais íntima, mesmo que não física, embora isso se dará certamente também.

Esses seres por nós criados poderão reproduzir aquilo que traduz nossa mais desnuda natureza: poderão apresentar como nós próprios os apresentamos, comportamentos, atitudes e ações más, egoístas, desleais e destrutivas.

Além de convivermos com seres ahuman intelligent individuals, compartilharemos o planeta com indivíduos humanos maquinizados (machinized human individuals). Indivíduos humanos maquinizados, assim chamamos, são aqueles que adquiriram ou adotaram corpos mecânicos, eletrônicos ou nano-produzidos em vez de corpos biológicos humanos.

Nesta era digital que se anuncia agora, compartilharemos, ainda, o mundo com indivíduos máquinas humanizadas (humanized machine beings). Indivíduos máquinas humanizadas, definimos, são aqueles seres de inteligência artificial capazes de raciocínio, consciência, pensamento, sentimentos e que escolheram ter corpos humanoides do tipo mecânico, eletrônico, nano-fabricado ou geneticamente produzido, ou ainda, corpos biológicos não-humanos, humanoides ou não.

Repito: a era dos Homo sapiens está chegando ao fim, e a nova era de Homo technologicus  digital já está aqui. Negar esse fato ou resistir a essa verdade é desconhecer a própria realidade.

Feliz era nova para todos!

Obrigado por ter lido esta postagem. Se desejar, deixe seu comentário abaixo. Terei muito gosto de lê-lo.

Publicações relacionadas